Por que não te casas?

fertilidade_japao

Como você já deve ter percebido, trata-se de um texto para discussão sobre a baixa fertilidade no Japão. Um pouco do resumo (gigantesco) do texto:

(…), we investigated attitudes toward marriage among never-married men and women between the ages of 25 and 39 (“Internet survey on the marriage and work conditions among never-married men and women”), aiming to obtain basic references for exploring the trend of not marrying in more depth. In the survey, we asked the same questions with the National Fertility Survey , compared the results while inquiring about the living environment (e.g., conditions of family members, work environment, respondents’ work style, and conditions of residential area), and analyzed the points that could not be clarified by the National Fertility Survey . Between July 2014 and May 2015, five meetings were held to complete this DP.

As conclusões? Parece que estou lendo algo da economia do casamento e divórcio de Gary Becker. Por exemplo:

Based on the finding that non-regular employees tend to show lower desire to marry than regular employees, we examined if the reason for this tendency was attributable to the “hypothesis of encountering (Deai Kasetsu),” derived from the hypothesis of marriage market mismatches. The results indicated that this hypothesis was applicable in general.

Ou isto:

We analyzed the factors preventing never-married men and women with desire to marry from encountering their potential marriage partners, considering the characteristics of each region while associating them with individual attributes and conditions they have for their marriage partners. In the case of women, they were not positive about finding their partners as they did not see many benefits in getting married when they lived with their parents. Parents’ better economic circumstances provided both men and women with more opportunities to encounter their potential partners. These results suggest resources are moving down the generations.

E isto:

It was also discovered that the sufficiency of social capital in family, workplace, and society strengthened both motivations toward marriage and having children. Good relationships with parents as a family-related factor and having opportunities for challenging tasks at workplaces as a job- and workplace-related factor had positive influences on the desire for marriage and having children, while continued employment of women at workplaces after marriage positively affects men’s and women’s desire to marry. It was found that high availability of regional child-care services had positive effects on both the desire for marriage and having children regardless of gender and employment status.

Infelizmente, não encontrei o artigo completo lá, mas isto é porque ele está todo em japonês (apenas o resumo está em inglês). De qualquer forma, pareceu-me um trabalho interessante. Surveys, quando bem usados, podem ser uma ferramenta útil na investigação de padrões de comportamento microeconômicos.

p.s. curiosamente, não encontrei Gary Becker, diretamente referenciado, no texto. Mas pode ser que ele está escondido nas referências. ^_^

A China é um país pouco emporiofóbico? Evidências.

Pesquisa do Gallup indica que maioria dos chineses é a favor do comércio. Será que são menos emporiofóbicos? Lembre-se do que é emporiofobia aqui (o mesmo lugar de onde vem o gráfico abaixo).

A política gerando empregos: um desempregado a menos!

Não é legal? Políticos ajudam a gerar empregos no país. Esta é mais uma das consequências do livre funcionamento dos mercados. Mesmo em momentos em que a economia está ruim, alguns empreendem e conseguem colocar alimentar sua família.

Sim, políticos, se ele estivesse empregado, ele não precisaria ganhar a vida com adesivos como este. Entretanto, a política econômica do governo – não sem alertas de bons economistas – levou a economia a uma situação em que, mesmo se o empreendedor-cidadão do vídeo quisesse arrumar um emprego agora, dificilmente conseguiria.

Pois é.

Problemas de principal-agente no Brasil…colônia: Antonil

Os braços de que se vale o senhor do engenho para o bom governo da gente e da fazenda, são os feitores. Porém, se cada um deles quiser ser cabeça, será o governo monstruoso e um verdadeiro retrato do cão Cérbero, a quem os poetas fabulosamente dão três cabeças. Eu não digo que se não dê autoridade aos feitores; digo que esta autoridade há de ser bem ordenada e dependente, não absoluta, de sorte que os menores se hajam com subordinação ao maior, e todos ao senhor a quem servem. [Antonil, A.J. (1982) [original de 1711], Cultura e Opulência do Brasil. Ed. Itatiaia, p.83]

Já dizia o velho Antonil: na prática, a administração de recursos escassos não se dá sem bons incentivos. Bom, ele disse isso de outra forma, mais poética, mas alguém discordará de minha interpretação? Olha que, na vida real, este é um problema bem comum (veja, por exemplo, o que dizem os experimentos em laboratório).

