Longo, longo prazo

Existe uma literatura recente que busca raízes bem longínquas nas explicações do desenvolvimento econômico (um desdobramento inevitável dos insights de North lá no início desta brincadeira toda).

Um working paper recente busca testar a hipótese para os EUA. Bem, vejamos seu resumo.

The Deep Roots of Economic Development in the U.S. States
CATO Working Paper No. 44

Ryan H. Murphy
Alex Nowrasteh

Abstract
There is a large and growing economics literature that seeks to explain how modern economic development and cross-country income differentials are the result of ancient historic, cultural, genetic, or other factors, whose effects persist in the modern world (Spolaore and Wacziarg 2013). Referred to by some as the “Deep Roots” literature, it broadly finds that these long-standing differences, whatever their mechanism, have powerful, positive predictive power in explaining modern levels of GDP per capita and other indicators of economic development.

Drawing on Putterman and Weil (2010), we study the impact of deep roots as measured by ancestry by U.S. state, considering the average of how long each state’s ancestors have lived:

(1) under a centralized state, a variable known as “State History,” and

(2) with settled agriculture, a variable known as “Agricultural History.”

The other contributions to this literature primarily focus on how State History and Agricultural History of the population affect economic development outcomes across countries. Instead, we look at its effects on economic output per capita across the U.S. States.

We can only establish very marginal support for Putterman and Weil’s (2010) findings at the state level. Furthermore, there is no statistically significant relationship between the Deep Roots Variables score and the liberalness of a state’s economic institutions. Given the large literature on the importance of liberal economic institutions for economic growth and other outcomes (see, e.g., De Haan et al. 2006; Hall and Lawson 2014), the lack of a relationship between the quality of economic institutions and the Deep Roots Variables eliminates this institutional channel from the deep roots hypothesis.

No final do artigo, no apêndice, uma tabela que poderia ser interessante, inclusive, para pesquisadores sérios de História Econômica do Brasil.

Ladrão bom é ladrão rico?

This article adds to the empirical literature on the relationship between corruption and economic growth by incorporating the impact of economic freedom. We utilize an econometric model with two improvements on the previous literature: (1) our model accounts for the fact that economic growth, corruption, and investment are jointly determined, and (2) we include economic freedom explicitly as an explanatory variable. Using a panel of 60 countries, we find that for countries with low economic freedom (where individuals have limited economic choices), corruption reduces economic growth. However, in countries with high economic freedom, corruption is found to increase economic growth. Our results contradict the generally accepted view that corruption lowers the rate of growth.

Leia mais aqui.

Outro bom artigo

Ownership and Control in the Entrepreneurial Firm: An International History of Private Limited CompaniesTIMOTHY W. GUINNANE
Yale University – Department of Economics; CESifo (Center for Economic Studies and Ifo Institute for Economic Research)
RON HARRIS
Tel Aviv University – Buchmann Faculty of Law
NAOMI R. LAMOREAUX
University of California, Los Angeles – Department of Economics; National Bureau of Economic Research (NBER)
JEAN-LAURENT ROSENTHAL
University of California, Los Angeles – Department of Economics December 2007

Yale University Economic Growth Center Discussion Paper No. 959
Abstract:
We use the history of private limited liability companies (PLLCs) to challenge two pervasive assumptions in the literature: (1) Anglo-American legal institutions were better for economic development than continental Europe’s civil-law institutions; and (2) the corporation was the superior form of business organization. Data on the number and types of firms organized in France, Germany, the UK, and the US show that that the PLLC became the form of choice for small- and medium-size enterprises wherever and whenever it was introduced. The PLLC’s key advantage was its flexible internal governance rules that allowed its users to limit the threat of untimely dissolution inherent in partnerships without taking on the full danger of minority oppression that the corporation entailed. The PLLC was first successfully introduced in Germany, a code country, in 1892. Great Britain, a common-law country followed in 1907, and France, a code country, in 1925. The laggard was the US, a common-law country whose courts had effectively killed earlier attempts to enact the form.

