Uncategorized

Mais reflexões sobre arte e pipocas (pipocas?)

Eis o quadro que me inspirou em minha monografia de graduação. Em que estaria pensando o figurinha nietzsche-wagneriano aí acima?

Sugestão 1: Como é que eu faço para descer daqui?

Sugestão 2: Se isto é análise fundamentalista, então eu sou um pato!

Sugestão 3: O melhor de tudo é imaginar o xixi na cabeça daquele sujeito láááá embaixo.

Sugestão 4: Foi aqui mesmo que a menina da sala de bate-papo disse que era para a gente se encontrar?

Sugestão 5: Finalmente achei meu equilíbrio! Pena que não posso mais sair daqui…

Sugestão 6: Peraí…ponto de sela….opa…quase escorreguei!

E sua sugestão?

Anúncios
Uncategorized

Quem veio primeiro: o ovo ou a galinha?

Pairwise Granger Causality Tests
Date: 08/27/08   Time: 14:51
Sample: 2006M01 2008M03
Lags: 2

Null Hypothesis:                                               Obs    F-Statistic    Probability

CHICKENS does not Granger Cause EGGS            25     6.36383     0.00726
EGGS does not Granger Cause CHICKENS                      0.25971     0.77383

Dados do IBGE e replicando – inclusive no humor e na falta de rigor – o clássico de 1988:

Chickens, Eggs, and Causality, or Which Came First? – Walter N. Thurman and Mark E. Fisher
Source: American Journal of Agricultural Economics, Vol. 70, No. 2, (May, 1988), pp. 237-238

Uncategorized

Enquanto cristãos brasileiros recorrem ao Estado para promoverem suas “crenças”…

Gwartney mostra que outros cristãos são possíveis.

Quando as decisões são tomadas politicamente, as visões minoritárias, geralmente, são suprimidas. Por exemplo, em uma escola pública, a maioria decide se serão permitidas orações, se haverá aulas de educação sexual e qual deverá ser a ênfase nas habilidades básicas. Aqueles que não concordam com a decisão deverão desistir ou então pagar duas vezes pela educação, uma vez nos impostos e outra nas mensalidades da escola privada.

Um sistema de mercado permitiria que cada minoria fosse representada. Por exemplo, sem interferir na liberdade dos outros, alguns pais poderiam enviar suas crianças para escolas que permitem orações. Cristãos praticantes, que freqüentemente se encontram em minoria, deveriam apreciar esse aspecto do capitalismo, que permite que pessoas tenham objetivos diferentes sem conflito ou rancor.

Será que sobreviveremos ao catolicismo brasileiro?

p.s. outros religiosos podem adaptar suas perguntas a seus credos. Basta lembrar do “brasileiro” para distinguir a religião entre os selvagens da religião nos países mais tolerantes.

Uncategorized

Legendas modernas para pinturas seculares

O quadro acima é uma pintura do famoso Musashi. Em que pensaria o monge?

Sugestão 1: “Anistio o galo que bicou o outro ou o outro que bicou o primeiro?”

Sugestão 2: “Arrisco no galo mais forte ou no mais rápido?”

Sugestão 3: “Acho que umas coxinhas seriam uma boa…”

Sugestão 4: “Einstein ou Newton?”

Sugestão econométrica (time series’ version): “Slutsky ou Yule?”

E a sua sugestão?

Uncategorized

Não dê esmola a governos

Foreign aid and growth
Mehmet Eris
Organisation for Economic Co-operation and Development
Abstract
Burnside and Dollar (2000) (BD) ignite a policy debate by claiming that foreign aid works only in good policy environments. This result, however, has been criticized by a number of studies on numerous statistical grounds concluding that the BD result is too fragile. I revisit the aid-growth relationship using Bayesian Model Averaging techniques to account for uncertainty issues regarding model specification. I find that the data evidence does not support the claim that aid works only in good policy environments. My analysis also suggests that aid flows are not very effective in boosting growth regardless of the quality of the policy environment.