Uncategorized

Batalhas ideológicas: aqui e lá – Hayek, Mises, Marx, Smith e Gramsci

Olá. Seguindo a sequência dos textos anteriores e também a minha mórbida curiosidade por famosos já falecidos, aí vai o resumo das visualizações dos verbetes de Hayek, Mises, Marx, Smith e Gramsci, tanto na Wikipedia de língua inglesa quanto na de língua portuguesa.

ideologia

Antes que alguém pergunte: os dados são mensais e começam em Jan/2008 indo até Mai/2015. Curiosamente, Marx e Smith, em ambas as línguas, são as únicas séries estacionárias deste conjunto acima. Todas as outras possuem uma raiz unitária (usei o KPSS).

Notável é o crescimento de “Hayek” e “Mises” em língua portuguesa. “Gramsci” parece crescer mais lentamente, mas também merece destaque. Ficou feliz, né? Mas não sei não. Algo aí me incomoda. Por enquanto, fica a dica.

Anúncios
Uncategorized

Você só lê sobre a Independência quando tem trabalho de escola para fazer! + FIFA 2015: o jogo da corrupção

Seguindo a tendência dos posts anteriores, eis mais duas pesquisas rápidas sobre os pageviews de dois vocábulos: “Independência do Brasil” e “FIFA”, este último em três línguas.

Bem, padronizando as séries (deixando-as com média zero e variância unitária), vemos que, primeiro, não há qualquer tendência na série de “Independência_do_Brasil”, ou seja, não há um aumento nas visualizações desta página da Wikipedia brasileira ao longo do tempo. Tá, o assunto é chato, eu acho.

Mas a galera sempre aumenta busca em uma certa época do ano e não precisa ir muito longe para saber quando. ^_^

independ_wiki

Ah sim, e o escândalo do momento? Sim, a FIFA. Durante o ano da Copa, como esperado, as visualizações aumentaram e, mais recentemente, com o escândalo de corrupção da organização mundial do futebol, as visualizações foram ainda mais frequentes. A corrupção, diria um patrocinador hipotético da Wikipedia, dá mais visibilidade do que a Copa do Mundo. ^_^fifaBem, por hoje é só.

Uncategorized

Momento R do Dia – Ver a página do “Family Guy” na Wikipedia te leva a ver a do “The Simpsons”, mas não o contrário

Momento R do Dia – Crossover?

Seguindo a brincadeira das últimas horas (originalmente a coisa toda começou aqui), resolvi fazer um experimento com dois verbetes favoritos do pessoal de língua inglesa: “The_Simpsons” e “Family_Guy”. Adianto que o meu favorito é o último. A inspeção visual inicial nos mostra uma possível correlação entre as séries.

guysimpsons1

Como sabemos, a correlação não quer dizer causalidade (e nem a correlação parece ser algo lá muito importante, né?). Assim, verifiquei a estacionaridade das séries e, para a possível surpresa de alguns, descobri que ambas possuem uma raiz unitária. Logo, tive que diferenciá-las (o gráfico das mesmas está abaixo).

diffs

A brincadeira foir fazer uns testes de causalidade de Granger entre as duas séries diárias de pageviews. Arbitrariamente, usei 4, 8 e 12 defasagens. Adivinhem só o resultado?

A hipótese nula de que Simpsons não-Granger causam Family Guy não é rejeitada sob qualquer grau de significância padrão. Já a hipótese nula de que Family Guy não-Granger causa Simpsons é rejeitada (a 5% para a especificação com quatro defasagens e a 1% para as com oito e doze defasagens).

O que isto significa, meu Deus???

Grosso modo, quem visualiza o verbete do Family Guy vai lá ver mais sobre os Simpsons, mas não o contrário. Por que será que isto ocorre? Não sei. Palpites?

Agora, o que fazer? Meu mundo acabou? O que faltou?

