política · política brasileira

É pra isso que eles são pagos?

José Arruda, governado do DF, proibiu o uso de gerúndio nos órgãos do Distrito Federal.

“Fica demitido o gerúndio de todos os órgãos do Governo do Distrito Federal. Fica proibido a partir desta data o uso do gerúndio para desculpa de ineficiência”, diz o texto do decreto publicado no “Diário Oficial”, do Governo do Distrito Federal.

É para rir ou para chorar?

mensalão · política · política brasileira · vergonha

Mensalão mineiro

ISTOÉ revela relatório da Polícia Federal com a radiografia do caixa 2 da campanha do PSDB ao governo de Minas Gerais em 1998. Ele compromete um ministro de Lula e um senador. Envolve o governador Aécio Neves, deputados federais e estaduais em um total de 159 políticos de 17 partidos.

Saiba todos os detalhes aqui (clique no ícone com as cartas de baralho, na página inicial). Via Nariz Gelado.

humor negro · política brasileira

Largou a amante, a ética e foi ao cinema

Você enfrentou fila no aeroporto de Brasília ontem? Eu enfrentei. Mas isto porque não sou um amigo da Força Aérea Brasileira.

A bordo de um jatinho da Força Aérea Brasileira, para escapar dos saguões dos aeroportos, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), deixou ontem Brasília para se afastar da crise. Longe de seu Estado desde que começou a ser julgado por quebra de decoro, o peemedebista saiu da capital federal em direção a Curitiba, segundo sua assessoria. Da capital paranaense, embarcou para São Paulo, segundo relato de amigos, acompanhado da mulher, Verônica.

Não é uma beleza ser político neste país? A reeleição do sr. da Silva, em 2006, não foi apenas uma demonstração de que brasileiro sabe votar, e muito bem. O fato do sr. Calheiros ser um dos principais líderes do sr. da Silva e também ter sido eleito mostra que brasileiro sabe muito bem o que faz quando deposita seu voto na urna. Por isso, se você não anulou seu voto ou se votou nestes dois cavalheiros, não me venha com desculpas.

Economia Brasileira · Federalismo · Libertários · política brasileira

Abstrações e sua realidade: escolha antes que o marketing político escolha por você

Costumo dizer que às vezes tenho vontade de socraticamente parar as pessoas na rua e perguntar: “E se o Brasil perdesse a Amazônia, que diferença isso faria na sua vida?” Porque eu não consigo pensar em nenhuma. Exceto que se algum povo menos burocrático a ocupasse talvez eu pudesse comprar alguns produtos novos. Essa postura em relação à Amazônia é só um sintoma de um condicionamento geral muito fácil de observar aqui: o brasileiro, por mais pobre e impotente que seja, sempre discute qualquer assunto do ponto de vista do governante, nunca do governado. É o que eu chamo “mentalidade imperial”. Se você vai escrever um poema, fazer um espetáculo de dança ou mesmo fritar uns pastéis é tudo pelo Brasil, é sempre em função de um suposto projeto de país. E ninguém parece perceber que nada faria mais bem ao Brasil do que parar de tratá-lo como um projeto e começar a tratá-lo como um dado. O Brasil não é um sonho. É um aglomerado político de cidades. A famosa “realidade” não é necessariamente desdentada; realidade é o que quer que esteja à sua volta. É melhor fritar um bom pastel porque ele é um bem, e não porque o bom pastel é bom para o Brasil. Ele é bom para quem vai comê-lo e bom para o artista que o fez. Não existe nenhuma maneira de um aglomerado político se beneficiar de um pastel.

Eu me impressiono com o Pedro Sette desde 1997 ou 1998, quando me enviou – a pedido meu – alguns exemplares impressos de “O Indivíduo”. Havia um post dele que não encontrei no qual ele disse sua frase (para mim, célebre): “não adianta sair do Brasil. Você tem é que tirar o Brasil de dentro de você” (ou algo assim).

O trecho acima, na minha opinião, tem o mesmo sentido geral. E me faz pensar um pouco sobre estes problemas de sempre: onde estão os eleitores com suas caras pintadas? Se eles não agem porque há um dilema de ação coletiva, quem é que comandou e resolveu o dilema nos anos 90?

A galera do Partido Libertário e do Partido Federalista, ambos nascentes, deveriam pensar nisto. Se seus organizadores desejam seguir uma linha liberal-libertária, precisam nos dizer como resolverão o problema que o dilema gera para seus prováveis membros. Ou, melhor ainda, precisam resolvê-los. Ok, aqui a discussão fica mais confusa e abstrata, mas era só para os liberais que estarão em Brasília no final do ano pensem no assunto. Principalmente o povo mais jovem.