Uncategorized

Boa estratégia de marketing

Gostei desta estratégia do povo de “Os Simpsons”: vender produtos da ficção antes da efetiva estréia do filme (veja mais aqui).

Não é uma idéia que qualquer fã de quadrinhos ou TV não tivesse, mas antes tarde do que nunca.

Claudio

Continue lendo “Boa estratégia de marketing”

Uncategorized

Mercosul e a política industrial

Eu imaginava que isto iria acontecer. Há meses o discurso governista está, lentamente, voltando à época das campanhas eleitorais.

Eu só me pergunto como o pessoal que não consegue resolver um problema de nevoeiros há quase uma semana nos aeroportos terá sucesso nesta empreitada de salvar setores da economia nacional dos concorrentes que praticam preço menor.

A conferir.

Claudio

Continue lendo “Mercosul e a política industrial”

Uncategorized

Feminismo e os aliados bolivarianos

Uma feminista iraniana, culpada por ter participado no ano passado de uma manifestação pacífica pela abolição das leis discriminatórias contra as mulheres existentes em seu país, foi condenada a 2 anos e 10 meses de prisão e a receber dez chicotadas, segundo informações da agência iraniana Irna divulgadas nesta terça-feira, 3.

Delaram Ali, de 24 anos, havia participado, em junho de 2006, de uma manifestação, dispersada pela polícia, no centro de Teerã contra algumas das leis islâmicas que limitam os direitos das mulheres.

Lembre-se: nunca houve um holocausto…e nem feministas são condenadas por motivos triviais (exceto sob o ponto de vista cultural e opressor dos ocidentais).

Claudio
p.s. triste, não?

Continue lendo “Feminismo e os aliados bolivarianos”

Uncategorized

A Economia Política do Bolivarianismo Brasileiro

Reinaldo Azevedo tem uma tese bem interessante sobre os interesses que realmente estariam movimentando certas cordas financeiras.

O ponto é interessante porque me faz lembrar da tese dos “batistas e dos comerciantes de bebidas” de Bruce Yandle. Em resumo, o argumento de Yandle é mostrar que grupos muito distintos podem se encontrar no mesmo lado da arena selvagem (esta chamada “tomada de decisões política”), por simples alinhamento de incentivos.

Muitos pais realmente acharão ótimo que alguém faça o que deveriam fazer como, por exemplo, controlar a gula dos filhos. Tem gente que vê na regulamentação do governo um substituto à sua responsabilidade ao invés de um bom e simples “empurrãozinho”. Para estes últimos – em geral, bem mais numerosos do que os primeiros – uma censurazinha sai mais barato do que ter que educar alguém.

Claro, do outro lado, há gente interessada em suprimir certas liberdades que acabam por ofertar este tipo de produto como uma política pública “para todos”.

Pronto. Está feita a aliança que inicialmente seria improvável.

O argumento do Reinaldo – vale a pena ler, mesmo – é mais um exemplo (talvez um perigoso exemplo, se você mora no Brasil) – da tese de Yandle.

Claudio

Continue lendo “A Economia Política do Bolivarianismo Brasileiro”