Uncategorized

Administrador é um povinho…

…danado de discriminador. Seja pelo cor, seja pelo gênero. Será mesmo? Claro, tome cuidado antes de tirar conclusões apressadas. Contudo, Uhr et al (2014) acabam de publicar um artigo com evidências de que existem as duas discriminações entre administradores no Brasil.

Saiu na Revista de Economia e Administração do Insper (Abr/Jun-2014). Eu sempre sou cético quanto a estas evidências, mas o casal Uhr não brinca em serviço. Não vi as evidências com calma, mas creio que a pergunta que todo economista está se fazendo agora é: e com a gente, também rola?

Creio que o artigo ainda não está liberado para download, mas dê uma pesquisada. Quem sabe?

Uncategorized

Outra dica de R e uma observação

O Cinelli, como sempre, dá-nos uma ótima dica de R. Desta vez, o assunto é a PNAD. Devemos agradecer ao Flavio Barros por isso. Ele, aliás, inicia seu texto nos lembrando do problema recente pelo qual passou o IBGE.

Com o erro recente na divulgação dos resultados da PNAD 2013, o nome do IBGE e também os resultados dessa pesquisa, chegaram na grande mídia de um forma muito negativa. Ainda assim, a maioria das pessoas desconhece o que é a PNAD, como esses dados são obtidos e como eles podem ser baixados e utilizados. Neste post vou fornecer uma breve explicação do que é PNAD, como esses dados são distribuídos (na forma de microdados) e como você pode facilmente obtê-los e utiliza-los a partir de ferramentas gratuitas como o R.

Veja como são as coisas. Como foi descoberto o erro da PNAD? Segundo consta, alguns pesquisadores estranharam os dados (gente que se especializou em certos assuntos, como nos ensina Adam Smith, pega estas coisas bem rápido). O uso do R, neste sentido, e a transparência na divulgação dos dados – que é uma característica do IBGE, vale dizer – só ajudam neste processo.

Ao longo da semana eu vi, com tristeza, o governo tentar fazer disso um ponto na campanha eleitoral. Um desrespeito, na minha opinião, ao trabalho de gente séria que existe no setor público, notadamente no IBGE. A imprensa, inclusive, tem sido muito tímida, quase medrosa, na cobertura dos fatos que lá se desenrolam desde então. Há um problema sério quando o governo tenta intimidar pesquisadores por meios burocráticos e isso sinaliza para uma argentinização indesejável em órgãos geradores de dados públicos tão importantes para análises de políticas públicas. Gostaria de ver mais discussões sobre isto na blogosfera.

Por outro lado, novamente, como é maravilhosa a liberdade e o seu bom uso por parte dos indivíduos. Caso existam erros, pesquisadores poderão encontrar rapidamente o erro e ajudar a corrigí-los se os dados são disponibilizados sem burocracias, sem véus autoritários, etc. Esta é a tecnologia de auto-correção que a própria internet e os avanços computacionais nos permitem hoje em dia.

Fica aqui meu desejo de boa sorte às pessoas não apenas do IBGE, mas de todos os órgãos públicos (em todos os níveis da federação e também em qualquer lugar do mundo), que valorizam seus currículos e não querem ser conhecidas por aí como funcionários de órgãos aparelhados que fazem maquiagem de dados, escondem pesquisas, etc. Torço por vocês, amigos!

Uncategorized

O viés dos progressistas: lamentação pelo IBGE

Tanto no episódio do IPEA como neste péssimo episódio da PNAD do IBGE, o que não me espanta mais é o silêncio dos auto-denominados (e supostos) progressistas. Geralmente se dizem tolerantes com a divergência, mas não perdem a oportunidade de de cobrar, daqueles que deles discordam, uma suposta neutralidade porque, conforme dizem: sua opinião é viesada porque ideológica e a minha não. Cadê a neutralidade?

Pois é. Agora entendo a neutralidade deles: significa neutralidade de ação. Eles preferem se calar nestes episódios. Ou tentam arrumar uma desculpa para continuar sua agenda política como se a mesma fosse neutra (ou, como dizem: a sua é que não é neutra, logo…).

O ocaso do IBGE é perigoso. Repare que, mesmo para os admiradores do nacional-inflacionismo (nacional-desenvolvimentismo para alguns), que adoram o governo Médici (e também o do general Geisel), este é um péssimo precedente. Nem nos anos da ditadura houve tamanha interferência no órgão. Em democracias sérias, no outro extremo, isto também não ocorre.

O viés dos auto-denominados progressistas, para mim, está claro: além de carregarem a bandeira de neutralidade e diversidade enquanto praticam o oposto, eles se calam diante de perigosas interferências como estas.

Em ano eleitoral, com a credibilidade econômica reduziada a zero – e não falo do setor financeiro que, como o Ellery mostrou, é otimista e não pessimista, como afirma o “nervosinho” Mantega –  agora o governo começa a destruir a credibilidade daqueles que fornecem dados públicos. Combine a isto os poderosos interesses contrários a um bom desempenho no PISA e você terá um bando de gente analfabeta funcional que serve de massa de manobra ou para ações páramilitares no estilo black bloc contra os que discordam de você.

No final, você ainda vai achar que isto tudo é democracia, tolerância e diversidade, com o aval de alguns auto-denominados (e supostos) intelectuais que nunca perdem a oportunidade de ganhar um dinheiro governamental (= vindo do seu bolso) para divulgar suas idéias bovinas e dóceis ao governante da hora enquanto também achincalham adversários sérios ou não, imaginários ou não. Falam de “observar” (= vigiar e eliminar a divergência?) de imprensa, de democracia, mas o fato é que ninguém quer aprender sobre anos e anos de pesquisas sobre instituições e resultados econômicos ou políticos.

Pobres técnicos do IBGE. Passaram anos fazendo um trabalho sério, acreditando pessoalmente em alguns políticos ou partidos, obviamente, mas sempre separando o lado pessoal do profissional e, agora, isto. Não é só perigoso e triste: é frustrante.