Uncategorized

Choques reais e choques monetários…juntos – observações aleatória sobre bitcoin, Lucas, Marschak e, claro, política monetária

One source of difficulty in formal empirical studies of monetary policy effects on real variables has been the common practice of focusing attention on real responses to policy innovations—i.e., unexpected components —in vector autoregression (VAR) studies. [McCallum, B.T., here]

O que dizer da distinção entre choques reais e monetários quando o governo norte-americano, de forma inteligente, aceita a inovação do bitcoin? Pois é. A criação do bitcoin e similares é um choque tecnológico, mas é também um choque monetário. Digo, você injetou mais moeda de forma descentralizada e temporalmente aleatória na economia. A princípio, isto tornaria a oferta de moeda mais instável do que a demanda, penso. Bem, como seria de se esperar, políticos, que são tão racionais quanto nós, facilitaram o fluxo de bitcoins…para eles.Seria legal agora que pudéssemos investigar uma galera da Papuda. Será que eles têm bitcoins também? Old bottles… Suspeitas à parte, a questão sobre como medir o choque monetário do bitcoin é algo a ser pensado, não? McCallum já chamava a atenção para a dificuldade, em termos do debate acerca da demanda de moeda (a equação (4) do texto, reproduzida a seguir) e dos choques tecnológicos já em 2002.

mt −pt = γ0 +γ1γt +γ2Rt +εt

Agora que você se lembrou da famosa equação, eis o trecho interessante:

Indeed, it would seem almost to suggest the opposite—for the theoretical rationale for (4) is built upon the transaction-facilitating function of money, but the technology for effecting transactions is constantly evolving. And since technical progress cannot be directly measured by available variables, the effects of technical change (not captured by a deterministic trend) show up in the disturbance term, εt. But the nature of technological progress is such that changes (shocks) are typically not reversed. Thus one would expect a priori there to be an mportant permanent component to the εt process, making it one of the integrated type— and thereby making mt −pt not cointegrated with yt and Rt.

Podemos ver que McCallum, ao discutir a questão do progresso tecnológico, deu-nos uma pista para como poderíamos começar a entender o problema. Temos que estudar mais séries de tempo, cointegração e pensar melhor no sistema de equações que usamos. Ok, não é um conselho fácil, mas nem inventar o bitcoin foi fácil, não é? Fica esta dica para o debate sobre o choque que é (ou os choques que são) a introdução do bitcoin no modelo. Mas vamos aproveitar que o autor é bom e citar outro trecho!

“Eu já sabia. Pelo menos o Lucas deve ter lido meu artigo…”

Ah sim, em um outro excelente momento do texto, ele mostra seu conhecimento da evolução histórica do pensamento econômico. Vejam que trecho ótimo:

Now clearly the switch from the fixed-lag to the rational expectations hypothesis was the consequence primarily of theoretical, rather than empirical, analysis. At the time it seemed a rather drastic step, but after the fact it has come to be recognized as an entirely natural extension of the usual approach of neoclassical economic analysis to an area of economic activity (expectation formation) that had previously been treated in a non-standard manner. Today, many economists trained after 1980 appear, empirically, to have difficulty in even contemplating any other expectational hypothesis. Also, it should be remembered that Lucas’s critique itself was not new, but merely a (brilliantly persuasive) application of Marschak’s (1953) fundamental insight that policy analysis requires a structural (as opposed to reduced-form) model.

Marschak é um autor bem mais antigo, nascido em Kiev (Ucrânia, Putin, Ucrânia…) e, como você pode ver, não era um sujeito qualquer. Não digo para sair por aí correndo para ler artigos dele, mas pense na questão que sempre destaco aqui: a importância do capital humano na formulação e condução da política monetária. De certa forma, o genial Bryan Caplan já pensou em algo assim quando publicou aquele artigo que sempre cito aqui sobre a idea trap (versão para iniciantes aqui, para alunos que já fizeram pelo menos um ano de curso e não temem as letras do alfabeto em combinações algébricas aqui). Só para você ter um gostinho do que Caplan intuiu:

The current paper presents a simple political– economic model of the interaction of growth, policy, and ideas to explain this puzzle. Growth, policy, and ideas are mutually reinforcing, given a key assumption about the impact of growth on ideas. Countries tend to have either all ‘‘good’’, all ‘‘mediocre’’, or all ‘‘bad’’ values. An important implication is that social forces do notinexorably drive economically unsuccessful countries to reform. In my model, policy ‘‘turn-arounds’’ instead arise due to large random disturbances that shock economies into better equilibria. While this conclusion is somewhat counterintuitive, it is much more consistent with the empirical failure of the convergence hypothesis than the optimistic ‘‘learning’’ model (Williamson, 1994a).