A citação do Antonil parece inocente e simples à primeira vista, eu sei. Mas se você estudou um pouco de problemas de principal-agente, certamente irá enxergá-la com olhos mais, digamos, de economista, ou seja, pensando no problema dos incentivos. ^_^

antonil

Que ótima idéia! ReScience

Olha a novidade que está sendo divulgada na internet!

ReScience is a peer-reviewed journal that targets computational research and encourages the explicit replication of already published research, promoting new and open-source implementations in order to ensure that the original research is reproducible. To achieve such a goal, the whole editing chain is radically different from any other traditional scientific journal. ReScience lives on github where each new implementation is made available together with comments, explanations and tests. Each submission takes the form of a pull request that is publicly reviewed and tested in order to guarantee that any researcher can re-use it. If you ever replicated computational results from the literature in your research, ReScience is the perfect place to publish this new implementation.

A ciência está dando passos…graças aos choques tecnológicos que baratearam os recursos computacionais.

Cliometria – ótima notícia

Acabo de saber e compartilho com os leitores deste blog, principalmente para os que se perguntam sobre o significado do termo.

Announcing the publication of the Handbook of Cliometrics

Handbook of Cliometrics
Editors: Claude Diebolt and Michael Haupert
Springer Reference, Berlin, August 2015 (copyright 2016), 590 pages.
ISBN: 978-3-642-40405-4
ISBN: 978-3-642-40406-1 (e-Book)
ISBN: 978-3-642-40407-8 (print and electronic version bundle)

The Handbook of Cliometrics is a milestone in the field of historical economics and econometric history through its emphasis on the concrete contribution of cliometrics to our knowledge in economics and history. The articles in the handbook, authored by the leading scholars in the fields, stress the usefulness of cliometrics for economists, historians and social scientists in general. The Handbook offers a comprehensive coverage of topics with each article providing an overview of the contributions of cliometrics to a particular topic. The Handbook sets a new standard of quality in the field by offering a world-wide forum of discussion in cliometrics.

Table of Contents

“An Introduction to the Handbook of Cliometrics”
Claude Diebolt and Michael J. Haupert.

Section 1: History

“The Cliometric Approach to Economic History”
Michael J. Haupert

“Economic History and Economic Development: New Economic History in Retrospect and Prospect”
Peter Temin

Section 2: Human Capital

“Human Capital”
Claudia Goldin

“Labor Markets”
Robert Margo

“Nutrition, the Biological Standard of Living, and Cliometrics”
Lee Craig

“Age-Heaping-Based Human Capital”
Franziska Tollnek and Joerg Baten

“Church Book Registry: A Cliometric View”
Jacob Weisdorf

Section 3: Growth

“Growth Theories”
Claude Diebolt and Faustine Perrin

“The English Industrial Revolution: A Cliometric Account”
Gregory Clark

“Economic-Demographic Interactions in Long-Run Growth”
James Foreman-Peck

“GDP Convergence in Modern Times”
Emanuele Felice

“Cliometric Approaches to International Trade”
Markus Lampe and Paul Sharp

Section 4: Finance

“Financial Markets and Cliometrics”
Larry Neal

“Payment Systems”
John James

“The Cliometric Study of Financial Panics and Crashes”
Matt Jaremski

“Financial Systems and Economic Development”
Caroline Fohlin

Section 5: Innovation

“Innovation in Historical Perspective”
Stanley Engerman and Nathan Rosenberg

“The Cliometric Study of Innovations”
Jochen Streb

Section 6: Statistics and Cycles

“Statistical Inference”
Thomas Rahlf

“Trends, Cycles, and Structural Breaks in Cliometrics”
Terence Mills

Section 7: Government

“The Great Depression and the New Deal”
Price Fishback

“Cliometric Approaches to War”
Jari Eloranta

Quando surgiu a “interne…”, digo, Gutemberg

Veja que interessante. O resumo é promissor:

This research studies how variations in competition and in media content characterized the use and impact of Gutenberg’s printing press technology during the European Renaissance. The research constructs annual firm-level panel data on the publications produced by 7,000+ printing firms operating in over 300 European cities 1454- 1600. Evidence on the timing of the premature deaths of firm owner-managers is used to isolate shocks to competition. Firms where owner-managers died experienced large negative shocks to output. However, at the city level deaths of incumbent managers were associated with significant increases in entrance and with a positive and persistent impact on competition and city output. Variations in city supply induced by heterogeneous manager deaths are used to study the relationship between the diffusion of ideas in print and city growth. A uniquely strong relationship is observed between the new business education literature and local growth. This is consistent with historical research on the transformative impact business education ideas had on commercial practices and European capitalism.

