Novamente o terrorismo

Com tantos “especialistas” de fêiçibúki, talvez o gráfico abaixo nem faça tanta diferença assim, né?

terror_aha

De qualquer forma, ele está neste estudo recentíssimo do Cato Institute. O que temos? Bem, alguém poderá dizer que há uma mudança de tendência em 2009, no caso de ataques terroristas não-islâmicos, embora pareça haver algo similar no caso dos ataques islâmicos. A diferença de médias é gritante, mas eu ainda gostaria de ver o gráfico com as taxas de variação.

p.s. para quem gosta de análise de regressão, o apêndice tem lá um material para se divertir.

Anúncios

Tudo pelo soci…digo…pelo terror

Um assunto pouco discutido e que a imprensa nacional divulgou recentemente foi o fato de o Brasil, após um ano de estudos, ter desistido do projeto de tipificar o terrorismo como crime na legislação penal. Com esta decisão, limita-se apenas a repudiá-lo, conforme consta no texto constitucional, mesmo após estimativas internacionais de que tais atos delituosos deverão recrudescer nos próximos anos. Entre os argumentos utilizados, o de que uma lei antiterror, entre outros aspectos, atingiria os movimentos sociais, notadamente em ações como invasões de hidrelétricas e barragens, determinados prédios públicos, terras da União e bloqueios de rodovias.

Leia todo o artigo. Agora, engraçado mesmo é o pessoal reconhecer que (vári)os movimentos “sociais” praticam atos, digamos, bem próximos aos atos que o caracterizariam como terrorismo. Ou seja, há uma nítida má vontade de se aplicar a lei apenas para favorecer um grupo aliado que adora atos humm…terrori..digo, sociais.

Se fosse um governo militar, claro, a choradeira seria incrível. Mas como é um governo de esquerda, só o partido nazista é que deve ser proibido ou vigiado. Terror, para muita gente, é permitido conforme a ideologia.

Péssima decisão tomada pela administração da Silva. Inquietante é que gente da alta burocracia se cale diante disto. O debate, mais do que nunca, é necessário. Se a esquerda governante e seus burocratas não desejam trazer a público a discussão de uma legislação sobre terrorismo (onde estão os fanáticos defensores dos “referendos” agora??), nós, da sociedade produtiva, podemos muito bem preencher este papel.

Economia do Terrorismo

O Selva Brasilis hoje surtou – no bom sentido – e falou sobre terrorismo duas vezes. Nós fomos infectados pelo seu vírus. Eis aqui uma terceira notícia sobre o tema. Trecho:

An index company and a security advisory firm have teamed up to create a series of screened indexes to help investment plan sponsors meet “terror-free” investing goals as more states adopt these strategies.

OAS_RICH(“Middle”);FTSE Group, a London-headquartered global index company, and Conflict Security Advisory Group, an independent research provider based in Washington today signed an agreement to create The FTSE CSAG Terror-Free Index Series, scheduled for release in 2008.

Vejamos quantos alunos de Finanças se interessam pelo tema.

11 de setembro: what makes a terrorist?

Hoje, 11 de setembro de 2007, faz 6 anos em que as “torres gêmeas” e o Pentágono foram atacados. 6 anos se passaram e a “economia dos terroristas” se desenvolveu (dê uma olhada nisso e nisso).

Mas você sabe o que torna uma pessoa terrorista?

A primeira resposta que vêm à cabeça é baixo nível de educação, pobreza e ser muçulmano. Então dê uma olhada nisso:

“poverty does not breed terrorism, once you look at the data.” Furthermore, I show that terrorists are more likely to be drawn from the ranks of the well-educated than they are from the uneducated and illiterate masses. And I find little evidence that terrorism is more prevalent among Muslim nations or nations with low GDP per capita and high infant mortality.

Ou seja, o que normalmente se pensa dos determinantes do terrorismo não é verdade.

Qual seria então os determinantes?
Da mesma fonte anterior:

What makes a terrorist, then, is someone with a fanatical commitment to pursuing a grievance combined with the perception that there are few alternatives available other than terrorism for pursuing that grievance – and a terrorist organisation or cell willing to deploy a would-be terrorist.

Interessante né?!

Num dia tão importante para a história da humanidade, as pessoas devem saber o que causou aquele pânico todo há 6 anos atrás. As “explicações populares” são mitigadas. Cabe a nós mostrar a verdade.