Uncategorized

Negociar com ditaduras vale a pena?

O caso norte-coreano mostra o quão estúpida pode ser a negociação externa republicano-democrata do governo dos EUA. Cada vez mais parece-me que com ditadores não há conversa. Ou você apenas mantém relações econômicas com eles – e que os interessados cuidem do ditador – ou então você parte para uma política preventiva com algum tipo de ação militar rápida e eficaz.

A Coréia do Norte segue sendo o maior fiasco do socialismo e, também, a mais estúpida das economias que já existiram na Terra.

Uncategorized

Sobre a crise

Em resumo, eu diria para lerem a última opinião deste post. Foram oito anos para se ajustar (mais do que Geisel teve quando decidiu pela loucura do “II PND eterno”, expulsando Simonsen e trazendo o “milagreiro” Delfim). Oito anos. As reformas foram feitas? Que reformas? O que as reformas promovem?

Eis as questões que os brasileiros, estes eleitores mesmo, terão que enfrentar futuramente. Além do voto em um ou dois dias a cada quatro anos, esta gente tem encarar o que vem por aí. Por enquanto, a escolha populista, pouco informada, vence por larga margem. Tem gente que pretende ver nas ações do FED – por mais desastradas que sejam – algo similar às estatizações bolivarianas de Chàvez, Morales (e também a dos sonhos de muita, mas muita gente mesmo, da administração da Silva).

Neste ponto vale uma aula simples: uma coisa é o Banco Central ser mais ou menos intervencionista (e minar, sim, incentivos bons gerando risco moral e tal). Outra coisa é o governo fazer estatizações sem crises, sem motivos e com objetivos puramente totalitários, de concentração de poder. Se o FED estatizou tal e qual seguradora…e depois vende-a novamente em alguns anos, pergunto ao leitor: Chávez fará o mesmo? Quando será a venda de suas estatizadas? Já tem anúncio no jornal?

Ah, bom…

Uncategorized

Aqueles analistas ainda falam maravilhas dele?

Com atos interessantes como este, Chávez tem sido (embora mais discretamente agora…) alvo de elogios de sociólogos e cientistas políticos nos programas de TV paga. Esta gente (a banda podre deles, não todos) adora falar mal de economista porque economia é uma “ciência humana” e “ser humano vai além da maximização”. Coisa de analfabeto mesmo.

Mas o que dizer quando esta bovinidade (ou cavalidade) se expressa de maneira ultra-elogiosa em relação a um presidente eleito que persegue opositores (não, não, não é Hitler, mas…) e depois se cala? Para mim, é pior que errar uma previsão. É ter um palpite ruim, torná-lo um argumento de autoridade e depois não ter – como se diz mesmo? – culhões (na falta de uma palavra mais bonita) para assumir que vomitou excrementos em sua análise mal fundamentada e muito ideologizada.

Dá vontade de dizer aos hipócritas: “Parabéns, senhores. Pena que comparar gente séria com os senhores seja ruim porque estaríamos observando o limite inferior da distribuição, se é que me entendem”.

Uncategorized

Ainda o monopólio dos correios

Excelentes comentários dos amigos.

Agora, minhas pontuações:

a) se existissem várias empresas de correio, o poder de monopólio seria menor

b) email, celular, ok…mas são substitutos imperfeitos do correio.

c) inspirando-me no Teorema de Coase: por que o contrato não é escrito de outra forma? Na minha opinião, poderia ser algo como: a empresa responsável pela entrega da conta deve garantir que a mesma será entregue ao destinatário até a data do pagamento (um dia antes, né?). Caso contrário, deve reportar o ocorrido, efetuar o pagamento e, posteriormente, cobrar do destinatário o ressarcimento.

d) Outra sugestão: ao invés de (c), cobre-se a multa da transportadora, não de quem não recebeu a conta.

A pergunta é: por que um contrato assim não existe? Simples relação de custo-benefício ou há algo político nisto tudo?