Como sempre digo, respeito demais o trabalho de historiadores econômicos sérios. Similar ao surgimento da internet? Eu diria que sim: um importantíssimo choque de produtividade em nossas vidas. Aproveite e leia também este outro artigo, sobre a relação entre a mídia e a reforma protestante na Europa.

weber_revolution

Muito legal, não?

Dica R do Dia – Tutorial do Zeileis

Um dos melhores livros de econometria para R – senão o melhor – é do Kleiber & Zeileis. A propósito, este último fez um resumo para sala de aula que está aqui. Todos os meus alunos que usaram trechos deste livro concordam que é ótimo para aprender, rapidamente, a aplicar os comandos. Claro, você tem que usá-lo como complemento a um livro-texto de graduação.

Particularmente, sou muito grato a este livro. Foi o grande impulsionador nos dias iniciais de meu convívio com o R. Naquele tempo, praticamente ninguém por aqui, exceto um ou outro colega, usava o R. Tutoriais na internet? Só em língua inglesa porque, como sempre, brasileiro não pode aprender algo que resolve esconder dos outros (crueldades em excesso? Pode ser…).

Aproveite e faça bom uso.

Confiança e Economia: endogeneidade?

Geralmente é uma discussão difícil.

Why would economic prosperity cause more societal trust? One possibility, advanced already in Banfield, 1958, is that generalised trust norm is a luxury good, whose income elasticity is large, so that in a prosperous society it replaces the parochial trust norm. Another possible explanation that we elaborate upon in the paper, is that enhanced economic prosperity acts as a signal that fellow citizens are trustworthy. The more optimistic assessment then breeds trust among individual citizens. This theory suggests the possibility of a mutual feedback between trust and economic growth.

Pois é. Complicado, não? Mas mostra que é importante prosseguir nesta investigação.

Uber, táxis e o quinto do ouro: lembrando de um depoimento

Como falei ontem, neste blog, aqui em Belo Horizonte, houve a audiência pública na AL-MG sobre a questão do Uber. Um taxista – que no vídeo (já expirado no Periscope) também pergunta se os meninos do EPL receberam dinheiro para estar lá (momento em que sua manifestação se torna lamentável para toda a categoria) – perguntou sobre o cumprimento da lei.

Parafraseando, ele disse algo como: Não tenho nada contra o Uber, mas tem que se enquadrar na lei. Certíssimo.

Contudo, como já falei, o ponto é justamente a mudança da lei. Exemplo simples, tirado do clássico de 1711 de Antonil (familiar aos estudiosos de História do Brasil), ao justificar a cobrança do quinto do ouro, após longa digressão com citação de diversos documentos em latim (língua que certamente não domino):

E deste fundamento certíssimo se infere também certamente que os quintos do ouro que se tira das minas do Brasil se devem a El-Rei em consciência, e que a lei feita para segurar a cobrança dlees, não é meramente penal, ainda que traga anexa a cominação da pena contra os transgressores, mas que é lei dispositiva e moral e que obriga antes da sentença do juiz, em consciência. [Antonil, A.J. (1982) [1711], p.178]

Pois é. Qualquer mina que se descubra, não importa, 20% deve ser pago ao rei de Portugal. Eis o que diz a lei. Mais ainda, não se trata de uma questão apenas legal, mas também, diz-nos Antonil, de consciência.

Guardadas as diferenças entre mineiros e taxistas (no pun intended, really) – e a situação não é exatamente a mesma, eu sei – o discurso de Antonil lembra muito o do taxista que se diz humanista, pois que não seria contra o exercício da profissão dos motoristas de Uber (embora mostre sinais de que, sim, é, e muito, ao acusar os estudantes de receberem dinheiro em troca do apoio, claramente desprezando o papel dos consumidores de seus serviços como agentes de mudança).

O que o taxista tenta vender como argumento é um suposto ponto moral: só porque eu pago meu quinto para o governo, se alguém descobre um jeito melhor de fazer a mesma coisa que eu faço, mas sem pagá-lo, comete um crime de consciência, moral mesmo.

