É realmente o Samba ou é o fim do sistema de metas?

Alguns andam insinuando que tudo não passa de uma mudança técnica (a adoção do Samba), mas eu acho que o Samba é apenas uma boa notícia em meio a um turbilhão de más notícias que envolvem a capitulação não-assumida-publicamente do sistema de metas aos caprichos de grupos de interesse governamentais específicos.

Mas, claro, eu posso estar errado.

UPDATE: o link acima está incorreto (mas vale a leitura). O correto é este.

Rápidas matinais

Fala, Michael! Como é bom ser rico, né? Ainda mais quando você distorce os fatos para fazer documentários bombásticos. A fórmula? Misture fatos reais com descontextualizações forçadas para ser visto como um sujeito “honesto” (os fatos reais) e “gente boa” (falsificando os fatos). Um grande mentiroso à serviço…de quem mesmo?

Estudantes no século XXI bolivariano

Manchete alternativa? Não, a pura verdade. Alunos da USP querem um campus livre. Livre de instituições e leis. Não diferem muito dos traficantes que dominam morros. Aliás, tudo isso ficou evidenciado por conta de um flagrante policial de alunos com maconha. A classe estudantil financia o tráfico, não podiam mesmo querer outra coisa.

A USP foi atingida em seu coração. Vejamos se os professores abraçarão a demagogia ou se reagirão à altura. 

O mais imbecil é o uso de “slogans” da década de 60, associando policiais à tortura e à ditadura. Estes malucos nunca se deram conta que nasceram na década de 90, quando o Brasil já havia mudado? Que imbecilidade é esta de associar a segurança oficial no campus à ditadura? É este tipo de gente que não entende a mensagem dos dois “Tropa de Elite”. Tanto estudo de “humanas” para nada.

Dia do Funcionário Público

Como disse o Carlos Augusto, no Facebook:

Meus parabéns aos funcionários públicos só podem ser recebidos com pedidos em 3 vias autenticadas no guichê mais longe possível.

Tenho conhecimento de pelo menos seis (digo, sete) funcionários públicos que trabalham – e são críticos do estado de coisas que vemos há mais de 500 anos – e eles certamente entendem meu humor.

Em homenagem aos brasileiros, que contam com os supostos servidores públicos, eis algo interessante.

Didático exemplo de um trabalho em economia

Gostei deste artigo. Pode-se discutir vários problemas nele, mas o autor soube resumir o trabalho (suponho que seja um resumo de um trabalho maior) para o espaço disponível. Além disso, para quem gosta de pensar em problemas aplicados de economia, este é um bom artigo.

O tema? Descubra lá.

Expectativas Racionais – O Método dos Coeficientes a Determinar (ou Indeterminados)

Aos meus alunos do Ibmec, de todos os períodos – inclusive os que já passaram por minhas matérias, mas têm curiosidade sobre o tema – anuncio que nesta quinta-feira, de 13:00 às 16:00 h (aproximadamente, podendo se estender), farei uma aula expositiva sobre como resolver modelos com expectativas racionais em modelos econômicos.

Assim, vamos lá:

Aula Extraordinária e Opcional: Expectativas Racionais e o Método dos Coeficientes a Determinar

Objetivo:

Em geral, aprende-se na graduação apenas o básico de expectativas racionais. Entretanto, a prova recente da ANPEC é uma evidência de que pode ser útil saber mais do que o básico. A solução de um modelo com expectativas racionais  pelo método dos coeficientes a determinar ajuda no entendimento da mesma.

O conteúdo desta aula não será cobrado, neste semestre, em nenhuma das disciplinas de macroeconomia que ministro.

Pré-requisitos:

Não há mas, a sua dificuldade será maior se você:

a) não fez, pelo menos, duas cadeiras de Cálculo;

b) não seguiu a sequência de Macroeconomia até Macro III (ou está fazendo Macro IV ou equivalente);

c) não aprendeu a manipular o operador esperança em Estatística.

Preparo prévio:

Saiba e/ou recorde as operações com o operador esperança, em especial, a lei das expectativas iteradas (uma aula de menos de cinco minutos está aqui).

Se você já aprendeu equações diferenciais e já passou pelas equações em diferenças, recorde o método dos coeficientes a determinar (veja, por exemplo, o tópico nesta apostila).

Bibliografia (provisória):

Macroeconomia (10a edição), p.545-6. (autores: Rudiger Dornbusch, Stanley Fischer & Richard Startz).

Manual de Macroeconomia da USP, cap.14, tópico “Expectativas Racionais”.

Monetary Economics – Theory and Policy, cap.8. (autor: Bennett T. McCallum).

Prova de Macroeconomia da ANPEC (2012), em especial, a questão 14.

Obs: Como esta aula é extraordinária, não farei aviso formal sobre o tema. Um recado já foi colocado na intranet da faculdade.

Obs 2: Não venha a esta aula se realmente não quiser aprender. A aula será ministrada mesmo que só haja um aluno. Quantidade não é o problema, qualidade, sim.

A nova Líbia

A mulherada feminista deve estar pulando, mas não de alegria.

Mr Abdul Jalil said the new Libya would take Islamic law as its foundation. Interest for bank loans would be capped, he said, and restrictions on the number of wives Libyan men could take would be lifted.

He thanked all those who had taken part in the revolution – from rebel fighters to businessmen and journalists.

O homem da pistola de ouro

Então o ditador foi morto. Provavelmente uma execução sumária. Entretanto, nossos “formadores de opinião”, tão alertas no caso do fascínora Osama, ainda não protestaram contra a mesma prática na Líbia.

Bem, um a menos. A mensagem para os ditadores teocratas ou não é clara: você também tem sangue vermelho nas veias e pode ser executado. Uma lição, senão me engano, hobbesiana.

Mansueto explica o fetiche da mercadoria do governo

Como todos sabemos, sem qualquer explicação lógica, desde que os búlgaros tomaram de assalto nossas instituições (inclusive as esportivas), o governo se vê preso a um discurso que eleva o Ipad a status de vaca sagrada. Parece até que se renderam à imagem de Steve Jobs ou foram comprados pela propaganda “estadunidense”.

Mas, quando se procura uma lógica, eis que Mansueto não encontra. Em meio à sua busca, aliás, ele encontra outra explicação, bem mais plausível.