Uncategorized

Sobre a crise

Em resumo, eu diria para lerem a última opinião deste post. Foram oito anos para se ajustar (mais do que Geisel teve quando decidiu pela loucura do “II PND eterno”, expulsando Simonsen e trazendo o “milagreiro” Delfim). Oito anos. As reformas foram feitas? Que reformas? O que as reformas promovem?

Eis as questões que os brasileiros, estes eleitores mesmo, terão que enfrentar futuramente. Além do voto em um ou dois dias a cada quatro anos, esta gente tem encarar o que vem por aí. Por enquanto, a escolha populista, pouco informada, vence por larga margem. Tem gente que pretende ver nas ações do FED – por mais desastradas que sejam – algo similar às estatizações bolivarianas de Chàvez, Morales (e também a dos sonhos de muita, mas muita gente mesmo, da administração da Silva).

Neste ponto vale uma aula simples: uma coisa é o Banco Central ser mais ou menos intervencionista (e minar, sim, incentivos bons gerando risco moral e tal). Outra coisa é o governo fazer estatizações sem crises, sem motivos e com objetivos puramente totalitários, de concentração de poder. Se o FED estatizou tal e qual seguradora…e depois vende-a novamente em alguns anos, pergunto ao leitor: Chávez fará o mesmo? Quando será a venda de suas estatizadas? Já tem anúncio no jornal?

Ah, bom…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s