Humor · off-topic

Foi ele quem disse, não eu

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira, 26, que “também é deficiente “, ao participar de cerimônia de lançamento do Plano Social: Inclusão da Pessoa com Deficiência, medidas em prol de pessoas com deficiência no Palácio do Planalto.

Paradoxalmente, ele é quem disse isso.

falhas de governo · rent-seeking

Xô CPMF?

Os sindicatos de industriais dizem querer acabar com a CPMF. Parte de seus membros acabam de ganhar um presente dos políticos. Somando ambos, a pergunta que fica é: seria sincera esta destemida e impávida campanha dos sindicalistas da indústria? Ou será que alguém se esqueceu de dizer que gasto sem receita é aumento da dívida?

Depois vão chorar como menininhas quando a taxa de juros aumentar. É por isto que, apesar de tudo, eu ainda ensino Economia. Já pensei em ensinar Matemática elementar (4 – 2 = 2) para este povo, mas ou o orgulho do ignorante é ferido ou sua cara-de-pau transparece. Como muitos deles têm filhos, pega mal, né?

Humor · off-topic

O que o brasileiro diz…e o que ele realmente quer dizer

Esta é uma pequena lista, compilada desordenadamente, de clichês e suas interpretações. Contribuições para uma futura publicação podem ser enviadas para por e-mail.

Você é autoritário – você não concorda comigo.
Você tem a mente aberta — você concorda comigo.
Abra sua mente — passe a pensar exatamente como eu. (Recomendo responder abra você a sua.)
Ele é uma pessoa esclarecida — ele pensa exatamente como eu.

Forças populares — nós mesmos.
Demandas sociais — os objetivos do nosso partido. O mesmo que anseios da sociedade.
XXX é um patrimônio do povo brasileiro — alguns políticos e burocratas desejam enriquecer com XXX.
XXX é um direito de todos — quero obter um produto ou serviço sem ter que pagar.
Estou indignado com… — todo mundo vive de maracutaia, menos eu? Quero a minha parte, nem que seja por concurso!
Basta — esse negócio de os efeitos se seguirem às causas é muito opressor! Tudo deveria fluir de nossos corações lindinhos.

Vamos abrir o debate — vamos fazer isso de qualquer jeito, só vamos comunicar com um pouco de antecedência.
Desejamos ouvir a sociedade — desejamos ouvir nossos correligionários.

Tenho direito a um plano de carreira — quero aumentos de salário sem ter que trabalhar mais ou melhor.

 Pedro é imbatível…

mercados

Proibição e violência

Fonte: Austrian Addiction

Por que é que os economistas são criticados quando pedem por menos violência? Porque eles o fazem usando gráficos como estes, que mostram que violência e proibição possuem correlação positiva. Claro, alguém pode querer dizer que correlação é parte da história. Ok, mas aí o interlocutor, ao menos, sabe Estatística para dummies, o que ajuda. O problema é quando a crítica vem sem nexo, plexo ou, sei lá, sexo. ^_^