O monstro do seu sonho

Não me lembro da página e o livro não está aqui perto, mas este trecho é ótimo:

“Contou-me, certa feita, um psicanalista que uma analisada vivia atormentada por um monstro que implacavelmente a perseguia. Por ter o monstro mil disfarces, o medo não tinha como se concentrar num rosto. O psicanalista pediu-lhe, por isso, que deixasse de tentar identificar o semblante do mal e se limitasse, da próxima vez, a despistá-lo vagando a esmo por toda a paisagem que se apresentasse como caminho possível. Deveria fugir indefinidamente para ver até onde a perseguiria. Seguir à risca o conselho. Ao começar a ser seguida, andou por um bom tempo a passos firmes. Um grito ao longe a assustou. Começou a correr em desabalada carreira. Corria, corria e corria. (…) De repente, exausta, sobrou-lhe apenas adentrar por uma ruela escura. Lá, nos últimos trinados da respiração, viu-se contra a tosca parede da rua sem saída. Fim da linha. Encurralada, prestes a desfalecer, olhou nos olhos vazados do monstro e perguntou aterrorizada: “O que você vai fazer comigo?” “Não sei, respondeu-lhe atônito o monstro. Não tenho como saber. O sonho é seu”. [Alberto Oliva, A Solidão da Cidadania, Editora Senac, São Paulo, 2000]

Pois é. O sonho é seu, não é? Então, não adianta jogar a culpa no monstro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s