Uncategorized

Democracias menos liberais são também as mais falidas – A cultura

Leitores que acompanham a série de discussões que tenho feito aqui sobre os motivos da maior ou menor falência dos estados já sabem que toda esta conversar tem um pouco a ver com outro ponto (também explorado aqui): empreendedorismo.

Pois muito bem. Há um grande problema quando se discute “cultura”. Entretanto, os estudos de Claudia Williamson (que descobri graças aos bons economistas austríacos da SDAE) mostram como economistas encaram o tema. Meus orientandos de monografia (os que forem espertos) provavelmente já perceberam que, conforme os temas de seus trabalhos, devem tabular duas bases de dados que a boa autora disponibilizou em sua página. A mais ampla está em seu artigo “Institutional Arrangements and Economic Performance: The Relationship between Formal and Informal Institutions,” 2007. A outra está em: “Securing Private Property: The Relative Importance of Formal versus Informal Institutions”, 2007 .

Avançando um pouco, a profa. Williamson define instituições informais (nossa “cultura”) usando o World Values Survey, criando uma variável a partir dos seguintes componentes: trust, respect, self-determination e obedience. O texto original no qual se baseia é do Tabellini, sobre cultura e instituições na Europa. Grande parte dos valores pode ser pensada como o “estoque cultural” de cada país em 2000. Já falei um bocado sobre o problema de se discutir cultura – um conceito bastante dinâmico – desta forma, mas sigo a boa literatura mundial para que possamos iniciar o diálogo. Antes de prosseguir, e as instituições formais? Para esta, ela usa o famoso ICRG (International Country Risk Guide), comum nos estudos do ramo.

Bem, tentarei matar a curiosidade dos leitores que acompanham as duas discussões com as figuras abaixo.

A variável “formal_minus_informal” é a diferença entre as instituições formais e informais de um país. A profa. Williamson crê que instituições informais sejam mais importantes para o crescimento do que as formais. Nossa primeira figura (a da esquerda) mostra que a falência estatal está relacionada a sociedades mais “formalizadas” por assim dizer, o que é compatível com sua hipótese. Já na figura da direita nota-se uma relação curiosa entre a tal taxa de empreendedorismo do GEM e esta mesma variável. Há menos países na amostra e, como já disse antes, mais empreendedorismo não é, de forma alguma, sinônimo de mais crescimento econômico, per se. É necessário estudar melhor as relações causais entre instituições e empreendedorismo (falávamos de rent-seeking outro dia, não é?).

Para os que acompanham este debate, uma pergunta simples: o que acham do que temos até agora? Comentários? Particularmente, acho que toquei em diversos pontos fracos destes debates. Também acho que várias perguntas surgiram. Tenho vários alunos fazendo monografias em temas correlatos. Creio que, quanto mais gente pensando nestes temas, melhor.

p.s. Sim, o Brasil está em todas as amostras até agora. Tá curioso? Aguarde…

Um comentário em “Democracias menos liberais são também as mais falidas – A cultura

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s