Uncategorized

Portfolio diversificado

Em campanha política, a ordem é diversificar. Grandes empresas, como a Gerdau, neste link, sabem disto.

Belo banco de dados. O leitor pode fazer uma pesquisa mais ampla com os dados, na busca de testes de hipóteses mais específicos. Por exemplo, parece-me óbvio que todos, não apenas a Gerdau, diversificam seus investimentos.

Mas há várias hipóteses que podem ser testadas. Por exemplo, como será que os interesses dos grandes doadores foram tratados pelos eleitos em 2004? É diferente em nível municipal, estadual ou federal?

Bom trabalho.

Claudio

Continue lendo “Portfolio diversificado”

Uncategorized

Daniel Piza, em bom momento

Diz o site do PT: “O Partido dos Trabalhadores está orientando militantes, simpatizantes e todos os eleitores do presidente Luiz Inácio da Silva a utilizarem o potencial da Internet para dinamizar a campanha pela reeleição. (…) A idéia é ocupar o espaço virtual para defender os projetos da administração federal, debater o programa de governo do próximo mandato e combater a ‘guerra suja’ das acusações infundadas, caluniosas e criminosas que circulam com facilidade por este meio.” Pois a militância entendeu da seguinte forma: entrem e xinguem qualquer pessoa na Internet que critique Lula e o PT, não importando se a crítica é baseada em fatos e argumentos.

Leia toda a coluna. Está ótima. Principalmente no que diz respeito às semelhanças entre os governos FHC e o atual.

Claudio

Continue lendo “Daniel Piza, em bom momento”

Uncategorized

Ecologistas incentivam o suicídio (sério!)

Will Wilkinson has a great demolition of the New Economics Foundations’ Happy Planet Index. The magic formula: “Multiply life expectancy by life satisfaction and divide it by environmental impact.” Here’s Will:

I worry that much of the happiness work is ideologically loaded, but most of it is at least an honest attempt study human welfare empirically. Too much of it, however, is stuff like the NEF’s index, basically an attempt to persuasively define something like “happiness” so that it comports with a statist, anti-growth agenda. This is sheer politics brazenly posturing as social science. If the Cato Institute published a study that, say, multiplied life satisfaction by the rate of economic growth and then divided it by government spending as a percentage of GDP, and called it “The Happy World Index, ” would editors think twice? I hope they would. In fact, I bet they would.

Yep. But you can make the reductio ad absurdum even more devastating. According to the Happy Planet Index, you can achieve infinite happiness simply by having zero environmental impact. And the simplest way to achieve that, of course, is not to exist at all.

News flash: Unimaginable happiness is just a massive suicide pact away!

Nada a acrescentar. Se a felicidade se mede pelo menor impacto ambiental possível, o conflito árabe-israelense pode transformar boa parte do Líbano em um paraíso. Ecologistas, cuidado.

Claudio
p.s. este post também está ótimo.

Continue lendo “Ecologistas incentivam o suicídio (sério!)”