Sua vida é muito boa

Já a de quem está no Quênia…

… o imperfeito processo eleitoral queniano que ignorou a razão de os resultados sempre terem sido anunciados a partir dos centros de apuração mostrou que nós ainda não internalizamos a democracia. A democracia é simplesmente uma ferramenta para malabaristas determinarem quando e quem deve estar no poder. Esse malabarismo deu impulso às forças que irão reverter os poucos ganhos que os quenianos alcançaram. A destruição da propriedade privada, o desrespeito e o abuso do estado de direito, a caça tribal às bruxas e a luta de classes estão acontecendo agora.

Estou sendo mantido refém em meu próprio vilarejo. Não posso pegar meu carro e voltar para Nairóbi, porque eleitores de diferentes partes do Quênia bloquearam as estradas, em protesto contra a democracia malabarística. É inacreditável ver produtos básicos desaparecerem das prateleiras das lojas porque caminhões que os entregariam não podem se movimentar. Bombas d’água estão secas, a famosa indústria da telefonia celular está parando, pois cartões de recarga já não podem ser entregues. Toda noite eu luzes no horizonte. Quando ligo o rádio, só escuto apelos por orações e penso alto a respeito de quenianos e africanos substituírem a democracia por orações.

Galera tá matando aula de montão!

Direto do “A Voz do Cidadão”:

A Rede de Informação Tecnológica Latino-Americana/Ritla divulgou esta semana o terceiro Relatório de Desenvolvimento Juvenil, desta vez em sua versão 2007, que realizou um extenso cruzamento de dados do IBGE e dos ministérios da Educação e da Saúde e chegou a algumas conclusões alarmantes.

Por exemplo, segundo o relatório, nada menos que 53% dos 35 milhões de jovens entre 15 e 24 anos no país não freqüentam salas de aula. Além disso, 19% deles não trabalham nem estudam, uma porcentagem grande, que fica maior ainda quando se analisa apenas as classes mais pobres: 34%!

Clique aqui para conhecer e baixar a íntegra da pesquisa de Desenvolvimento Juvenil, da Ritla >>

Para quem quiser mais detalhes, o site da entidade é o www.ritla.net.

Artigos interessantes

Measuring Ancient InequalityBRANKO MILANOVIC
World Bank – Development Research Group (DECRG); Carnegie Endowment for International Peace
PETER H. LINDERT
University of California, Davis – Department of Economics; National Bureau of Economic Research (NBER)
JEFFREY G. WILLIAMSON
Harvard University – Department of Economics; National Bureau of Economic Research (NBER); Centre for Economic Policy Research (CEPR); Institute for the Study of Labor (IZA) November 1, 2007

World Bank Policy Research Working Paper No. 4412
Abstract:
Is inequality largely the result of the Industrial Revolution? Or, were pre-industrial incomes and life expectancies as unequal as they are today? For want of sufficient data, these questions have not yet been answered. This paper infers inequality for 14 ancient, pre-industrial societies using what are known as social tables, stretching from the Roman Empire 14 AD, to Byzantium in 1000, to England in 1688, to Nueva España around 1790, to China in 1880 and to British India in 1947. It applies two new concepts in making those assessments – what the authors call the inequality possibility frontier and the inequality extraction ratio. Rather than simply offering measures of actual inequality, the authors compare the latter with the maximum feasible inequality (or surplus) that could have been extracted by the elite. The results, especially when compared with modern poor countries, give new insights in to the connection between inequality and economic development in the very long run.
Keywords: Inequality, Rural Poverty Reduction, Poverty Impact Evaluation, Services & Transfers to Poor

Quem são os conservadores no Brasil?

