Uncategorized

Os empresários burros

Guilherme é um bom economista. Eu me queixei aqui da teoria austríaca dos ciclos e ele, com muita educação e conhecimento de causa, respondeu.

Meu problema não é tanto com a possibilidade de um empresário pisar na poça d’água. As expectativas racionais dão conta deste recado: o sujeito não pode cometer erros sistemáticos.

Mas o que dizer de um empresário que percebe o que o governo faz o tempo todo? Ele não incorpora isto em seu cálculo? Eu acho a teoria austríaca dos ciclos simpática, apesar disto. Tenho, sim, o livro do Roger Garrison. Apesar dos pterodoxos brasileiros ignorarem este bom austríaco, eu, o ortodoxo canibal, o tenho na estante (Não é notável?).

Gosto muito da nova geração de austríacos que tenta incorporar testes estatísticos às suas hipóteses teóricas. Algo me diz que o Guilherme não irá parar tão cedo.

Aliás, aí vai outra pergunta para ele: “Guilherme, como você começou com esta história de austríacos na graduação? Seu professor de HPE fez o que eu nunca vi algum desta raça fazer? Ele te indicou um Mises para leitura? Ou um Hayek? Mais ainda: como é que você chegou até a teoria austríaca dos ciclos (algo bem mais específico)?”

Lá vou eu tentar entender a história do pensamento econômico nascente…

Claudio
p.s. quer ver outro bom austríaco? Fernando Zanella. Este anda sumido…

Um comentário em “Os empresários burros

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s