Academia · estudar · incentivos

Como eu estudo?

A boa “Economia Aplicada”, da USP, no início, tinha uma seção que se chamava: “como eu pesquiso”. Outro dia, aqui, eu citei o que dizia o Philipe Berman sobre a importância do auto-estudo.

Queria complementar e ampliar um pouco o que eu disse (outros comentários sobre o tema são bem-vindos).

Eu sempre assisti às aulas – lógico que falhava a uma ou outra (ou saía para beber água no meio de algumas) – mas eu nunca fugi da responsabilidade: as bibliotecárias me conhecem até hoje. Eu sempre me enfurnei em bibliotecas (inclusive aos sábados) quando precisava estudar.

Na minha visão, todo mundo tem um potencial semelhante para o aprendizado. Entretanto, cada qual tem um ritmo distinto. Se você não cobrar, tem sujeito que só aprenderá, digamos, Cálculo I aos seus 70 anos de idade. Portanto, sim, você pode não ir à aula e estudar em casa. Mas a segunda parte (“estudar em casa”) não pode ser apenas uma fantasia.

Tem gente que consegue estudar ouvindo rádio. Eu nunca consegui. Uma música em volume bem baixinho, vá lá. Talvez o mais adequado seja o sujeito sentar-se em posição anatomicamente correta, concentrar-se (como se estivesse no início de uma aula destas artes marciais) e, com o mesmo espírito de crescimento espiritual que demonstra na academia de Judô, enfrentar o livro.

É importante lembrar uma coisa: procure sempre estudar sozinho primeiro. “Conhecer-te antes do teu inimigo” ou algo assim. Você jamais saberá quais seus limites e dificuldades se não tentar sozinho, sem papai, mamãe ou amiguinhos (como dizem no colégio). Somente depois de um enorme esforço de auto-aprendizado é que se deve procurar colegas, monitores ou, sei lá, o professor.

Meu próximo e-book, já aviso, será sobre isto. Uma pequena apostila com dicas e conselhos de alguém que, na adolescência, sabia que era ruim e devorava livros de dicas sobre como estudar. Várias delas eu acabei assimilando e não me lembro mais de onde as li. Vejamos se consigo deixar alguma mensagem útil para os mais novos.

Alguém tem observações sobre o tema? Os blogueiros daquela história do sushi são convidados a desenvolver o mesmo tema (e me avisar!!).