Balanço Competitivo na Divisão de Acesso do Gauchão 2017: os dois grupos da fase classificatória foram igualmente competitivos?

Baseado no trabalho em que medimos o Balanço Competitivo para os campeonatos brasileiros (1971-2009), resolvi, por curiosidade, verificar o valor do balanço competitivo da divisão de acesso do gauchão de 2017. Basicamente, olhei para a fase mais longa, a classificatória, em que os times estavam divididos em dois grupos (cada time jogou 14 partidas) e usei duas das medidas citadas no artigo: o índice de Hirschman-Herfindahl (H) ajustado e razão de concentração C4 (C4). Note que o primeiro é medido observando-se a variável vitórias e, o segundo, os pontos ganhos.

Em uma competição perfeitamente balanceada, tanto H como C4 seriam iguais a 100. Em qualquer uma delas, por exemplo, uma queda de 25% no grau balanço competitivo levaria as medidas a 125 (este é, exatamente, o exemplo dos autores do artigo).

Assim, para o grupo A, H = 108.59 e C4 = 120. Para o grupo B, H = 130.86 e C4 = 132.88. Dito isto, percebe-se que, segundo o índice H, o grupo A apresentou um grau de balanço competitivo maior do que o do grupo B (pois 108.59 é menor do que 130.86). O mesmo pode ser dito do índice C4 (120 contra 132.88).

Por que medir o balanço competitivo? A literatura aponta esta variável como importante na receita dos clubes, embora isto não seja consensual entre os pesquisadores da área. A idéia é de que o público será mais atraído ao estádio quanto maior for o grau de indecisão sobre quem poderá ser o vitorioso (um exemplo oposto extremo seria o de um campeonato com um super-time acompanhado de times absurdamente fracos…para quer ir ao estádio ou mesmo comprar pacotes pela TV paga?).

Seria interessante que os que planejam as regras de uma divisão de acesso como esta pensassem na receita dos clubes já que, nestes casos, ela é baixa (e os borderôs, infelizmente, não possuem muita credibilidade como fontes fidedignas de receitas com jogos…). Supondo que algum grau de competitividade seja importante para atrair torcedores aos jogos, ceteris paribus o amor ao clube e outras variáveis, talvez o grupo B tenha sido ligeiramente pior em termos de receita para seus componentes. Será? Precisaríamos olhar mais para os dados.

De qualquer forma, trata-se de um exercício interessante que pode ser feito por qualquer estudante de Ciência Econômica (ando de mau humor, então usarei o singular. Estou cansado de charlatanismo…).

p.s. existe um verbete em português na Wikipedia sobre a divisão.

Anúncios