A verdade não é relativa: os custos de buscá-la é que a relativiza (ou: mecanismos de transmissão da irracionalidade racional)

Capa_Frente_O Prazer de PensarDe Theodore Dalrymple, “O Prazer de Pensar”, É Realizações, 2016, temos este ótimo trecho para reflexão:

Nossa imaginação não precisa se esforçar muito para entender a mágoa – aquelas mágoas que acabam sendo ocorrências da própria vida – para a qual o espiritismo é uma resposta. Não significa que a verdade se torna relativa, é a importância da verdade na existência humana que faz isso [p.18]

Em primeiro lugar, sim, o autor não é simpático ao espiritismo, o que não o impede de fazer uma ótima observação sobre a suposta relatividade da verdade. Assim, esqueça a questão espiritual.

O último trecho é que é o mais interessante: “é a importância da verdade na existência humana que faz isso”. De fato, todos nós, em geral, gostamos da idéia de que exista uma verdade que se adequa à nossa experiência de vida. A tentação de torná-la relativa é muito forte porque, como dizem por aí, pensar dói (o que é uma boa maneira de dizer que existem custos de busca pela nossa suposta verdade universal).

Pense no caso da política e nos vieses que ela vende como corretos, a despeito da universal lei da oferta e da demanda. Políticos, como nos ensina Bryan Caplan, sempre tentam nos vender verdades relativas que não respeitam as leis econômicas básicas. É a famosa irracionalidade racional já citada neste blog tantas e tantas vezes.

O autor citado nos oferece uma bela forma de pensar em como isto funciona em nossa mente: estamos sempre em busca da verdade, mas se os custos forem muito altos, acomodamo-nos na versão isso é válido para mim, não para você. Talvez por isso a irracionalidade racional exista e continue afastando as pessoas das soluções eficientes e permitindo as mais bizarras falhas de governo que vemos por aí.

Eu sempre me lembro do amigo Diogo Costa que gostava de introduzir o tema em suas aulas perguntando aos alunos se eles concordavam que toda verdade é relativa e, após o imediato – e entusiasmado, previsível – “sim” dos seus alunos, prosseguir: até mesmo esta frase? Sim, dá um nó na cabeça. Outro que talvez possa comentar mais sobre estas questões filosóficas é o amigo Lucas Mafaldo. Quem sabe algum deles não aparece para um café nos comentários, mesmo na era do fêissibúki?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s