Uncategorized

Vale a pena ver de novo

Eu avisei. Avisei, avisei e avisei. E você não ouviu, nem ele, nem ela, nem eles. Bom, mas eu falei. Agora, bom, agora é sobreviver porque viver ficou difícil.

Uncategorized

Momento R do Dia – furacões ou “Uma imagem vale mais do que mil palavras, mas qual imagem é esta? – a pergunta de um milhão (de imagens)”

Tufões e R

Dos dois posts anteriores sobre as cerejeiras obtive também a série de ocorrências de tufões no Japão. Vale a pena a gente olhar os gráficos para perceber o quão enganador pode ser um gráfico. Por exemplo, vou mostrar inicialmente os gráficos dos dados mensais e trimestrais. Por que? Porque há meses em que não ocorrem tufões. Assim, para evitar a ocorrência de zeros no gráfico, posso observar o trimestre.

Eis os gráficos.

tuf1

 

tuf2

Percebe que o gráfico dá a impressão de uma certa estacionaridade em torno da média, né? Mas será que estes gráficos nos mostram uma série com média e variância constantes? Alguém poderia fazer uma tabela com os dados e com alguns poucos testes de igualdade de média (ou de variância), chegaria em uma resposta. Uma opção é olharmos para os gráficos de meses ou trimestres (já usados em outros “Momentos R do Dia” neste blog).

tuf3

tuf4

Ambos os gráficos nos dizem que há uma diferença nas médias, não? Na frequência mensal isto pode ficar mais suavizado, mas, no caso trimestral, o terceiro trimestre é um sujeitinho bem diferenciado em termos de média, não?

Agora, o interessante é notar que os gráficos originais não são tão claros no sentido de nos mostrar este padrão diferenciado. Que tal irmos um pouco além?

tuf5

tuf6

Vejam só. Com as funções de autocorrelação percebemos mais uma outra característica: a agregação dos dados (mensal para trimestral) altera o formato destas funções. Isto pode não ser intuitivo para alguns e vale a pena destacar o ponto (embora muita gente ache isto intuitivo, eu nunca achei e teria agradecido se alguém tivesse me chamado a atenção para o ponto).

Conclusão

Então, sim, uma imagem pode ser de muita ajuda para entendermos a realidade. É essencial que a imagem ou, no caso, o gráfico, seja muito bem apresentado. Mas existe uma pergunta muito importante: qual gráfico nos informa, de fato, mais sobre o que desejamos saber?

A resposta, portanto, depende do que desejamos saber. A moral da história é que quanto mais gráficos você aprender (ou melhor: quanto mais flexibilidade você tiver), melhor. Eu? Eu desejo saber se você aprendeu a fazer todos os tipos de gráficos no R. Assim, eis os comandos (após importar os dados, claro):


library(ggplot2)
library(lattice)
library(latticeExtra)

# nao usei este grafico...
xyplot(taifu,
       main="Furacões no Japão",
       ylab="furacões no mês", xlab="Mês/Ano",
       scales = list(y = list(relation= "free")))

#agregando para trimestres...

taifu.Q<-aggregate(taifu,nfrequency=4)

#checando 

show(taifu.Q)

# os graficos do post

plot(taifu,col="orange",xlab="meses",ylab="ocorrências",main="Tufões no Japão")
plot(taifu.Q,, col="red",xlab="trimestres",ylab="ocorrências",main="Tufões no Japão")
monthplot(taifu.Q, col="red",ylim=c(min(taifu.Q),max(taifu.Q+1)),main="Tufões no Japão",xlab="trimestres",ylab="ocorrências")
monthplot(taifu, col="orange",ylim=c(min(taifu),max(taifu)),main="Tufões no Japão",xlab="meses",ylab="ocorrências")

library(forecast)
tsdisplay(taifu)
tsdisplay(taifu.Q)

Ok, até a próxima. Voltarei com o exercício de expectativas racionais, assim que a Roseli e eu acertarmos como faremos esta divertida brincadeira inter-blogs.

Uncategorized

As cerejeiras estão aí e as medidas de acurácia de previsão também!

Pois é. O pessoal que está ansioso para programar seus passeios pelo Japão tem até mapa com os prováveis períodos de desabrochar das cerejeiras. Claro, se eu morasse em um país decente, eu também poderia me preocupar apenas com estatísticas divertidas como esta.

Hoje, por exemplo, eu falei das medidas de acurácia de previsão e, claro, não deu outra: apesar do olhar sonolento de um ou outro aluno que prefere encarar a Econometria como um mal necessário, veja lá o final (últimas linhas) das tabelas para 2013…

A base de dados, sim, está aqui. Vejamos a estação chuvosa em Okinawa, no extremo sul do Japão, segundo esta base (gráfico por minha conta).

sakura_okinawa

Os números nas bolinhas cor-de-rosa são os números de dias da estação chuvosa no ano em questão. Temos:

梅雨期間 (Tsuyu Kikan = literalmente, período de chuva)
降水量 (Kousui Ryou = Medida de precipitação)

Ok, eu não vou trabalhar muito com estes dados, mas tem algo muito bonito acontecendo no arquipélago japonês…