Uncategorized

Três textos para interessados em estudos avançados na área de Economia Austríaca

2009 Lavoie Graduate Student Essay Competition Winners

The Society for the Development of Austrian Economics is pleased to announce the winners of the Don Lavoie Memorial Graduate Student Essay Competition. Three prizes are given, each worth $1000, to be used to pay expenses to attend the Southern Economic Association meetings this November in San Antonio, TX, where the winners will present their work on a special panel at 10:00am, Saturday, November 21, 2009. Prize awards are contingent on attending the SEA meetings and the SDAE’s annual business meeting and awards banquet.

This year’s winners are:

Chad Seagren
George Mason University
Agent Based Modeling and Austrian Analysis of Accident Law”

Arash Molavi Vasséi
University of Hohenheim
“Static Tools for Dynamic Analysis: Ludwig von Mises’s Business Cycle Theory”

David Skarbek
George Mason University
“Self-Governance in San Pedro Prison”

Uncategorized

Divulgação

Recebi esta mensagem e gostaria de compartilhá-la com os que estudam seriamente economia austríaca.

Good morning folks. Please see below for details on this year’s 2009 Don Lavoie Memorial Graduate Student Essay Competition sponsored by the SDAE.
*****

The Society for the Development of Austrian Economics is pleased to announce that submissions for the 2009 Don Lavoie Memorial Graduate Student Essay Competition are now being accepted. Submissions will be accepted from advanced PhD students in economics or other relevant disciplines anywhere in the world. The competition is limited to thesis chapters and/or other research that is geared toward publication in the professional journals; submissions should adhere to appropriate standards of academic writing and should be on a topic relevant to Austrian economics. There is no word limit; and, students submitting papers to this competition will retain all publication rights to their work; however, winners are encouraged to submit their papers to The Review of Austrian Economics for possible publication.

Three prizes are given, each worth $1000, to be used to pay expenses to attend the Southern Economic Association meetings this November 21-23, 2009 in San Antonio, TX, where the winners will present their work on a special panel scheduled for 10:00am, Saturday, November 21. Prize awards are contingent on attending the SEA meetings and the SDAE’s annual business meeting and awards banquet on Sunday evening, November 22.

The prize committee consists of:

· Peter Boettke, Committee Chair, George Mason University
· Emily Chamlee-Wright, Beloit College
· Steven Horwitz, St. Lawrence University
· David Prychitko, Northern Michigan University
· Virgil Storr, Mercatus Center at George Mason University

Deadline for submissions is October 1, 2009. Decisions will be made by October 15.

Please send all questions and submissions electronically to Peter Lipsey at plipsey@gmu.edu.

Uncategorized

Artigo aceito para apresentação na Sociedade para o Desenvolvimento da Economia Austríaca

Apesar do que muitos leitores deste blog presenciaram em uma polêmica (até aí tudo bem) recheada de grosserias (aqui, nada bem) de supostos auto-denominados austríacos brasileiros lá no Ordem Livre (sim, tivemos pessoas educadas também. E também educados que não entendem a diferença entre ciência e fé. E outros que entenderam algo, mas não o todo, etc).

Diante da grosseria, o que fazer? Como já tive a oportunidade de dizer: continuo sempre com minha pesquisa.

Pois dito isto, a boa notícia é que a pesquisa, dentre outras, gerou um artigo e, este, com Ari e Pedro, foi aprovado pela SDAE para apresentação em Novembro, no encontro anual da Southern Economic Association. Se nada der errado, um de nós – possivelmente eu – apresentará o artigo lá.

Já tive oportunidade de afirmar – e reafirmo aqui – que a economia austríaca tem gerado alguns pesquisadores bem-sucedidos como Peter Leeson, Chris Coyne e Ed Stringham. Todos, claro, sob a benéfica influência de Peter Boettke. Creio que foi sob sua orientação que a RAE se tornou uma revista mais interessante nos últimos anos.

Talvez seja um dos primeiros artigos de economistas brasileiros a ser apresentado na Sociedade para o DESENVOLVIMENTO (grifos meus) da Economia Austríaca. Fico feliz com isto porque, na época da polêmica, tentei convencer – sem sucesso – algumas figuras do meio a divulgar um texto incentivando a pesquisa para o desenvolvimento desta escola de pensamento (*).

Há, evidentemente, utilidade em se divulgar eternamente algumas idéias e não construir nada sobre elas. Mas a divisão do trabalho, ensina-nos Adam Smith (e, creio, Mises, certo?), postula que isso seria apenas parte da história: é necessário desenvolver as idéias, trabalhar conceitos, relações, etc.

Se Smith (e Mises, creio) acertou na mosca, então – exceto por outros motivos que desconheço (e agora não me interessam mais)  não faz sentido não apoiar o desenvolvimento da economia austríaca. Então ficamos assim: eu (, Ari e Pedro) colaboramos para avançar nosso conhecimento, inclusive com o uso da literatura austríaca como parte do marco teórico e a galera que não curte isto (e, na polêmica e em pequenos textos recheados de maldade em certas comunidades de redes sociais, dizem até que  “o título de ph.d. é uma mer**”) que continue com as tradicionais atividades doutrinais e suas consequências nem sempre intencionais (como deveriam ter aprendido com Hayek).

A economia política (Mises, Hayek, Buchanan), por sua vez, diz que nem todo auto-denominado “austríaco brasileiro” ficará feliz com o fato deste artigo ser apresentado em novembro. Afinal, grupos de interesses brigam não apenas por recursos, mas também por status. Algo como o argumento misesiano (sic para mim mesmo) da inveja dos intelectuais. Só que, neste caso, permito-me uma leve arrogância: para ser intelectual é preciso não apenas ler, mas ler com lentes de intelectual, não com lentes de panfletário ou de grupos de amigos que nunca apresentam divergências ou discordâncias.

Vou aproveitar e agradecer meus maiores incentivadores nas leituras austríacas: Zanella e o Ronald. Este último, aliás, já disse que gosta muito de ler Hayek, mas não o faz de joelhos. Esta frase diz muito sobre o significado da pesquisa científica, não é mesmo?