liberalismo · pobreza · saúde privada

Provisão privada de um bem público

Eis algo interessante:

The Free Clinic movement is living embodiment of many conservative principles: the principles of subsidiarity and voluntarism, the spirit of enterprise and of community self-reliance. As health care becomes more and more of a national concern, if people are truly concerned about the less fortunate, there should be a population explosion in the number of free clinics around the country. (…)


Free Clinics are private, non-profit organizations that provide medical, dental, pharmaceutical and/or mental health services at little or no cost to low-income, uninsured and underinsured people. These clinics are truly free – both to their clients and to the taxpayers.

Unlike federally-qualified so-called “free clinics”, they do not submit receipts to Medicare or Medicaid for reimbursement. St. Luke and the other authentic Free Clinics in Virginia do not submit bills to anybody for reimbursement.

Corrupção · Economia do Crime

Nem em paridade do poder de compra…

…você consegue igualar os valores de um “suposto” mensalão (lembra dele?).  Não, sul-coreanos, não tentem desafiar a potência brasileira. A corrupção na autoridade fiscal sul-coreana é de proporções escandalosas (para não-selvagens).

If Jun is convicted of all charges, he faces at least seven years in prison.
With the warrant, the prosecution escorted Jun to the Busan Detention Center last night.
Jun is suspected of receiving a total of 50 million won ($55,078) and $10,000 in cash from July last year to January this year in five payments from a subordinate who had sought to buy a promotion. Chung Sang-gon, then the head of the tax office in Busan, testified earlier that he paid the bribes to Jun.
At Jun’s order, Lee Byeong-dae, the current head of the Busan tax office, had visited Chung, who is already in detention, and tried to persuade him not to testify against Jun, prosecutors have said. Lee met with Chung twice, on Aug. 20 and in early September, the prosecution has said.

Como se vê, não é só na selva que a corrupção e a autoridade tributária (fiscal) se atraem. Trata-se de uma lei universal: onde há recursos obtidos de forma coercitiva (mas legal), há gente querendo meter a mão. Mas, cá para nós, o Brasil, um país de tolos, é bem mais competente na forma de se destruir a vida alheia. Faz sentido: não temos furacão, maremoto ou terremoto. Como é que seríamos punidos sem catástrofes naturais? Resposta simples: pela mão do próprio homem. Homem Macunaímico, devo dizer.

economia dos esportes · incentivos

Incentivos: perguntas para você

Considere o seguinte:

A Portuguesa ganhou aliadas poderosas para voltar à elite do futebol brasileiro: as padarias paulistas. Diretores do sindicato e da associação das panificadoras (Sindipan e Aipan) fundaram um movimento para ajudar o clube a fugir da grave crise financeira. “É o PPP, Padarias Pró-Portuguesa”, explica Antero Pereira, presidente do Sindipan e da Aipan.

Mais de 50 padarias já aderiram ao projeto. “Mas é pouco ainda, já que temos 4 mil panificadoras em São Paulo”, lembra Pereira, torcedor da Lusa desde 1968 – “quando cheguei ao Brasil, com 14 anos”. Cada padaria entrará com um valor mínimo de R$ 250,00 – alguns torcedores, garante Pereira, já falaram em contribuir com R$ 1 mil. Um prêmio para os jogadores caso o time consiga o acesso à Série A. “Mas vamos pagar independentemente se a Portuguesa subir ou não”, fala Pereira. “Sabemos dos problemas do clube e vamos ajudar financeiramente, para a Lusa voltar a ser um dos maiores (clubes) de São Paulo”, acredita. 

Perguntas: (i) você acha que pagar algo desvinculado ao desempenho é um bom incentivo? (ii) faz diferença, para sua resposta anterior, se o valor está abaixo de algum mínimo ou não?

Espaço aberto para respostas nos comentários.

bem-estar · Corrupção · economia da violência · Economia do Crime

O uso do conhecimento

Insumos em uma função de produção de crimes: exemplo brasileiro. Sim, produz-se algo, é verdade. Mas pense bem: produz-se um mecanismo de redistribuição de recursos na economia não-baseado na eficiência da alocação dos recursos. A diferença entre isto e o governo é que aceitamos, geralmente, as distorções geradas pelo governo por via do voto e de nossa visão de que o sistema político pode ser algo interessante para nossa vida.

Já disse isto muito aqui: a alocação de recursos pode se dar de três formas: trocas voluntárias (mercados), trocas involuntárias sob coerção legal (governo) e trocas involuntárias sob coerção ilegal (violência).

Claro, há tipos intermediários, mas esta é a tipologia básica.

desenvolvimento · economia · Petróleo · política cambial · Política monetária

Porque os empresários amam o câmbio livre e valorizado.

A explicação é simples: graças a ele, o insumo-vilão de todo discurso de empresário, o petróleo, está barato. Agradeçam ao Banco Central, meninos.

Claro, agradeçam também à visão de mercado dos gestores do BCB, principalmente na época do governo Cardoso, quando o câmbio começou a flutuar “sem medo de ser feliz”.

Humor · off-topic

The Great WHEEL of China

Next tourist draw: Great Wheel of China
BEIJING – YOU have climbed the Great Wall of China, now Beijing wants you to ‘fly’ the Great Wheel of China.When completed in 2009, the 208m-high Beijing Great Wheel will be the world’s tallest and largest ferris wheel.It comprises 48 air-conditioned observation capsules, each of which can carry up to 40 passengers. On a good day, the Great Wall is expected to be visible in the mountains to Beijing’s north.

‘The wheel itself is a nice add-on to the city. It’s a new icon for the city,’ Great Wheel Corp chief executive officer Stephan Matter said yesterday ahead of the ground-breaking ceremony.

The wheel will stand in eastern Beijing’s Chaoyang Park, where beach volleyball events will take place at next year’s Olympics.