Pense nisto um pouco. Não é o que ocorre no Brasil? Sai uma equipe econômica que coloca a economia no lugar, entra outra que parece não ter lido nem um livro-texto básico. Não há porque a política econômica ser sempre melhor do que a anterior porque ela é feita por seres humanos. Logo, diria o leitor de Buchanan, precisamos de amarras constitucionais para não dependermos de anjos, né? Eu adoraria falar mais disto, mas notei que isto está se transformando em outro post.

Anúncios
Uncategorized

Lições de vida: Expectativas Racionais e o dilema de metas e instrumentos

Grandes economistas são aqueles que também nos deixam ótimos resumos. Scott Sumner, por exemplo, dá-nos esta ótima definição de expectativas racionais.

3.  Rational expectations:  It makes no sense to have a model of the economy that assumes X, but which is filled with people who believe “not X.”  As Bennett McCallum pointed out this idea is better called “consistent expectations,” as the term “rational” has all sorts of connotations that have nothing to do with the public’s expectations being consistent with the model of the public’s behavior.  Rational expectations also underlies the “Lucas Critique,” the idea that a statistical relationship that is true under one policy regime, may not hold up if the policy regime is altered to take advantage of that statistical relationship.

Depois disto, fica difícil entender como é que um sujeito que se diz economista tem a coragem de achar que ganha um debate chamando alguém de “físico” ou tentando menosprezar o adversário enquanto acredita em modelos que não fazem sentido (quando o imbecil, por sua vez, acredita em modelos, porque há uns que se acham metodólogos sem nunca terem feito uma prova da disciplina de metodologia, mas acham que o papo é bom para pegar mulher e, então…já viu, né?).

Desculpa, o termo é “imbecil” mesmo. Tem coisas que ficam melhor quando chamadas pelo seu nome correto.

Em outro momento do texto, Sumner tenta vender sua idéia de meta do PIB nominal usando Fama:

2.  Target the futures price of the policy goal:  It’s silly to have intermediate targets such as the fed funds rate, or the exchange rate. Simply adjust the monetary base as necessary to keep the futures price of the policy goal variable on target.  But of course first you need to create a futures market for the policy goal variable (preferably NGDP.)

Não tenho opinião formada sobre isto, mas há quem goste da meta do PIB nominal. Sou um pouco mais tradicional porque sou daqueles que leu o clássico de Poole lá no IPE-USP e curte uma abordagem de metas-instrumentos mais tradicional.

Por falar nisto, todo aluno de graduação deveria se sentir obrigado a ler não apenas o clássico do Friedman (The role of monetary policy), mas também este do Poole. Como é que alguém que diz querer debater com o populacho e com os pares sobre política monetária consegue dormir de consciência tranquila sem ler estes artigos?

Caso você ache que sou exagerado, faça o teste: leia os artigos, volte para seu livro-texto e depois me condene. Não importa. Mas leia.

p.s. Curiosamente, eu citei McCallum hoje, em sala. Alguns alunos anotaram (talvez um ou outro vá procurar o livro). Aí, no mesmo dia, eu venho à blogosfera, e um dos melhores debatedores de Monetária que eu conheço, o Scott Sumner, cita o autor. É destas coisas que eu gosto: sentir que, apesar do que pensam alguns, ainda estou no centro do debate.

p.s.2. Obviamente, estes debates vão além destes dois textos mas não seja ignorante. Você resolve tantas equações estocásticas…não serão dois textinhos simples que vão destruir seu conhecimento semi-divino de álgebra linear, não é?

Uncategorized

Nem sempre o bom acadêmico é seguido pelo gestor

It is that the Fed seems to deny or misunderstand the importance of the type of rule-based policymaking that academics have in mind. This misunderstanding, furthermore, is currently contributing to the problems of “communication with the public” that the Fed has been experiencing, as recently reported in the WSJ by Ip (2003b).

Grifos meus. As consequências disto? Bem, eu diria que não é uma boa idéia seguir charlatães, mas o problema dos interesses políticos que se sobrepõem aos sociais (que são os econômicos, claro, já que ninguém gosta de ter que pagar mais impostos a um governante gastador e irresponsável e ficar com menos dinheiro pro almoço) não deve ser ignorado.

McCallum é autor do melhor livro de Economia Monetária (intermediário) que já vi.