Uncategorized

Nossa economia é igual à dos EUA?

Em reunião ministerial,os senhores ministros foram incentivados a gastar mais; e os bancos oficiais foram compelidos a reduzir suas taxas de juros, para incentivar o consumo. Também aqui, o neo-keynesianismo parece começar a se impor.

O problema é que, nos EUA, que emitem o meio circulante mundial, o neo-keynesianismo não põe em risco o balanço de pagamentos. Aqui é diferente. Um excesso de gastos, tanto público como privado, tem conseqüências. Ou ele aumenta o déficit em conta-corrente do balanço de pagamentos, ou aumenta a inflação. Ou, o que é pior, mais cedo ou mais tarde produz simultaneamente os dois efeitos.

Roberto Fendt, sobre a crise.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s