Ainda sobre o mesmo texto sobre o qual eu falava…

As Veliz comments, “the cultural tradition of the Spanish-speaking peoples … proved unresponsive … to industrial capitalism” and their governments often sought to repress the market forces for change. Socialism, progressivism, and other collectivist ideologies in this sense were not a force for modernization—as many of their leading advocates preached—but a conservative movement to limit the extremely rapid pace of social transformation that capitalism was bringing about. Reflecting a fear of an unknown market-driven future, those peoples in Spain and Latin America whose values were shaped by a Spanish colonial history “appear to be sheltered (imprisoned?) by a magnificent past, unable to come to terms with a disappointing present,” reflecting a Spanish Catholic culture that for centuries manifested “an overriding affection for persons rather than a respect for things; a reluctance to sever the cords of the safety net; … a distrust of novelty and, generally, a sturdy disinclination to step outside the dependable protection of the dome, even in this, our own century of modernity” [Veliz 1994:201, 202].

Pense no seguinte: o discurso católico atual na América Latina é um discurso conservador, no sentido citado acima? Eu aposto que sua resposta é “sim, e muito”. Este é um desafio não apenas para o batalhão de militantes que se dizem qualquer coisa menos conservadores, mas também para uma vertente de liberais que pensa ser liberalismo um sinônimo do catolicismo (quando não falam de alguma suposta não-separabilidade entre ambos).

A questão da sua fé em Deus é, exclusivamente, sua. Não há dúvida quanto a isto. Agora, se a doutrina católica, tal qual transplantada para a América Latina produz algum efeito sobre a atitude média do latino-americano em relação ao funcionamento dos mercados é uma outra questão completamente diferente e, talvez, mais importante do que uma reles discussão sobre Deus, Marx ou Darwin. Pelo menos no que diz respeito ao desenvolvimento econômico.

O paradoxo da economia das Filipinas

Aqui está um artigo interessante como há muito eu não lia em desenvolvimento econômico comparado. Interessante mesmo é conhecer um pouco mais de um país tão similar ao nosso – em alguns aspectos – mas do qual sabemos tão pouco.

História Econômica

Ao contrário do que se ensina (desensina…) por aí, a América Latina sempre foi um local fértil em protecionismo e não-liberalismo. Acha que isto é discurso? Acha que tirei isto da minha cabeça? Ok, pode achar o que quiser, mas leia um pouco antes.

Depois deste gráfico, quero ver o poder do wishful thinking em ação para manter suas dissonâncias cognitivas…

Enquanto se defende o aumento do funcionalismo público por conta de quilômetros quadrados…

…o IPEA manda embora (já havia sido antencipado aqui, lembra?) alguns de seus melhores economistas. Há quem diga que o motivo é político (ou mesmo por discordância de idéias com os “pluralistas heterodoxos”). Como nenhum deles se pronunciou, não sou eu quem o farei (mas o Pedro tem uma boa opinião sobre o tema).

Mas chamo a atenção do leitor para o que tenho alertado aqui sempre: trata-se da economia política que envolve a formulação de políticas públicas. Há vários sinais de politização de qualquer aspecto da nossa vida (a carta quinzenal do Jorge que divulguei ontem, há anos, mostra isto), fruto, claro, da oferta e demanda de atividade rent-seeking na sociedade. Primeiro, economistas acadêmicos buscam fama fora da academia, escorando-se em políticos, cargos públicos, fugindo, como o diabo foge da cruz, da sua tarefa: pesquisa. Do lado do governo, alguns lhes oferecem o poder de julgar seus pares com suas infindáveis “diretrizes” ou “regulamentos”, outros lhes oferecem cargos em centros decisórios não-relacionados com a avaliação dos pares e, claro, tudo isto é financiado com aumentos da carga tributária. Vale dizer: o governo cresce cada vez mais.

Como é, Claudio? O governo cresce? Mas e nossos valorosos empresários? E os profissionais liberais?

