bolivarianismo · brasil · leite adulterado · lula · modelo regulatório bolivariano · pterodoxia · regulação

Ainda o escândalo do leite

Um leitor deste blog fez um comentário indignado sobre as externalidades negativas causadas por esta gente. Vale a reprodução integral:

Fico impressionado com a falência dos órgãos públicos em cumprir com sua responsabilidade. O ministério da agricultura possui laboratórios para analisar alimentos, a ANVISA deveria fazer o papel de vigilância, enfim, no caso do leite há muito tempo que se observam abusos e que mostra que nada se faz a respeito.
A ANVISA ontem me causou espanto a declaração de uma infeliz que está ocupando um posto lá, pois afirmou que a única coisa certa é de que ninguém vai morrer por causa disto. Bem, partindo de uma pessoa normal, mostraria a ignorância no assunto, porém partindo de alguém que está “ocupando” um cargo de responsabilidade mostra o grau de ignorância e estupidez, pois vigilancia sanitária não pressupõe somente cuidar daquilo que mata e sim da integridade sanitária de qualquer produto e principalmente de evitar riscos à população. Adicionar soda caustica e agua oxigenada para matar bacterias e prolongar o leite longa vida é crime, pois não é necessário em empresas idoneas esta prática. Quantas pessoas passaram a ter problemas gastricos em função disto e sequer sabem o motivo, pior é que a sabedoria popular manda tomar “um copo de leite” pois é bom para o estomago.
Fico chateado em saber que não estamos somente tendo o apagão aéreo, o da dengue, o das estradas, o da educação, fico chateado em descobrir que estamos à mercê de tudo, sem que o estado cumpra o seu papel que não é somente o de arrecadar impostos e sim zelar pelo bem estar coletivo.
Infelizmente isto é o BRASIL

Eis uma boa pergunta: se pessoas passaram a ter problemas por conta disto, quem pagará a conta? Haverá tratamento para todas as pessoas que, comprovadamente, passaram a ter sua saúde afetada por conta da adulteração? Se sim, quem pagará e como? Mais do que um interesse teórico, creio que é uma questão humana bem séria.

Claro, a questão da regulação mal feita me faz perguntar outra coisa: com tantos apelos por parte de pterodoxos e porta-vozes do pensamento bolivariano (todos no governo?) que dizem que nosso governo é raquítico porque, ahn…, o gasto público por quilômetro quadrado é um dos menores do mundo, por que a ANVISA não detectou isto antes? Não há esta desculpa de “é tudo feito por amostragem”. Basta fazer a amostragem bem feita. Mais ainda: o governo vem crescendo initerruptamente há dois mandatos presidenciais, pelo menos. Não falta gente. Há muita gente no governo. Concursos públicos para agências regulatórias? Passe na banca mais próxima de sua casa e confira: o governo contrata sem parar. Não, gente, nenhum lugar do mundo tem 100% da PEA empregada no Estado. Minto, há Cuba e a Coréia do Norte, modelos bolivarianos perfeitos. Só que, lá, é bem possível que a adulteração de produtos tenha se tornado norma pública…

Capital Humano · educação · informação · jornalismo · Tecnologia

Tecnologia e uso da tecnologia

Este comentário do Marcelo Soares sobre o uso primitivo dos computadores pelos jornalistas brasileiros me faz lembrar o importante fato de que não basta encher salas de aulas com gente despreparada e que não mexe um dedo para aprender. Quantidade de gente não é sinônimo de uso intensivo do cérebro. Ou dos cérebros.

Por isto existem profissionais ruins em Economia, Jornalismo, etc.

bolivarianismo · brasil · crime · esquerda

Oferta e demanda

São as classes altas as maiores responsáveis pelo consumo de drogas? Sem dúvida. Mas quem as fornece é a favela. Também é óbvio que a miséria e a prolificidade desvairada favorece a criminalidade. Se uma família pode sustentar uma criança e tem no entanto sete ou oito, é óbvio que a maioria, senão todos, irão para a escola das ruas. Nesta escola não se aprende exatamente etiqueta e bons modos.

Vou indicar o artigo todo.

bolivarianismo · brasil · comunismo · esquerda · lula · PT · socialismo

Momentos gloriosos da esquerda brasileira

A Caixa Preta do MST

Sem-terra morto era funcionário da Funpar e recebia quase R$ 3 mil por mês. Que o MST é um movimento de vagabundos, bandidos e assassinos, todos sabiam. O que não sabíamos é que muitos deles têm sinecuras asseguradas na máquina pública. Esse caso no Paraná clama por uma investigação séria. Está na hora do ministério público investigar o desgoverno desse projeto do clown de caracas, o governador Requião.

Assino embaixo.

bem-estar · economia do futebol · economia dos esportes

Quanto mais times no campeonato…melhor?

Eis aí um artigo que nos dá novas hipóteses testáveis.

Sports League Expansion and Consumer Welfare
LAWRENCE M. KAHN
Cornell University and Princeton University
This article studies sports league expansion and consumer welfare. The author assumes that as a sports league expands, the average quality of playing talent falls, and each fan sees superstars fewer times per season. Expansion thus imposes a negative externality on existing fans. If all revenues come from local sources, such as gate receipts and local media, then the optimal league size (which maximizes total fan utility net of team opportunity costs) is the same as the monopoly league size that maximizes total league profits, but the competitive (free entry) league size is too large. If all revenues are national, split evenly, and where a broadcast network charges a uniform national price to viewers, the optimal league size is between the larger competitive size and the smaller monopoly league size. The more elastic the supply of talent is, the closer the competitive size is to the optimum.

Deu lá no Journal of Sports Economics, v.8, n.2, Apr/2007.