Uncategorized

Campanha: comprem celulares para o pessoal da diplomacia

Itamaraty não sabia sobre cubanos, diz ministro interino

É brincadeira, mas é sério, né? Haja falta de comunicação entre os órgãos do governo. Não é de se estranhar que não funcione. É, sim, de se estranhar que muita gente ache que só não funciona porque não está “aparelhado” com os militantes certos.

Claudio

Continue lendo “Campanha: comprem celulares para o pessoal da diplomacia”

Uncategorized

Governo brasileiro dá nocaute em liberdade de imprensa e também na lógica (risadas para o Ministro da Justiça são bem-vindas, no mesmo espírito mantêguico)

Juan Carlos Ramirez Abadia, esse é o nome do assassino de 300 pessoas na Colômbia e de outras 15 nos Estados Unidos. Também é condenado por tráfico de drogas. Esse representante do crime, de periculosidade inquestionável, tem direito a ter seu pedido de extradição julgado pelo Supremo Tribunal Federal. Por que aos atletas cubanos não foi concedida ao menos uma entrevista com a imprensa brasileira enquanto esse marginal tem direito a audiência no STF?

Os boxeadores cubanos foram presos na quinta-feira e deportados no sábado, isso implica que o governo brasileiro se livrou deles em menos de 48 horas e, não custa lembrar, não permitiu que a imprensa brasileira tivesse acesso aos mesmos. Por que? Qual era o medo de permitir aos cubanos responder a algumas perguntas da imprensa?

Leia tudo aqui. Os grifos são meus. Deve ser isto que a esquerda anaeróbica chama de visão democrática dos meios de comunicação. Nestas horas, os blogueiros da dita corrente só falam de receita de bolo…voluntariamente.

Claudio

Continue lendo “Governo brasileiro dá nocaute em liberdade de imprensa e também na lógica (risadas para o Ministro da Justiça são bem-vindas, no mesmo espírito mantêguico)”

Uncategorized

A atitude, o caráter e o nosso dia-a-dia


Fonte: Xará.

Há dois tipos de atitudes diante das dificuldades: a desistência e a perseverança. Somente uma delas leva ao sofrimento: a segunda. Somente uma delas te leva ao sucesso: a segunda.

Tive a oportunidade de receber inesperados elogios no intervalo, agora há pouco, de alunas de muito bom caráter. Agora sei que não têm apenas caráter. Têm também atitude, na melhor acepção da palavra.

Claudio
p.s. “acepção”? Esta é boa…

Continue lendo “A atitude, o caráter e o nosso dia-a-dia”

Uncategorized

Maiores e Melhores Piadas do Ano: Ministro da Fazenda

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, arrancou gargalhadas de uma platéia formada pelos principais empresários do País, na entrega do prêmio de Melhores & Maiores, da Revista Exame, terça-feira à noite em São Paulo. Os empresários encararam como uma grande piada a declaração do ministro de que o governo devolverá a arrecadação recorde de tributos na forma de serviços à sociedade.

Já falei disto ontem. Estava aqui preparando umas aulas e pensando com meus botões: se esta piada do ministro fosse contada em praça pública, o redator da notícia seria obrigado a trocar “empresários” por “todo mundo”.

Claro que o ministro deveria seguir o conselho da sua colega de partido e de governo: não gostou da piada? Fica zen, amigo. Relaxa e goza.

Claudio

Continue lendo “Maiores e Melhores Piadas do Ano: Ministro da Fazenda”

Uncategorized

Philipe armado até os dentes

Philipe montou um pequeno jogo em seu blog. Ele não é economista de nascença, embora seja praticante. E ele pede comentários. Bem, os colegas que estiverem dispostos a um diálogo de alto nível podem ajudá-lo aqui.

Claudio
p.s. Philipe representa 50% dos “?ilipes” que conheço cujos nomes são grafados, digamos, de forma compatível com nomes da velha nobreza…

Continue lendo “Philipe armado até os dentes”

Uncategorized

O patético economista alemão e a desculpa de um parecerista desinformado

A notícia que o Ari citou logo mais abaixo, ontem, tem um ponto interessante. Ao ser pego com as calças na mão, o editor de uma das revistas que tinha artigos do infame economista (em inglês, aqui) saiu-se com a seguinte desculpa: o plágio dele só passou porque o artigo seria “altamente” matemático.

Ora, ora, ora. A área de Ciências humanas já conhece, há séculos a alta aderência da retórica às técnicas de vigaristas como o que vemos agora. A linguagem matemática é muito menos sujeita à retórica. Por que? Primeiro, prova de teorema é prova de teorema. Não há como mudar. Logo, não é de se estranhar que apareça de forma idêntica em vários textos. Segundo, 2 = 2. Logo, se eu leio “2” em um texto e “2” em outro texto, não há absolutamente nada de ilegal nisto.

O que se poderia dizer é que um parágrafo no qual se encontra uma (ou mais) equação(ões) foi plagiado, mas aí o que acontece é uma identificação do plágio um bloco agregado de expressões matemáticas e não-matemáticas no qual, certamente, as similaridades se verificam muito mais facilmente na parte não-matemática do texto.

Finalmente, o editor da revista faria melhor se trabalhasse com mais atenção. Caiu-lhe em mãos um artigo mais “matemático”? Arrume um parecerista que entenda do assunto. Ora, bolas.

Afinal, que raios de ciências humanas são estas em que os editores não sabem nem escolher bons pareceristas?

Claudio

Continue lendo “O patético economista alemão e a desculpa de um parecerista desinformado”