Mas é do interesse do “capitalista” que o governo cresça? Ora, bolas, claro que é. Em uma sociedade rent-seeking, os incentivos são para que o empresário puxe o saco do burocrata, e não o do consumidor. Como o governo possui o monopólio na criação de leis, é bom puxar seu saco, dar-lhe apoio político ou, sei lá, dar-lhe um por fora, ou mesmo ajudar-lhe em algum suposto (como gosta a imprensa, “suposto”) mensalão. Afinal, assim se consegue um monopólio aqui ou ali. Isto, que temos no Brasil, é um capitalismo diferente, parecido com o que havia na Alemanha nazista ou na França mercantilista. Veja aí este monte de empresários que adoram subsídios fazerem um discurso contra a CPMF e, após um breve encontro de alguns deles com o presidente, saírem convencidos do oposto.

Algo caracterizado pela existência, sim, do setor privado, mas também por um imenso poder político do governo, com intensa censura/monitoramento da dissidência (com a desculpa que há democracia porque o povo tem “laptop de 100 dólares”…com acesso à internet…censurada) e uma criação de valores que, honestamente, eu não ensinaria nem ao filho de meu pior inimigo. Tal e qual a China bolivariana.

Não quer dizer que esta “demissão” seja uma parte desta grande história da esquerda brasileira para reviver seu fracassado golpe de 1964 em 2007. Mas, é bom lembrar, depois de Gramsci, a luta política passa pelo que, em Minas, diz-se como “estar a se comer pelas beiradas”. Ou seja, aos poucos, sem alarde, você ocupa espaços. É uma forma – assumida pela própria existência dos braços “culturais” dos partidos políticos (Instituto isto, Fundação aquilo, etc) – de luta para impor seu modo de ver sobre a sociedade através da propaganda. Eu disse “impor”? Vai ver li muito o tal Chomsky. Na verdade, só impõe aquele que não acredita na liberdade individual (que não se dissocia da sua liberdade econômica, exceto por um malabarismo contorcionista bem complicado). Certamente um liberal não gosta disto. Já um não-liberal…

Ah sim, isto tudo pode ser justificado se pensarmos que existem, claro, escassos economistas pluralistas por quilômetro quadrado no Brasil.

A mídia e a ideologia

Tópico preferido de 10 entre 9 jornalistas (sim, isso mesmo), desde que a opinião não seja esta exposta aqui. Boa crítica. O papel da mídia no crescimento econômico é algo que, imagino, não é importante. Talvez o seja, sim, para a democracia. Evidências não faltam: na era da censura do primeiro regime bolivariano “contemporâneo” brasileiro (1964-85), crescemos como nunca sob a administração militar. Já a democracia, esta sim, precisa de alguém que dê vazão às opiniões de bolivarianos como os cronistas, economistas e outros “istas” apoiadores de nossos conservadores de esquerda ou de direita. Eventualmente, se algum liberal existe, também deve ter o direito de se expressar.

Eis um estudo interessante: que impacto há, se é que algum existe, da liberdade de imprensa sobre o crescimento econômico, dado que se está em tal ou qual regime político?  Uma aluna minha fez uma monografia bem parecida, mas eu acho que a pergunta ainda merece investigação. Ainda mais que a pergunta foi “parecida”, não idêntica.

Ideologias

Um livro curioso, de Ricardo Feijó, está ao meu lado. Ari deixou-o aqui para que eu fizesse uma leitura breve de alguns capítulos. Posto isto, pareceu-me um livro bem pessoal, tal como o livro de Microeconomia de Simonsen. A organização dos capítulos não tem nada a ver com o que se vê por aí.

Não deu tempo de fazer uma leitura mais detalhada, mas Feijó tem um bom ponto no livro: ele discute, ainda que numa linguagem bem pouco técnica (mas adequada ao seu público-alvo), o impacto das ideologias no desenvolvimento econômico. Tenho lá minhas discordâncias quanto algumas coisas que ele diz, mas, no geral, faltava um livro honesto em relação às ideologias da moda, hoje renomeadas como “bolivarianismo” e discretamente seguidas por muitos militantes da esquerda brasileira (eles nunca se pronunciam contra Chávez, embora não o elogiem…).

