Uncategorized

Por que a correlação não importa

Veja esta notícia. Após cinco parágrafos onde se fala dos possíveis efeitos da TV – em termos de programas como O.C. ou The Bachelor –  na atitude dos adolescentes, no último e derradeiro parágrafo (1/6 do texto), o blogueiro finalmente fala sério:

The research was correlational, so as the researchers acknowledged, rather than TV shows affecting teenagers’ attitudes, it’s perfectly plausible that teenagers with traditional attitudes toward gender roles simply tend to favour watching shows like the O.C.

Quantas vezes já não li na imprensa nacional um monte de traduções de matérias curtinhas que falam de resultados “científicos” baseados em uma única correlação? O que diriam estes tradutores-jornalistas-editores se alguém lhes disesse que há uma correlação entre “escolher jornalismo” e “assistir filmes pornôs em excesso”? Telhado de vidro, né? Por isto é bom sempre lembrar que uma correlação não importa.

Note bem, leitor, a história não pára nas pitorescas histórias envolvendo preconceitos de psicólogos contra a televisão. Há muita matéria de economia que parece ser escrita por alguém que parou o curso de estatística na correlação. Há de se ter cuidado ao ler estas coisas…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s