Uncategorized

Clássicos do cinema

Toshiro Mifune na versão – inesquecível – de 1958 da história de Muhoumatsu (Muhoumatsu no Issho). Acho que ganhou o Leão de Ouro. É praticamente impossível achar o filme para comprar em DVD, com legendas. Direção de Hiroshi Inagaki.

Anúncios
Uncategorized

Bruno Salama explica a relação entre Economia e Direito

Excelente entrevista. Poucos são suficientemente honestos para reconhecer os benefícios da interdisciplinaridade (na selva brasileira). Salama parece ser uma exceção à regra. Aos poucos, claro, a academia brasileira começa a trabalhar com Law and Economics. Veja, por exemplo, a ALACDE.

Uncategorized

Sua filha está com DNV: o que fazer? Lições bestas para gente que acredita em sabedoria de boteco

E quando um aluno está com distonia neuro-vegetativa (DNV)? Da monoqueixosidade à poliqueixosidade do ser aluno: um estudo de caso. Eis aí um bom artigo que bem poderia ser um dos meus famosos joking papers. Depois que outro médico falou aí de oligoqueixosidade, eu já fiquei animado com as infinitas possibilidades de pesquisa neste maravilhoso mundo pós-moderno onde qualquer birra de criança ganha um nome pomposo e bonitão, com cheiro de científico.

A velha mania de se criar taxionomias para o que já tem nome (e faturar em cima disto…). Garanto que há um pouco disto nesta história toda (eu mesmo já penso em palestrar sobre o tema e faturar uns cobres). E até já imagino como seria o futuro diálogo entre um pai de uma aluna e um diretor de uma faculdade, após um piti da mesma.

– Minha filha deu problema ontem? Foi por isso que me chamaram? Ela feriu alguém!?

– Calma, não houve vítimas de agressão física e conseguimos conter os meninos com déficit de atenção que ameaçaram processá-la. Não se preocupe. É apenas um caso de distonia neuro-vegetativa.

– Que confusão! Meu Deus! Mas é esta tal de distonia aneurisma…é grave?

– …neuro-vegetativa. E, não, não é tão grave. Mas é necessário que se tenha certos cuidados, o senhor sabe…

– Mas, diretor, o senhor acha que é preciso medicação controlada?

– Talvez, mas o senhor pode cuidar bem disto sozinho.

– Preciso pagar um adicional para a faculdade? Não, não me diga isto, já estou apertado este mês, com os impostos…

– Não, não, o senhor não precisa gastar nada. Basta que o senhor dê mais atenção à menina. Os sintomas de DNV são bem conhecidos e sua filha não é a única.

– Que alívio…

– Olha, o senhor só precisa educá-la de uma forma distinta.

– Como faço isto?

– Tente ouvir mais o que ela diz, prestar atenção nos amigos com quem anda, interagir mais e entender o que é que a perturba. Cuidado para não criar nela uma síndrome de déficit de atenção. Excesso de atenção gera, paradoxalmente, este problema nos meninos desta idade.

– Como assim?

– É que os meninos aprendem, o senhor sabe. Percebendo que recebem atenção, fazem o máximo para dizer que não recebem atenção, para ter mais. Aí, normalmente, vira um aluno oligoqueixoso ou, em casos mais sérios, poliqueixoso.

– Já entendi. Meu Deus, vou ter trabalho. Agora minha filha pode ser uma poliqueixosa compulsiva com síndrome deste tal de déficit de atenção…
– …ou com superávit de pretensão.

– Nossa, diretor, assim o senhor me espanta. O senhor é médico também?

– Não, não. Mas eu me informo. Sabe como é. Hoje em dia, na pós-modernidade, qualquer espirro ganha um destes nomes bonitos que não acrescentam muito exceto quando um grupo de “doentes” passa alguma lei estranha pedindo privilégios do governo…

– Este tal de DNV é simples de se tratar?

– Olha, é sim. No meu tempo, bastava uma boa demonstração de limites para o menino que isto funcionava. Hoje em dia, alguns gurus da pedagogia acham que fazer Pilates ajuda, mas eu sempre acho as opiniões destes gurus altamente duvidosas…

– Outro dia um deles falou de uma tal de dieta do sol.

– É, eu já vi um falar do cogumelo do sol.

– Nossa, diretor, o senhor me deu um susto. Mas já sei o que fazer. Entendi o problema e já sei como resolver.

– O senhor já teve experiências similares?

– E como! Tô cheio de ouvir minha sogra poliqueixosa lá em casa.

É isso aí, gente. Qualquer dia eu escrevo um manual de auto-ajuda para pais desesperados com o DNV, a oligoqueixosidade, a poliqueixosidade e outros males que compõem o festival de besteiras que assola o ensino brasileiro.