Uncategorized

Nobel para microfundamentos!

Pronto, pronto. Quem ganhou o Nobel foram os microfundamentos da macroeconomia. Excelente escolha! Os pesquisadores de economia do trabalho devem estar exultantes, não?

Trecho do anúncio:

This year’s three Laureates have formulated a theoretical framework for search markets. Peter Diamond has analyzed the foundations of search markets. Dale Mortensen and Christopher Pissarides have expanded the theory and have applied it to the labor market. The Laureates’ models help us understand the ways in which unemployment, job vacancies, and wages are affected by regulation and economic policy. This may refer to benefit levels in unemployment insurance or rules in regard to hiring and firing. One conclusion is that more generous unemployment benefits give rise to higher unemployment and longer search times.

Ótimo, não?

Uncategorized

O fim dos “heterodoxos da Nova Era”

O trecho abaixo me faz pensar em ler o livro citado por Caplan (mas não posso gastar mais com livros…tenho que ler o meu estoque atual):

The authors go on to ridicule irrelevant brain scan rhetoric, myths about subliminal persuasion, and claims that you can improve your general mental ability withspecific mental exercises.  Instead, they argue that recent experimental psych confirms the century-long literature on Transfer of Learning.  Contrary to popular belief and desperate teachers of irrelevant subjects, learning is highly specific.  The way to get good at X is to extensively practice doing X.

A correlação entre pterodoxia e estes “pensadores” heterodoxos da New Age com suas exóticas (e, agora, comprovadamente estúpidas) teorias sobre como alguém pode ser mais inteligente com pouco esforço sempre foi alta. Dado o debate econômico atual, este livro deveria ser traduzido e forçado goela abaixo de muitos supostos economistas…

Uncategorized

Autoridade fiscal central?

Difícil imaginar uma sugestão como esta em países institucionalmente subdesenvolvidos como  os da América Latina, mas é interessante pensar nisto.

Curioso também é pensar que a política monetária avançou muito mais do que a fiscal, em termos institucionais. Temos autoridades monetárias bem mais eficientes do que as autoridades fiscais. Talvez seja pelo fato de a autoridade fiscal ser, na verdade, várias autoridades (gastos municipais, estaduais, federais).