A distinção entre nazismo e socialismo, na minha opinião, não é a visão mais correta de se expor estas variantes do totalitarismo, mas Feijó não está muito longe do que se faz por aí. Talvez isto seja mais um comentário do que uma crítica. E, sim, eu senti falta de maior profundidade na parte das Escolhas Públicas. Outro ponto positivo: o destaque dado ao famoso debate do cálculo socialista, aliás, escassamente presente nos cursos que se auto-denominam “história do pensamento econômico” (que sempre falam de Marx, mas nunca encontram carga horária para discutir sua derrocada teórica neste que foi um dos mais interessantes debates do pensamento econômico).

Há algo a ser discutido, sim, quando se fala de ideologias e desenvolvimento econômico. Há dois grandes motivos pelos quais isto não acontece com frequência. Primeiro, economistas ortodoxos, muitas vezes, têm manias estranhas. Por exemplo, se não encontram uma proxy boa para o fenômeno, negam sua existência ao invés de reconhecer a limitação do instrumento (algo que já foi dito por Robert Higgs, em seu clássico Crisis and…). Em segundo lugar, os pterodoxos sabem que o reconhecimento da lógica implacável do debate do cálculo socialista os deixará, digamos, nus. Apesar de se auto-proclamarem muito “mentes abertas” e “progressistas”, pterodoxos odeiam o próprio corpo nu. Talvez não sejam tão progressistas assim…

Se alguém mais leu o livro, adoraria ouvir suas opiniões. Por enquanto, eu espero ganhar um exemplar para análise porque o orçamento anda direcionado para outros livros, DVD’s e botecos.

Sindicatos e economia

Suponha um sindicato com quatro ou cinco membros. Suponha que um dos membros tenha falido. Você esperaria que:

a) o sindicato defendesse o interesse do falido junto ao governo, por exemplo, pedindo subídios;

b) o sindicato ficasse caladinho

Agora leia esta notícia. Mancur Olson já falou sobre o papel deletério dos sindicatos no desenvolvimento econômico. Mas, normalmente, as pessoas pensam em sindicatos maiores e no efeito dos lobbies que distorcem alocações de recursos. É verdade que isto é uma correta consequência da teoria olsoniana. Mas também é previsível que um sindicato que represente um cartel tenha os mesmos problemas de ação coletiva que um cartel. Ou seja, se um cair fora, a briga é para ocupar a fatia de mercado correspondente.

E o pessoal me fala de função “social” de grupos. Valha-me São Jorge…Quosque tandem, Catilina….abutere…

Rwanda está em uma boa trajetória?

Karol Bodreaux pensa que sim. Uma nota pessoal: ao invés desta baboseira de politicamente correto (história “afro-descendente”) ou de ONG’s voltadas para a pregação stalinist..digo, socialista como saída para a África, acho muito mais interessante a visão de se pensar instituições para que o potencial empreendedor dos africanos seja a luz no fim do túnel.

Isto não exclui o microcrédito – meus leitores mais antigos sabem que enterrei uma pequena quantia no Kiva, lá na África –  mas microcrédito não é, repito, a saída. A saída é a mudança das regras do jogo que, inclusive, englobam o microcrédito.

Propaganda gratuita

International Seminar on Development:

updating concepts, assessing practices

 

Local

: Auditório da Faculdade de Economia da Universidade Federal Fluminense – Rua Tiradentes, 17, Ingá, Niterói. Telefones: 2629-9735, 2629-9698.

Data: 5 de novembro de 2007

 

Countries with high levels of inequality and relatively low levels of economic development face the challenge of imagining a development model which is not only socially inclusive but also environmentally responsible.

 

In fact, available evidence points to a non harmonic relationship between economic growth, social development and responsible environmental practices. As far as the first relationship is concerned, part of the problem seems to derive from the inequality in the distribution of income and wealth, while another part stems from political economic factors that are detrimental to a plainly re-distributive public provision of goods and services. When it comes to the second relationship, between growth and the environment, a number of tensions emerge mainly due to environmental practices often strained by the demands of growth and, ultimately, increasing consumption patterns.