O que eu não fiz? Não fiz várias coisas. Dentre outras, por exemplo, um teste de cointegração (pensando bem, teria sido divertido…). Poderia ter feito mas, enfim, não era a minha intenção. O código? Veja aí.

library(wikipediatrend)

# exemplo 1

page_views <- 
  wp_trend( 
    page = c( "Family_Guy", "The_Simpsons") ,
    from = "2008-01-01",
    to   = prev_month_end(),
    file = "C:/Users/cdshi_000/Documents/Meus Documentos/Meus Documentos/guysimpsons.csv"
  )

guys<- read.zoo("C:/Users/cdshi_000/Documents/Meus Documentos/Meus Documentos/guysimpsons.csv",header=TRUE,sep=",",format = "%m/%d/%Y")
head(guys)
summary(guys)

library(forecast)
ndiffs(guys$family_guy)
ndiffs(guys$the_simpsons)

plot(guys)
plot(diff(guys))

# Simple Scatterplot (não apresentado)

plot(guys$family_guy, guys$the_simpsons, main="Scatterplot Example", 
     xlab="Family Guy ", ylab="The Simpsons", pch=19)

abline(lm(guys$the_simpsons~guys$family_guy), col="red") # regression line (y~x) 
lines(lowess(guys$family_guy,guys$the_simpsons), col="blue") # lowess line (x,y)

# a correlação apresentada

library(car) 
scatterplot(the_simpsons~family_guy, data=guys, 
            main="Enhanced Scatter Plot")

# Os testes de causalidade...

library(lmtest)
grangertest(diff(family_guy) ~diff(the_simpsons), order=4, data=guys)
grangertest(diff(the_simpsons) ~ diff(family_guy) , order=4, data=guys)

grangertest(diff(family_guy) ~diff(the_simpsons), order=8, data=guys)
grangertest(diff(the_simpsons) ~ diff(family_guy) , order=8, data=guys)

grangertest(diff(family_guy) ~diff(the_simpsons), order=12, data=guys)
grangertest(diff(the_simpsons) ~ diff(family_guy) , order=12, data=guys)

Algum comentário? Talvez Peter tenha um.

Uncategorized

Marx e Mises na Wikipedia: a comparação entre a língua inglesa e portuguesa

Ok, vamos aos acessos às páginas dos artigos “Karl_Marx” e “Ludwig_von_Mises”, em ambas as línguas, na Wikipedia. Por que alguém buscaria isto? Não sei. Pode ser para conhecer o argumento dos autores ou para buscar contradições em suas idéias. Não faço a menor idéia. Mas sei que os gráficos, normalizados (padronizados) são, para o queridinho dos socialistas, Marx:

marx_enpt

Para o queridinho dos austríacos, o Mises:

mises_enpt

Os dados são diários (sim, eu gerei as séries mensais, mas não as apresento aqui) e o que se vê é que o interesse por Mises, em português, aumentou (isto ocorre, embora o gráfico não seja tão claro, por volta de 2011 (viu porque a série mensal pode ser interessante? ^_^)).

Antes que você comemore ou lamente, veja: a Wikipe(é)dia é apenas uma das fontes de acesso das pessoas. Geralmente, o pessoal usa o Google para fazer a busca e, depois, chega à Wikipedia. Então, estamos, talvez, diante de leitores mais voltados ao estudo (superficial ou não, é um leitor mais “filtrado”, por assim dizer, porque está lendo o verbete de uma enciclopédia).

Neste sentido, o crescimento observado para os acessos da página do autor liberal, em língua portuguesa é um inequívoco (supondo que não existam “bots” trabalhando…) sinal de crescimento do interesse (favorável ou crítico, não importa) pelo austríaco.

Interessante pensar no quanto tempo demorou para o mercado editorial reconhecer este fato óbvio (e eu acho que não demorou muito, mas mais do que eu gostaria). Bom, é isso. Chega de falar de autores que atraem tanto estudiosos sérios como fanáticos seguidores. Quem quiser ver mais, basta ver os meus últimos posts neste blog. Foram todos sobre o mesmo tema (frequência de page views na Wikipedia).