Curiosa vida

Ontem eu acompanhava minha esposa a uma agência bancária não exatamente perto de casa. Enquanto ela era atendida, assustei-me ao ser abordado por outro funcionário (breve digressão: não, não vem aí um texto sobre a maldade do setor bancário, da opressão do fantasioso capitalismo financista, etc).

O diálogo foi mais ou menos assim:

– Oi, você não vai se lembrar de mim porque nunca fui seu aluno, sou o XXX.

– Prazer, XXX.

Curioso, não? Nunca havia sido meu aluno, mas me cumprimentou. O interessante é que ele seria meu aluno numa faculdade da qual me desliguei há algum tempo. Para ser mais exato, quando ele ia me alcançar, eu saí.

Conversando um pouco, descobri que ele se graduou há pouco tempo (e faz parte de uma turma que lançou até alguns alunos para o mestrado). Não apenas seus bons modos fizeram-me renovar minhas esperanças no futuro, como também fiquei feliz por ser lembrado como um professor com o qual, segundo ele, valeria a pena estudar.

Torço para que, um dia, no futuro, ele se sinta como eu me senti ao apertar sua mão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s