Uncategorized

Gretl

Quem me conhece sabe que uso o R para Econometria, mas nunca abandonei o EasyReg, o JMulti, o Gretl, o Eviews ou o Stata. Obviamente, não tenho tempo para me aprofundar em todos e tive que optar pelo que custa menos e promete mais para o futuro.

Agora, quem tiver visto a última versão da documentação do Gretl (o User’s Guide) deve ter notado uma incrível melhora. A integração do Gretl com Ox, R e Phyton e a seção sobre dados em tempo real parecem ser novidades muito boas no guia.

Anúncios
Uncategorized

Gente que faz

Dá só uma olhada na variedade de temas nesta conferência que ocorrerá em Londres, após a Copa (peguei a listagem daqui):

 

  • Hadley Wickham, RStudio – Expressing yourself in R
  • Richard Saldanha, Investec – Assessing Liquidity Risk in Asset Management”
  • Juan Manuel Hernandez, Millward Brown – How R transformed the Analytics Paradigm at Millward Brown”
  • Steven Fitzpatrick, Firmenich – Consumer Insights using R
  • Abigail Lebrecht, uSwitch –  Automating Reporting and Visualisation Functions in R
  • David Jessop, UBS – Calculating High Frequency Betas
  • Ajitesh Ghosh, Kantar WorldPanel – Using R for Consumer Psychological Research
  • John Burn-Murdoch, The Financial Times – Visual Journalism with R
  • Aimee Smith, Loughborough University – Analysis of Elite Football Players’ Perceptions of Playing Surfaces Using R
  • Markus Gesmann, Lloyd’s of London – Swimming in Data and Diving for Whales
  • Naser Ali, Hortonworks – Big Data beating the Skills Gap
  • Tim Paulden, Atass Sports – You can NOT be Serious! How to build a tennis model in 30 minutes
  • John McConnell, Analytical People – When R wins.. and Why
  • Joss Langford, ActiveInsights – Event based Classification of Human Behaviour: strategic commercial use of open source tools

 

Gente que faz é assim, né? Haja diversidade! Pluralismo levado a sério é isto, não aquela orgia verborrágica de que nos falam alguns auto-denominados pluralistas que não admitem diversidade!

Embora com o risco de mudar de assunto dentro do mesmo post, mas nem tanto (já que é sobre “gente que faz”), que tal este meu amigo aqui que teve um bocado de trabalho para construir um correlograma transformado? O nosso conhecido monstrinho (apelido carinhoso que uma amiga lhe deu) não é fácil. Daqui a pouco ele estará fazendo história porque estudou um bocado para isto. Reformulo: estará fazendo boa história, já que não optou pelo caminho errado de mudar a história sem entender o que se passa antes.