A idéia é criar um constrangimento para a mudança institucional com base em uma defesa superficialmente legalista da legislação que ele mesmo, aposto, condena na privacidade do seu lar, ao contar seu rendimento diário…

É similar ao argumento dos escravocratas quando da mudança da Lei Áurea: não se pode mudar porque é uma quebra de contrato com os latifundiários. Obviamente, a estabilidade jurídica (ou a segurança jurídica) é sempre desejável e a literatura da Nova Economia Institucional mostra isso à exaustão (veja este ensaio do Armando Castelar Pinheiro, por exemplo).

Mas a mesma literatura também mostra que diferentes instituições geram diferentes resultados e, mais ainda, caso as sociedades tenham dificuldades em se adaptar às mudanças, podem ficar presas a um círculo vicioso de pobreza e desigualdade. Imagine, por exemplo, o Brasil sendo o único país escravocrata até hoje ou, em um contrafactual imperfeito, olhe para o desempenho dos indicadores sócio-econômicos da Coréia do Norte, um país que escraviza seus cidadãos.

É, taxista que defende a lei existente a todo custo é, sim, similar ao lacaio do rei que defende o quinto do ouro acima de tudo e também ao escravocrata que defende a escravidão (sim, sim, fosse o oposto e o motorista de Uber fosse o ‘taxista’, eu diria o mesmo, não se trata de favorecer este ou aquele grupo, mas, neste momento histórico, o taxista é a bola da vez).

Interessante, não? Fosse eu um aluno meu, correria para ler mais de Gerard Roland, Masahiko Aoki, Lee Alston, Douglass North, Barry Weingast, Elinor Ostrom, Mancur Olson Jr e outros gigantes da área para entender melhor os problemas da dinâmica de mudanças institucionais. Não é fácil mas, bem, quem disse que a vida era mole, né?

p.s. para o leitor que chegou aqui agora, sobre o Uber, há vários textos como este por aqui. Basta procurar.

O debate infindável dos taxistas, motoristas de Uber e os consumidores: mais dicas para você

ubertaxi_2

A lei, ah a lei…temos que respeitá-la. Mas respeitar a lei era o que pediam os escravocratas antes da Lei Áurea. Eis o cerne da questão: qual é o critério para se mudar uma lei?

Hoje, por algum tempo, acompanhei ao vivo um pouco da movimentação de taxistas e defensores do Uber na AL-MG.

Em determinado momento, um taxista levantou o ponto fulcral: não sou contra o Uber, mas não podemos estar fora da lei.

Não posso concordar mais com ele. Contudo, não posso também deixar de pensar que a estabilidade jurídica não existe apenas em um único formato. Por exemplo: após a Lei Áurea, quebramos a lei escravocrata e nunca mais voltamos atrás. Pergunto ao leitor: estamos melhores ou piores do que na era da escravidão?

Tudo isto me leva a pensar: como é o mercado de táxis no Brasil? Qual sua estrutura? Como surgiu? Quando taxistas surgiram, no mundo, quem perdeu emprego? Nem sei se posso fazer a pergunta, mas lá vai: os que tinham carruagens e não podiam comprar carros, sei lá, perderam? Algo assim deve ter ocorrido.

No Brasil, não conheço estudos (quem quer que queira debater o tema seriamente, tem que conhecer) sobre o tema. Para os EUA, existem vários, imagino (um chute educado que, aposto, está correto).

Como economista, percebo o problema sob a ótica dos custos de transação e com os bons insights de Schumpeter. Leia, por exemplo, este texto, para saber um pouco sobre o tema. Conheça Chadbourne, um homem com boas relações com o poder e veja como ele é agredido por um inescrupuloso taxista, resultando em regulações. Bem, mas a história não poderia parar por aí. Note como a indústria de táxis, lá nos EUA, evolui no início do século XX.

Chadbourne’s rules lasted about a year before someone tried to change them. In 1890, a local businessman named Theodore Gurney challenged the Chadbourne Ordinance. Gurney was a classic startup-libertarian type who undercut the competition on price — and he felt that the new municipal rules were getting in the way. He vowed to take the case to the Supreme Court, but before that happened, Gurney Cab folded, largely because, the rumor went, it lured customers in with low prices and then added hidden fees.

