Uncategorized

Parabéns

Alguns alunos nossos passaram na prova para o estágio no Banco Central do Brasil. Bom, alguns deles  foram meus alunos em Teoria dos Preços e passaram direto. Não vou dizer que é uma sinalização óbvia, mas sei que esforço, competência e bons resultados transparecem em cursos nos quais você é, realmente, exigido.

p.s. dica da Ruth.

Anúncios
Uncategorized

O ocaso do bolivarianismo soviético?

Não sei como anda a Universidade Pratice Lumumba hoje. Olhando na wikipedia, dá para ver que, entre seus ex-alunos notáveis, está Carlos o Chacal; Mahmoud Abbas, dirigente do Fatah; Aziz al-Abub, psiquiatra e torturador do Hezzbolah; o espião da KGB Yuri B. Shvets, hoje refugiado nos Estados Unidos; e a linguista brasileira Lucy Seki, que depois completou seu doutorado na Universidade do Texas. Com o fim da União Soviética, além da mudança de nome, o curriculo também mudou, e a doutrinação leninista foi substituida por cursos de administração de empresas, entre outros. Há alguns anos atrás, a universidade foi palco de ataques racistas violentos contra africanos e orientais, que revelaram o isolamento e as péssimas condições de vida dos estudantes de terceiro mundo que ainda se aventuravam por lá.

Bonito, heim?

Uncategorized

Filosofisociomania: um breve estudo de caso

Pedro Sette tem uma opinião muito bacana sobre isto, aqui. Acho que jamais será lida ou refletida sob o ideal platônico em sala de aula do ensino médio. Talvez algum professor pop tente dizer que usou o texto em sua aula na qual promoveu a maior doutrinação da meninada. Será que algum professor desta nova categoria de empregos “criados-pela-pena-da-lei” usaria a crítica de Pedro Sette de forma honesta em sala de aula?

Será que uma sala de aula é um espaço da polis? Existe paidea lá? Ou são apenas relações de exploração (sexual-doutrinária) de alunos por parte de professores (ou padres)? Qual é o sentido da vida? Eram os Deuses (deuses, na era pós-Nietzsche) astronautas? Se eram, a quem serviam? E quem financiou a construção das pirâmides do Egito? O contribuinte?

Nenhuma destas perguntas faz sentido. Aliás, você só as entende se estiver bom em Língua Portuguesa e, creio, Matemática.