Uncategorized

Se não bode bencê-los, una-se a Bollywood

Eis um artigo interessante sobre estratégias empresariais no ramo cinematográfico. Trata-se de Bollywood, a Hollywood indiana. O mais interessante é ver como o dinamismo dos mercados pode produzir coisas muito interessantes.

Claudio

Continue lendo “Se não bode bencê-los, una-se a Bollywood”

Uncategorized

Se cada boxeador brasileiro fugisse desesperado porque estava acima do peso…

…o Brasil seria uma das mais cruéis ditaduras do mundo. Ou então o boxeador estaria tentando se livrar da retaliação que o ditador preparara para sua família.

Enquanto isto, certo emissário das FARC descansa eternamente em berço esplêndido. Onde está a CNBB quando se precisa dela?

Claudio

Continue lendo “Se cada boxeador brasileiro fugisse desesperado porque estava acima do peso…”

Uncategorized

Infra-estrutura e nós

Quando Getúlio Vargas mergulhou o País no primeiro vexame político de sua História, os serviços públicos de transporte ainda funcionavam bem. Eles ficavam a cargo de empresas privadas concessionárias, vencedoras de concorrências abertas, conhecidas e fiscalizadas. Infelizmente, embora esse fosse o modelo dos países civilizados, o ditador preferiu imitar os modelos totalitários de sua época. Fez o que Evo Morales e Hugo Chávez estão fazendo. Insensato como todo caudilho, ele resolveu nacionalizar tudo! Incorporou todas essas empresas ao patrimônio nacional. Nada escapou. Desde a Marinha Mercante, as ferrovias, os bondes, a luz, a energia, o gás, a água, os esgotos, as hidrovias, os portos marítimos e fluviais e até o bondinho do Corcovado! Da noite para o dia, o Estado passou a decidir sobre tudo. Apesar de todo o esforço de democratização do País, as conseqüências dessa insensatez política ainda pesa sobre nós. Por isso somos um país sem ferrovias, sem bondes, sem navios, sem portos e, o que é pior, com uma política de transportes completamente esquizofrênica.

Concorda com isto?

Claudio

Continue lendo “Infra-estrutura e nós”