Uncategorized

Eis um verdadeiro estudo de história econômica

Muito bacana o esforço do autor em construir séries históricas para Brasil e Argentina nos idos dos 1890…

É um artigo versão WP, de 2001, mas me alegrou pela descoberta. Eis o resumo:

This paper assesses the role of international markets in the Brazilian financial crisis of 1891/92 (the “crack” of the Encilhamento). It looks for the impact of the Argentine default in 1890 (the Baring crisis) on Brazilian access to capital markets. The history of bond yield fluctuations in London for Brazilian and Argentine debt, exchange rates, data on investment flows and archival and journalistic accounts reveal a close congruence between the Argentine and Brazilian crises. The effects of the Argentine experience carried over to Brazil because the open capital and money markets of the period easily transmitted crisis from one economy to another and because fundamental conditions in both economies rendered them similarly vulnerable to fluctuations in capital flows. The paper raises this case as a precedent for the contagious financial crises that emerging markets faced at the end of the twentieth century.

É bacana, não? Mais artigos bacanas aqui.

Uncategorized

CVAR vs DSGE

Roseli está convergindo para a metodologia de Copenhagen. De certa forma, eu tendo a concordar com ela, embora, para ser honesto, nunca tenha trabalhado com um DSGE.

Roseli e eu temos estado em sintonia econométrica em várias ocasiões, com um lapso de tempo de 10 anos no qual ela evoluiu e eu fui trabalhar com probits e painéis simples. Paguei meu preço (e tive minhas recompensas, claro!). Agora, neste retorno ao mesmo assunto de nossas discussões de mais de 10 anos na cantina da FEA (ou na sala de estudos, ou nos corredores, ou antes da cerveja da noite na sexta-feira), descobri que, divergências políticas à parte, esta cabeça-dura lomográfica continua lutando para que a macroeconomia econométrica seja mais séria do que o que se encontra por aí.

Uncategorized

Eviews e R

Eis aí as diferenças para um caso bem simples: estimação de modelos SARIMA.

Para os leitores menos familiarizados, recomendo a leitura. Até porque a discussão é importante. Afinal, se programas usem algoritmos diferentes e, além disso, métodos diferentes (OLS não linear, Máxima Verossimilhança), então você, aluno de graduação preocupado em fazer uma boa estimação para um trabalho qualquer, tem que prestar atenção a este tipo de detalhe.

É um post interessante e didático. Vale a leitura.