Uncategorized

Enem…e os incentivos

Então a prova do ENEM está cheia de problemas em sua criação, como a explícita tentativa de vender a todos o marxismo como única forma de análise histórica. Ok. Agora não há mais como negar que o governo não se comporta como um planejador benevolente que maximiza alguma função de bem-estar social mas, pelo contrário, possui interesses muito estritos e que não condizem com a preferência da média dos seus eleitores (nos anos 90, um grupo de autores gaúchos havia denunciado para todo o país este fato em um livro que, não por coincidência, nunca foi reeditado). (*)

Isto, em si, já seria um problema para fazer despertar alguns gigantes. Mas há mais do que isto. Há o problema dos incentivos na correção. Afinal, se estamos falando de correção de provas, não existe isto de “não pode ter notas muito baixas” ou “não pode ter só notas baixas (altas)”. Tome-se como exemplo a questão: 2 + 2 = … , 100 alunos e todos dizem “5”. Pronto, acabou. É zero para os 100.

Sabemos (digo, hoje em dia, não apenas os especialistas sabem, mas sim todos os leigos), desde o divertido Freakonomics, que um problema sério quando o governo elabora provas é a inflação nas notas (grade inflation). Qual o risco do sistema de incentivos descrito na matéria gerar a inflação de notas? O leitor deve verificar por si mesmo na matéria e, claro, questionando os responsáveis do poder público.

Grande nota de rodapé

(*) Obviamente, se os eleitores não são todos marxistas, e se, também obviamente, a História se diz uma Ciência, é, no mínimo, razoável esperar que haja uma quantidade de teorias para se explicar a história que não seja igual ao conjunto unitário. Não é questão de se agradar eleitores, mas é, sim, questão de respeitar sua diversidade. De forma interessante, a Wikipedia brasileira (ou, como gostam alguns, lusófona), não pretende ser tão universalista em sua pretensão enciclopédica quanto outras (vide, por exemplo, a “anglófona”) quando se trata da filosofia da história, por exemplo.

Aliás, eu gostaria de ver um estudo sério sobre o viés ideológico na Wikipedia conforme as versões existentes (existe apenas este, aqui resumido, para a Wikipedia inglesa (ok, “anglófona”)). Será que os coordenadores conseguem, de fato, deixar de lado suas preferências ideológicas ao supostamente editarem os verbetes? Assim como todos nós, os coordenadores da Wikipedia são humanos e, portanto, falhos e auto-interessados. Nada há, em sua natureza humana, que os torne mais “neutros” do que os outros: depende dos incentivos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s