Uncategorized

Legendas para fotos

https://i2.wp.com/farm3.static.flickr.com/2135/2202680283_178fc2f770.jpg
http://farm3.static.flickr.com/2135/2202680283_178fc2f770.jpg

Direto do Kirainet.

Sugestões de legenda:

– Por que uma galinha atravessa a rua?

– Para comer udon na barraquinha do tio.

Mais sugestões?

Anúncios
Uncategorized

E não é que ganhei outro livro?

Devo estar ficando velho. Ou bonzinho. Ou então, quem sabe, é mesmo uma boa notícia. Como já sou velho e não sou bonzinho, suspeito que o livro que ganhei de presente hoje de um aluno (mais um, em uma semana!) com uma mensagem de agradecimento muito, mas muito bacana é, de fato, uma boa notícia.

Esta profissão de professor não é diferente das outras: há problemas de todos os lados mas os alunos têm sempre uma vantagem consigo: a juventude e o tempo para gerenciá-la. Erros de hoje podem ser corrigidos e você sempre pode melhorar. Nós, mais velhos, nem sempre somos jovens, embora, talvez, seja correto dizer que sabemos como aproveitar o tempo que nos resta (mesmo que alguns escolham aporrinhar a vida de terceiros…).

Fico feliz em receber este presente, um livro que, certamente, vou ler. Primeiro, vou colar a carta do aluno no livro para nunca esquecer da origem deste momento de alegria. Segundo, obviamente, vou ler cada página do mesmo.

Renato, eu é que agradeço a consideração. É bom saber que alguma coisa boa foi criada nesta convivência. Se o aprendizado saltou para um degrauzinho superior que seja, já é algo extremamente útil.

Uncategorized

Esta vai doer no orgulho (se é que algum há) da arte engajada

Sensacional discurso do sr. da Silva. Destaco o trecho – comentado – abaixo.

O trecho está truncado, mas é exatamente o que parece ser: “Se não for demais, todos vocês aqui conhecem, estou vendo artistas importantes aqui. Vocês que, de vez em quando (inaudível), quando vocês quiserem (inaudível), vocês batam uma palminha que eu desço para pegar aqui o meu cofre.” É isso: basta que os artistas batam uma palminha para Lula — e boa parte bate sem problema; até toca flauta, se preciso —, e ele vai ao cofre. “Ah, Reinaldo, não tem jornalista que faz o mesmo?” Sim, aos montes.