Sportometrics – A Copa do Mundo Alemã

O Cinelli faz um apanhado geral sobre os modelos econométricos que tentaram prever o resultado da Copa.

Anúncios

A Copa do Mundo é boa ou ruim para a economia do país?

Bem, vejamos o que diz o Gallup:

Brazilians’ hopes are likely high Friday as their national team faces Colombia in the quarterfinals of the World Cup. Shortly before the tournament began, however, the Brazilian public was rather skeptical about the economic benefits of hosting the most expensive World Cup in history. In May, 55% of Brazilians said the World Cup will hurt the Brazilian economy, while 31% believed that it will help.

Pois é. O pessoal tem um palpite de que a Copa não é tão boa assim para a sociedade brasileira. Bem, caso você pense que nós, economistas, não temos nada com isso, dê uma espiada na lista de trabalhos aprovados para a ANPEC regional do sul deste ano. Lá você encontrará um trabalho que busca responder a pergunta do título deste post. O título do artigo é: Impacto Econômico da Copa do Mundo: Uma Avaliação pelo Método de Controle Sintético e seu autores são: André Carraro, Claudio Shikida, Felipe Garcia, João de Araújo, Vinícius Halmenschlager.

Resumidamente, o que nós fazemos é avaliar o impacto da Copa do Mundo sobre o PIB per capita do país ao longo dos anos após o evento, no período de 1990 a 2006. A análise incluiu as copas realizadas na Itália, Estados Unidos, França, Coréia do Sul, Japão e Alemanha. Mas além do PIB per capita, resolvemos também analisar a trajetória dos gastos de turistas no país-sede. O que foi que encontramos?

Conforme a literatura dos megaeventos, não há ganho significativo para o PIB per capita dos países-sede. Para o caso de Alemanha e Japão, encontramos que gastos de turistas aumentaram após a realização do evento, o que pode ser uma evidência de que há algum ganho na formação da poupança externa dos países-sede.

Repare que nossa análise foi individualizada, i.e., fizemos o mesmo estudo para cada país-sede, o que nos permitiu obter resultados desagregados. Assim, por exemplo, nossas estimativas nos dizem que o ganho de gastos em turismo na Alemanha foi de US$ 23 bilhões no período 2005-2010. Para o Japão obtivemos que este ganho foi de US$ 32 bilhões no período 2003-2009. Estes efeitos, claro, foram obtidos já livres de outras influências que, esperamos, foram controladas na construção de nossos contrafactuais.

O artigo ainda está sob revisão – pretendemos fazer mais algumas brincadeiras – mas se você queria uma resposta preliminar sobre os impactos da Copa do Mundo sobre a economia, aí está. Talvez os resultados da pesquisa do Gallup estejam nos dizendo mesmo algo sobre os impactos econômicos deste megaevento. Além disso, para terminar este texto com tristeza, é muito desagradável ver que a pressa em cumprir o desejo do ex-presidente da Silva possa resultar em desastres como este (veja o vídeo abaixo com o exato momento em que uma obra do PAC da Copa se transforma em tragédia).

Copa do Mundo: a final será entre Argentina e Brasil?

zeileis

Aichim Zeileis deve ser o cara que mais contribuiu para o avanço da econometria aplicada na prática. Vários pacotes do R – os mais didáticos, talvez – são de sua autoria.

Mas ele não é só um baita produtor de ferramentas. Ele também tem artigos interessantes como, por exemplo, este, do qual extraí a figura acima. É, eu sei, você se lembrou do filme Moneyball, né? Eu também.

Fica aí a dica.

 

Dicas para o ministro da fazenda não ficar nervosinho

20140405_082206

Tem uns 20 anos que fiz estas anotações? Tem. Mas a utilidade delas não muda com o tempo. Aliás, você já viu o último Relatório Trimestral de Inflação? Veja lá as perspectivas para a evolução da dívida pública.

Caso você prefira debater a Copa do Mundo, veja este outro trecho do Relatório, muito interessante, sobre o impacto de megaeventos esportivos sobre a inflação. A notícia é que, se há algum efeito, ele é inflacionário. Os autores do relatório, claro, dizem a mesma coisa de forma mais educada:

Em resumo, este boxe apresenta estimativas de impacto de megaeventos esportivos sobre a dinâmica dos preços ao consumidor do país sede. Nesse sentido, sugere que choques decorrentes da realização de megaeventos podem ser ligeiramente inflacionários.

Pois é. Outro dia destes eu conto para vocês sobre o que eu e uns amigos achamos acerca desta história de Copa do Mundo e impactos econômicos, ok?