Às vezes é por erro

Treisman tem um novo working paper no NBER. Essencialmente, ele argumento que 2/3 de sua amostra são de países nos quais a democracia surgiu por “erro” mesmo. Ponto interessante porque, muitas vezes, esquecemo-nos que o ser humano é falível, imperfeito e é este mesmo ser humano que exerce o poder em um regime mais fechado.

Ao argumento desenvolvido pelos autores deste ótimo livro,  portanto, temos uma adição interessante: muitas vezes a mudança se dá por erros da elite de uma ordem de acesso limitada (OAL), não necessariamente por janelas de oportunidade.

O que assusta é o percentual que Treisman reputa aos “erros”: 2/3. Mas é mais um ponto a ser estudado por quem curte pesquisar mudanças institucionais e seus impactos no bem-estar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s