ação coletiva · economia · rent-seeking · sindicalismo

Onde estão os movimentos “populares” nestas horas?

De acordo com a Constituição, se a sindicalização é livre, como admitir que cidadãos que não participam de um sindicato sejam obrigados a contribuir para o mesmo, descontando parte de seu salário, como manda a regulamentação do citado Imposto Sindical? Ao aceitar o Imposto Sindical, o sindicato atrela-se ao Estado, perdendo, de certa maneira, sua autonomia. Sindicato, para ser independente, tem que viver da contribuição de seus associados, exclusivamente. Além do mais, poucos são os sindicatos que prestam, realmente, algum serviço a sua categoria respectiva. Firma agrícola, em que trabalho, paga a contribuição anual sindical à respectiva entidade patronal sem nunca ter recebido qualquer serviço da mesma, nem do sindicato da categoria.

Incrível mesmo é que a CNBB, a UNE, a CUT, etc, todos eles, estão bem menos barulhentos hoje em dia. Nenhuma palavrinha – nem mesmo um sussurro – de protesto contra o “peleguismo”. Deve ser alguma coincidência cósmica. Leia todo o artigo aqui. ^_^

consumo · economia · Taiwan

Preferências das consumidoras taiwanesas

23-year-old Chen Yi-zhen reached her life-long goal of pure whiteness on Friday, according not only to news sources but also the national meteorological service, which spotted Chen on its satellite scan of the island late last night. Roughly 80% of women in Taipei have a similar goal, and spend billions each year in pursuit of whitening their skin in order to seem more attractive, but Chen is the first to actually achieve pure, unadulterated whiteness. Her co-workers were both dismayed and surprised to discover the beams of pure whiteness coming from her cubicle. “I just know she’s going to get that promotion now,” Zhuang Shu-fen, who sits across the hallway, told reporters.

Mercados são sempre fascinantes… (Leo Monasterio me esclarece: a notícia é uma piada)

burocracia · falhas de governo · genética · inovação · mercados

Setor privado vs Setor Público

Craig Venter is not a man who is inclined to underestimate himself. But then why should he? He beat the government’s science bureaucrats in the race to decode the human genome. Fueled by $3 billion in taxpayer money, the federal Human Genome Project had waddled along for years until Mr. Venter, in 1998, managed to come up with private funding for a $300 million parallel research effort, Celera Genomics. He announced that his team would sequence the genome — mapping the three billion DNA base-pairs that make up all 26,000 or so human genes (plus tracking long stretches of currently unknown function) — three years ahead of the government’s schedule and at a tenth of the cost. And he did.

Econometria · metodologia econométrica · prática da econometria

Econometria aplicada

Todo estudante de Economia ou interessado no tema “Econometria” deveria acompanhar esta discussão entre Robin Hanson e Russ Roberts. É bem esclarecedora sobre os limites e possibilidades do uso de regressões para se entender o mundo.

Não me tome como um “anti-econometria” (discurso antigo dos pterodoxos que, hoje, ainda se debatem para usarem cientificamente a econometria, embora já saibam clicar nos botões do Eviews ou similares). O ponto é que você tem que usar um bocado econometria para, então perceber o potencial e os limites do instrumento.

Claro, não me tome também como a palavra final. Não sou oráculo. Para oráculos, consulte alguns sabichões que publicam em jornais ou blogs (pretensamente) de economia. Acompanhe a discussão acima e leia também o que disse McCloskey sobre a prática econométrica dos economistas.