Uncategorized

Onde estão os livros liberais?

Acabei de chegar da livraria Cultura daqui de Brasília. Talvez seja a melhor livraria da cidade. Ambiente bacana, espaçoso e lugar para se tomar café.

Pedi um livro do von Mises, não tinham. Pedi um livro de Tocqueville, também não tinham. Acton, idem. Finalmente encontrei um livro de Friedman sobre moeda. Peguei o livro e fui ao caixa, preço: R$ 67,50…. devolvi o livro e fui embora para casa. O livro estava sujo, manchado, era de uma edição de PÉSSIMA qualidade. Ao lado dele havia um livro de fotografias de Paris. Ótimas fotos, papel de excelente qualidade, preço: R$ 75,00.

Obviamente não faltavam livros sobre a vida de Marx, sobre a obra de Marx, etc. O preço desses livros também era extremamente acessível. Uma pessoa não tem a menor dificuldade em ter acesso a obras marxistas, elas são muitas e estão sempre a um preço acessível. Por que o mesmo não é verdade quando se trata dos pensadores liberais?

4 comentários em “Onde estão os livros liberais?

  1. Esta é a diferença. Você entra numa Borders ou Barnes & Noble lá nos EUA e vê material de tudo que é tipo (sim, sim, inclusive Marxistas!). Figuras como Thomas Sowell e Walter Williams por aqui, nem pensar! Para quem lê em inglês, o melhor mesmo é comprar via Amazon ou B&N. É mais barato e o acervo é bem mais sortido. O problema é o frete mas, se juntar uma quantidade boa de livros, dá para diminuir bem o custo por livro.

  2. culpa das editoras e problema de distribuição, basicamente. não acho que seja uma conspiração.

  3. okay, mas o que causa isso? creio que renato calisto drumond, do democrata liberal, também jah pensou o problema, que deve ser a tortura de muitos liberais. Nem que seja simplesmente abaixar os preços através daquele método de produzir vários, com matérial nojento, mal-revisados [perái, questão de tipografia, erros crassos não ajudam – atradução tem de ser o mínimoo a se investir aqui], MAS COM O INTUITO DE CHAMAR A ATENÇÃO PARA O CONTEÚDO. Seis, dez reais, por aí. Neguinho pode tanto ler vários quanto ir comprando edições melhores [melhor traduzidas, ou em inglês mesmo].

  4. Opa, tem alguém fazendo referência a mim! hehe

    Algumas hipóteses:

    1-uma parte considerável do mercado de livros é alimentado por estudantes universitários. Estes acabam por comprar vários livros, seja por necessidade de seguir um determinado curso, seja por indicação de professores. Os pensadores liberais se concentram, quase sempre, na área de economia. Fora de economia, os outros cursos de humanidades desconhecem, em grande parte, a bibliografia liberal. A demanda formada por estudantes universitários de humanas(história, sociologia, filosofia, etc.) é, portanto, basicamente, refratária ao liberalismo ou pelo menos não-liberal, sem contar a literatura que é basicamente técnica ou introdutória.

    2-uma parte considerável dos liberais brasileiros acaba optando por ler os livros no original, principalmente numa época em que esta operação possui um custo muito baixo. Como nossas traduções não são lá muito confiáveis e as pessoas que conhecem o liberalismo acabam sendo aquelas que, historicamente, dominam outra língua, não há pressão por parte destas pessoas por livros liberais traduzidos.

    3-os socialistas se empenham mais na militância do que os liberais. Curiosamente, os socialistas são muito mais empreendedores no mercado de livros do que os liberais, Há dezenas de editoras declaradamente socialistas. No Brasil, há apenas algumas iniciativas aqui e ali.

    4-uma parte considerável dos livros editados no Brasil o são por editoras universitárias(livros escritos por professores, monografias, teses, etc.). Pela mesma razão de 1, a maior parte dos livros editados acabam por refletir as idéias que usualmente circulam nos cursos publicados.

    5-o nosso mercado de livros ainda é reduzido, fazendo com que demandas mais específicas(como, por exemplo, a por livros liberais) acabem por não ser atendidas. Por conta de nossas editoras não se beneficiarem totalmente dos potenciais rendimentos crescentes de escala, a edição de livros com, por exemplo, 500 exemplares, que poderia ser rentável, acaba por não o ser no estágio atual em que elas se encontram.

    soluções:

    1-divulgar o liberalismo em cursos de humanidades atualmente refratários ao pensamento liberal. Essa divulgação não implica, inicialmente, em divulgação ideológica, mas primeiramente em fazer com que o pensamento liberal seja conhecido e posteriormente reconhecido como uma posição ideológica legítima(ao contrário, por exemplo, do nazismo).

    2-este ponto é dependente dos outros

    3-termos vergonha na cara e fazer algo a respeito

    4-a solução é a mesma de 1: palestras sobre o pensamento liberal ou a visão liberal sobre algum problema, formação de grupos de estudo liberais, resgatar a história do liberalismo no Brasil.

    5-este ponto depende de variáveis que dificilmente poderemos influenciar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s