 

These facts raise questions related to the conceptualization of development. Can we think of a concept of development which incorporates in its very core and not only as a peripheral and derivative theme, the social and the environmental dimensions? Can we think of a concept of development in which quality of life as assessed and reported by individuals themselves is expressed, both objectively and subjectively? And as far as the specific context of developing countries is concerned, what is the appropriate notion of development in the context of less developed economies facing a high level of integration in an increasingly asymmetric and unregulated global economy? Questions of agency are also important: who should be the agents of a re-conceptualized development? Last but not least, questions of operationalization of new concepts are paramount: how to assess development and then promote it?

 

The purpose of the seminar is to stimulate reflection on these problems, benefiting from the expertise and insights of invited Brazilian and international scholars.

 

Preliminary program

9:00h – Opening session

9:30 – 12:45

Peter Evans (University of California, Berkeley):

“The capability approach as an orientation for development”

Alessandro Vercelli (University of Siena):

“Happiness, health and sustainable development”

Antonio de Barros Castro (UFRJ-BNDES):

“Development and the state”

Lunch break: 12:45 – 14:00

14:00 – 17:00

Lionello Punzo (University of Siena):

TBA

Leonardo Burlamaqui (Ford Foundation)

:

“Development and financial regulation”

Gary Dymski (University of California, Sacramento)

:

“Development as social inclusion”

Organizing committee:

Coordinator

: Celia Lessa Kerstenetzky (coordinator of the Inequality and Development Center) – email: celiakersten@gmail.com

Vice- coordinators

: Carmem Feijó – email: cfeijo@terra.com.br, and Claude Cohen (vicecoordinator of the Inequality and Development Center) – email: claudecohen@economia.uff.br

Secretary:

Bianca Imbiriba (Ph.D. Student) – email: biancaimbiriba@gmail.com ; Carolina Cavalcante (Ph.D student) – email: cmcavalcante@gmail.com, Paula Nabuco (graduate student) – email: pnabuco@bol.com.br

We are very grateful to CAPES/MEC, PROPP/UFF, FAPERJ and MINDS for financial support.

O que causa o desenvolvimento das nações?

Two years ago the World Bank’s environmental economics department set out to assess the relative contributions of various kinds of capital to economic development. Its study, “Where is the Wealth of Nations?: Measuring Capital for the 21st Century,” began by defining natural capital as the sum of nonrenewable resources (including oil, natural gas, coal and mineral resources), cropland, pasture land, forested areas and protected areas. Produced, or built, capital is what many of us think of when we think of capital: the sum of machinery, equipment, and structures (including infrastructure) and urban land.But once the value of all these are added up, the economists found something big was still missing: the vast majority of world’s wealth! If one simply adds up the current value of a country’s natural resources and produced, or built, capital, there’s no way that can account for that country’s level of income.The rest is the result of “intangible” factors—such as the trust among people in a society, an efficient judicial system, clear property rights and effective government. All this intangible capital also boosts the productivity of labor and results in higher total wealth. In fact, the World Bank finds, “Human capital and the value of institutions (as measured by rule of law) constitute the largest share of wealth in virtually all countries.”

Em outras palavras, não basta ter petróleo, como a Venezuela, ou etanol, como o Brasil. Há algo além disto, algo intangível que vive nas espontâneas ações dos indivíduos e que pode, sim, ser destruído pela intervenção governamental (mas também pode ser preservado, embora seja mais difícil se observar isto).

Se você pensar um pouco, os economistas que participaram deste trabalho estão simplesmente dizendo que há muita correlação espúria na visão “brizolista” de que basta controlar uma imensa quantidade de recursos naturais para que um país cresça. Isto é besteira.

Na verdade, a economia é, por natureza, descentralizada. É natural, portanto, que economias prosperem quando os milhares de atores concordem com algumas regras básicas. Mais ainda: é impossível que uma economia prospere se alguém lhe impõe regras exogenamente (a chamada “engenharia social” passa exatamente por aí).