Uncategorized

Sobre o Pluralismo – pergunta simples

Introdução à esquerda, sem chopp

Para os que gostam desta discussão esotérica, eis um ponto que sempre ouço: “Ah, mas Marx gostava de Sudoku”. Não é bem assim que falam. É mais como esta longa justificativa do Nemchinov:

20140525_112100

Sim, eu sei. Você está maravilhado e confuso: quão inteligente era este homem, tal de Karl Marx! Sabia de tudo! Um verdadeiro conhecedor de vinhos, mulheres, charutos, história, filosofia, medicina, mecânica, matemática e sociologia!

Mas, ao mesmo tempo, você se depara com uma página inteira de um soviético tentando justificar o porquê de a Matemática ser importante na Economia. Repare que o autor, Nemchinov, não entendeu, realmente, o que seria a Austrian ‘marginal utility’ school. Ele é daqueles que enxergaram dois lados no debate do cálculo econômico no socialismo. Mas podemos dar-lhe um desconto aqui. Afinal, ele estava entrando em luta duríssima. Uma luta que custou ao Nobel de Economia, Kantorovich (que também tem artigo nesta coletânea) o ostracismo na URSS: o uso da matemática em problemas econômicos.

Reparou na ironia? Muitos indivíduos (outra ironia: eu deveria dizer “classe”, ou algo assim, mas vamos lá) que se dizem insatisfeitos com a “teoria econômica dominante”, querem pluralismo. Mas o pluralismo deles, já destaquei aqui, é um pluralismo preguiçoso, que não vê lugar para a álgebra no curso de Ciências Econômicas. Diante da necessidade de entregar uma lista de Cálculo, desprezam até seu patrono, Marx, e comportam-se como tiranetes, mimetizando o cruel Stalin.

A pergunta em si (com consciência de si)

A pergunta simples é: por que ninguém da patota marxista pede mais matemática no curso? Eu nem vou falar de equações diferenciais. Pode ser só somar, multiplicar, dividir, subtrair e, digamos, derivar e integrar. A resposta, eu sei, tem a ver com os incentivos. Indivíduos respondem a incentivos e, se os incentivos lhes mostram que a lista de cálculo é difícil, eles preferem fazer discursos sobre a irrelevância dos indivíduos ante a classe social, xingar os professores de fascismo, questionar a didática (a culpa é da sociedade, não minha, e o professor de Macro/Micro/Econometria/História/Ciência Política/etc é um instrumento da dominação totalitária neoliberal), etc.

Epílogo

Eu não poderia deixar de homenagear meu amigo Adriano Gianturco com seu italiano “favorito”. É, eu tenho alguns livros antigos.

20140525_11381620140525_113827Bonito, heim? Além de ter lido “O Capital”, eu segui o conselho dos meus professores marxistas e desenvolvi um pensamento crítico. Tão crítico que li a crítica de Pareto ao livro. Já se vão lá uns 20 anos, eu sei. Obviamente, eu comecei com a “Crítica à Crítica Crítica a Bruno Bauer e Consortes” do jovem Marx, pois, de maneira crítica, achava meus colegas de Economia muito pouco versados em Marx. Depois, obviamente, continuei minha crítica crítica ao Marx que, a bem da verdade, não usou nem uma linha da tal matemática que – dizem – ele tanto sabia em seus livros.

Bom, não precisava usar soma ou subtração. Bastava usar a mesma hipótese sobre a composição orgânica do capital no livro I e no livro III e teria se safado da maior inconsistência (ou da inconsistência safada?) de sua obra. Quem leu, sabe do que falo.

O custo de oportunidade, claro, é que eu poderia ter estudado mais matemática na graduação. Ironicamente, se meus professores marxistas tivessem lido Nemchinov, Kantorovich, Lange, etc, teriam feito um favor maior ao meu conhecimento. Ou não?

Olha, vou contar um segredo: não acredito muito neste poder do planejamento que os que pedem pluralismo visando transformar a economia em uma singularidade marxista (fazendo os tolos de massa de manbora no caminho mas, que importam as preferências de uns poucos sobre as necessidades de muitos na interpretação dos líderes do movimento revolucionário?) e acho que tudo isto aconteceu por acaso.

Afinal, calhou de eu ler um livro aqui, outro ali, sempre querendo aprender mais. Deu no que deu. Hoje, os pterodoxos da ala marxista me odeiam. Bom, é só mudar de canal. Há uma pluralidade de blogs por aí. O controle social da mídia ainda não prevaleceu e, portanto, há opções. Não gostou? Muda de blog. Ficou nervosinho? Vai pescar. Simples assim.

2 comentários em “Sobre o Pluralismo – pergunta simples

  1. You know Adriano?!
    I met him and his brother (Claudio!) at a seminar in New York on Austrian Economics in 2008 (my freshman year). He wouldn’t remember me (the anthropology major from California), but please give him my regards anyway.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s