O grande P.J. O’Rourke

Anúncios

A Curva de Laffer das homenagens

Alguém deveria fazer uma curva de Laffer para as homenagens geradas pelos políticos.

(…) há inclusive uma Escola Fernanda Sarney, em homenagem à neta de José Ribamar, que fica no município de Bom Jardim. Fernanda Sarney tinha apenas seis anos de idade quando batizou a escola. [Silva, Rodrigo da. (2018). Guia Politicamente Incorreto da Política Brasileira, Leya, p.46]

A gente colocaria o número de projetos de lei de homenagens no eixo horizontal e, no vertical, o custo de oportunidade de se criar projetos de lei. Aposto que, neste caso, descobriremos que estamos muito além do ponto ótimo.

Nem o rei, nem o(a) presidente de uma sociedade ‘rent-seeking’ emigram

É um artigo antigo – faz tempo que o li – mas a mensagem segue atual. Pense no caso da Venezuela ao ler este trecho:

People in our model would be better off in their home countries, and they would not emigrate, if they were not disadvantaged by domestic privilege. Thus, while migration in general takes place from low to high income countries, our model suggests that we should also look to certain types of economic, and political, regimes that “push” parts of their population to emigrate.

Our emphasis has been on the role of institutions. Democratic collective decision-making institutions in general make rent-seeking contests more “difficult” and assign a lower weight to privilege in personal success, than do the personalized institutions of autocracy where the ruler’s decisions are important for people’s well-being. The contestable privilege that is often inherent in autocracy is tied to emigration, and to impediments to economic development.

Uma das consequências do modelo é que em uma sociedade rent-seeking na qual a disputa pelos privilégios distribuídos pelo rei (ou pelo BNDE…) é mais dificultada, os menos produtivos emigram primeiro. Assim, empresários poderosos, que têm muito a perder, preferem ficar e se aproximar do poder enquanto o, digamos, profissional liberal mediano, emigra.

Você pode emigrar porque quer, independentemente do grau de rent-seeking, o que é outra situação. Este antigo, e ótimo, artigo trata de situações em que os incentivos são tais que você emigra porque o diferencial de renda entre países é gerado pelas distorções da intervenção política nos mercados, para tentar transformar tudo o que for possível em renda (ou seja, privilégios) para uso daquele que está no poder.

Apresentação na ABDE

Minha apresentação é, no fundo, uma demonstração de que estou estudando os novos conceitos lançados por Lee Alston, Bernardo Mueller, etc. Ou seja, nunca abandonei minhas raízes da época do mestrado. Está aqui.

Ronald Coase e a matemática na economia

Era Ronald Coase um destes que sofrem de matemáticofobia?

Coase believes that there will be a day for mathematical economics – but not yet. “Once we begin to uncover the real factors affecting the performance of the economic system, the complicated interrelations between them will clearly necessitate a mathematical treatment, as in the natural sciences, and economists like myself, who write in prose, will take their bow. May this period soon come” (Coase [1991, 12]).

É, parece que Coase era mais uma alma razoável com a qual a gente poderia ter uma conversa inteligente. O trecho acima encontra-se em: The New Institutional Economics Meets Law and Economics, de Richard A. Posner (publicado no Journal of Institutional and Theoretical Economics (JITE) / Zeitschrift für die gesamte Staatswissenschaft, Vol. 149, No. 1, The New Institutional Economics Recent Progress; Expanding Frontiers (Mar. 1993), pp. 73-87).

Fim de papo.