Friedman

Hoje é aniversário do Milton Friedman, lembram-me os amigos do Facebook. Bem, ele faleceu há algum tempo, mas se há alguém mais influente do que ele no século XX, em Economia, ainda estou para ver.

Milton Friedman foi um dos maiores economistas de nosso tempo. A metodologia de trabalho, seus estudos, etc, tudo isto poderia ser comentado aqui por dias. Entretanto, vou ser bem sintético. Para mim, a melhor contribuição dele depois do A Monetary History of the United States, 1857-1960 (escrito com Anna J. Schwartz) foi seu artigo The Role of Monetary Policy, de 1968.

Se você quer entender de Ciência Econômica com um exemplo de política econômica, este é O (maiúsculo) artigo que você deveria ler. Não porque Friedman seja um mito ou um Deus, mas porque, neste artigo, ele estabeleceu as bases (ou sintetizou muito bem, ou foi muito didático e claro, etc) para nossa moderna visão de política monetária.

Feliz Aniversário!

Anúncios

Propaganda e marketing

No Brasil ia ter “ociólogo” (thanks eterno, Gaspari), cronista socialista boa vida, editor de revista que já quis pena de morte para esquerdistas e ex-padre colunista fazendo escândalo. Contudo, na civilização, isto não é um problema. Então…

Japonesas usam pernas como espaço de propaganda.

 

Momento R do Dia

O momento R do dia é uma dica de como simular SARIMA no R. O prof. Boshnakov fez uma pequena rotina que se encontra aqui. Os usuários do R sabem que uma das grandes vantagens deste programa é poder usar rotinas que estão online, sem a necessidade de baixá-las mas, se você for neurótico como eu sou, vai fazer um copy-and-paste e salvar o script.

A importância do efeito riqueza

Renda, riqueza…afinal, qual a relação entre este fluxo e estoque? Tyler Cowen fala um pouco sobre o tema. Mais legal mesmo é ver como aqueles conceitos que muitos alunos não aceitam que façam parte do dia-a-dia (“isso é muito abstrato”, “meu avô disse que isso nunca apareceu no atacado dele”, etc) insistem em se fazer presentes em discussões importantes.

Claro, outro ponto bom a se destacar é o de como bons economistas usam conceitos sólidos e simples de maneira criativa. Aliás, todo bom profissional é assim.

post não é tão recente, mas com a internet instável que tive nas férias, não pude compartilhar este texto com vocês.

História Econômica da Escravidão

Antes de qualquer papo furado, vamos aos dados. Bem, história sem dados é igual a tese sem conteúdo ou cabeça sem cérebro. Quando o assunto é escravidão, então, nem se fala. Portanto, eis aqui um levantamento de dados interessante.

Jay-Z: o traficante que deu certo ou que deu errado?

Não conheço nada de hip-hop e afins, mas este artigo me fez pensar se o empreendedorismo do Jay-Z se desenvolveu a despeito de seu passado como traficante ou por causa dele. O que vocês acham?

No mínimo, é um destes cases que a patota deveria estudar em Administração (se é que já não o fazem). Muitas questões interessantes de microeconomia surgem da leitura deste texto. A diversificação dos negócios, o plano de negócios…

E tem gente que ainda pede “lei do governo” para fazer um show. É muita falta de criatividade o que, convenhamos, no mundo das artes, é um atestado de incompetência…

Para compensar meu silêncio…

Meus 6 leitores devem ter notado meu silêncio. Bom, em resumo, viagem e internet nem sempre combinam muito bem, logo, ficou bem parado este blog. Para compensar, alguns momentos R do dia para os amigos.

1. R salvando vidas

2. Consumo e Renda em renda…com séries de tempo irregulares

3. R e metereologia

4. Análise de discurso em “Os Simpsons”…com R

5. Excel e R: manipulando arquivos

Por enquanto é isto, pessoal. O trabalho acumulado aqui inclui uma imensa faxina e reorganização de papéis que Deus me livre…

Pobreza

Todo professor é pobre (basta ver o que dizem os sindicatos dos professores há mais de 50 anos). Até aí tudo bem. Agora, professor que gosta de estudar pobreza é masoquismo. Nesta categoria disfuncional se encaixam pesquisadores muito bons de serviço deste país selvagem. Alguns deles estão aqui. Quem me indicou isto foi um dos masoquistas, o Erik que, aliás, fez um ótimo manifesto para os supostos pesquisadores brasileiros.

IPCA

Meu aluno Fabiano me enviou uma previsão para a inflação de Junho, usando modelos ARIMA. Não vi o modelo, o script em R, mas eis o número: 0.2466. Ficou próximo, não? O problema é que ele me enviou no mesmo dia em que saiu o resultado. 

Fabiano, para valer mesmo, tem que enviar antes, né? Para Julho, envia com cinco dias de antecedência para a gente divulgar aqui com mais credibilidade.

As previsões estão sumidas…

O final do semestre tira tempo de professor que tem trabalho. Então, como já notaram meus seis leitores (sim, dobrou!), estive fora do ar com as previsões. Bom, ocasionalmente, voltarei ao tema já que tenho que preparar algumas aulas.

Incidentalmente (ou ocasionalmente, como queiram), tenho novas previsões da PIM-PF. Talvez publique em breve. A conferir.

A heterodoxia continua piorando a situação…

Mansueto alerta: não existe almoço grátis. As ruas protestaram contra a inflação de forma indireta e o governo tenta, de todo o jeito, sair do muro. Entretanto, a mensagem deles é: vamos aumentar a carga tributária e vamos gastar mais.

Como é que alguém que sabe somar e subtrair pode achar isso razoável?