A grande questão, como eu disse mais cedo neste blog (você, leitor novo, aproveite para conhecer um pouco…sou um ótimo cara para você citar, tenho facilidade em criar inimizades, sou muito chato, aproveite!), é entender a dinâmica da mudança institucional, não apenas a teoria e não apenas as palavras de ordem que se gritam por aí. Afinal, quem foi substituído pelo advento dos táxis regulamentados? No Brasil? No resto do mundo? A história precisa ser estudada. A discussão sobre o modelo regulatório no Brasil – ao menos uma referência – pode ser facilmente encontrada aqui (é uma dissertação bem interessante para quem deseja conhecer o problema do Brasil contextualizado no mundo). Nela, por exemplo, encontrei esta tabela (trecho).

taxiuber

Vou insistir: sem fazer a análise econômica das regras do jogo (Coase!), pesquisar a história do setor (North!) e sem usar a boa teoria econômica, a retórica fica vazia. Não basta apenas falar de “direito de escolha”. Não basta falar dos EUA ou do que dizia Bastiat.

É preciso um pouco mais e, claro, caso você tenha como, levante dados e tente descobrir padrões. O tema é muito interessante, polêmico e mostra que boa parte da população está vivendo termos econômicos de livro-texto como contestabilidade de mercados (Baumol!), destruição criativa (Schumpeter!) levando-nos, quem sabe, a uma sociedade menos emporiofóbica? Menos emporiofobia pode ser um resultado de uma sociedade em que o mercado sirva a todos, não apenas aos compadres (crony capitalism). [ou sua causa, ainda não sei…é o tema central de pesquisa em minha carreira ainda em andamento…^_^]

O que a Nova Economia Institucional tem a nos ensinar no caso do Uber?

Simples: trata-se de uma mudança institucional e, mudanças assim, exigem o conhecimento da história. Exemplo: como ocorreu, no Brasil, a mudança legal que permitiu o trabalho de taxistas sob aquisição de licenças? Quem perdeu? Quem ganhou? (ok, a Wikipedia é ruinzinha, mas ajuda a começar o dia pesquisando…)

Não tem estudo sobre isso e você quer defender/atacar um dos lados? Não passa nem em exame de Introdução ao Direito.

É, custos de transação são muito mais do que alguns pensam. Ronald Coase é muito mais do que uma foto na parede, amigo(a).

Olha aí:

Transaction Costs
The costs of resources utilized for the creation, maintenance, use, and change of institutions and organizations. They include the costs of defining and measuring resources or claims, the costs of utilizing and enforcing the rights specified, and the costs of information, negotiation, and enforcement.

Acha que é fácil entender isso sem olhar o contexto histórico? Pode tirar o cavalinho da chuva…

A economia política do Bolsa-Família

Mais um artigo se junta ao debate que já dura algum tempo, na literatura, desde nosso artigo de 2009. Desta vez, as conclusões do autor são-nos favoráveis. Acho que até o citei por aqui outro dia, mas esta é a versão final.

Fraude explica(?)

Resumindo, é o que diz esta notícia. Quem nunca viu aquelas correlações bizarras (portanto, ótimas para chamar a atenção do internauta), no final da tarde, em portais de notícias?

Por isso não se pode pensar o mundo sem Estatística. Não adianta chorar.

p.s. obrigado à leitora, pela oportunidade de me ajudar a manter o humor do título, mas com mais veracidade. ^_^

Gráficos na economia, choques tecnológicos e a produção de artigos científicos

Ari me envia este link, com um artigo (Graphs in Economics) do grande Robert Tollison (ele sempre tem artigos interessantes) e Ibrahim Demir. Eis o resumo.

This study explores how economists present their ideas and findings in journal articles with a particular focus on the use of graphs. The study analyzes producing economics articles within a production theory framework and develops an economics article production function, in which graphs and words are inputs. Analyzing the articles published in American Economic Review between 1911 and 2010, the study finds that number of words, time, editors, number of chart displays, number of equation lines, presence of female authors, and female-only authorship are the significant determinants of the use of graphs. The study also finds that graphs and words complement each other.

Não, você não leu errado: o tema é a função de produção de artigos de economia e seus insumos. Na minha opinião, é um estudo de história do pensamento econômico, já que trata de nosso principal periódico, o famoso AER, em praticamente toda sua história.

tollison_graph

Não sei você, leitor, mas acho interessantíssimo o tema. Afinal, dá para ver choques tecnológicos na produção de nossa atividade acadêmica. Adicionalmente, um modelo que eu nunca havia visto aplicado (ZINB) em um problema econométrico é exatamente o que se usa no artigo.

Ganhei minha tarde, academicamente falando.