Uncategorized

Educação – IDEB

Porque só há duas maneiras de aprender as coisas: ou pela tradição ou pela escola. A tradição, desgraçadamente, está agonizante (…). E a escola… – que faz a escola, com tão largos programas, com tantos anos de estudo, com tanto método velho e novo, com tanta coisa complicada e afinal tão poucas coisas realmente úteis? [Cecília Meireles, A Manhã, RJ, 09/01/1942]

Minha reflexão sobre o IDEB? Está aí, minimalista, ok? Aproveite e vá lá no blog do Nepom criticar os meus textos e os dos meus alunos.

Uncategorized

Tem gente que deveria contar até dez antes de perguntar

Uns alunos meus faziam muito este comentário, mas com meu ex-monitor, o Lucas, que fazia piadas de economistas o tempo todo. Ele era tão bom nisto que foi fazer mestrado no IMPA (economistas que desejam construir um curso de Economia de qualidade deveriam, com urgência, estudar o modelo criado pelo IMPA).

Mas a piada é boa e o sempre genial The Onion faz a coisa parecer séria. Claro, há um fundo de verdade. Vamos à inovadora e sensacional matriz que eu criei (claro!) para ilustrar isto (minha veia de consultor para assuntos aleatórios que te cobra os olhos da cara para falar obviedades, sometimes, manifesta-se com certa insistência).

Fullscreen capture 962014 84117 AM

Observe esta brilhante (porque criada por mim) tabela. Não é uma síntese quase perfeita de tudo isto? É, eu sei que é difícil para você admitir porque a inveja é uma falha humana. Tudo bem.

Mas vale observar que meu ex-monitor Lucas não se enquadra nesta matriz porque ele gastava boa parte do tempo fazendo piadas de economistas ao invés de perguntando tópicos da matéria. É um caso mais grave, claro, mas ele está sob cuidados de matemáticos. Ops…

Uncategorized

Temperatura em Tokyo – 1876 – 2005 (mensal) – Dica R do dia

 

Originalmente, os dados estão aqui. O desafio é transformar a planilha do Excel em uma série de tempo legível. Claro, você poderia copiar e colar (com transposição) gastando uns bons 20 minutos do seu tempo. É como eu sempre fiz.

Aí, veio o R e, com ele, as pessoas que divulgam seus códigos. Pronto, aprendi mais um truque. Agora, consigo fazer a transposição em muito menos tempo. Ah sim, olha só o jeitão da garota.

temperatura_em_tokyoBonitinha, né? Que tal o boxplot?

boxplot_tokyo

Bonito, heim? Quem acha que o verão japonês é algo tranquilo e fresquinho, pode ir tirando o cavalinho da chuva (embora eu não tenha trabalhado a série de índices pluviométricos no momento).

As autocorrelações?

tokyo_temp_acf tokyo_temp_pacf

 

Acho que já deu para ter uma idéia, né? Ah, você acha que é fácil ajustar um ARIMA para esta série? Então, boa sorte. De minha parte, o legal era aprender a fazer a transposição da série sem ter que usar as terríveis planilhas. É, para quem não tem o R (ou não sabe usá-lo), o negócio é aprender a fazer macros para planilhas.

Fico por aqui. Até mais.