Uncategorized

O que eu conheço de altruísta…

Conheço um monte de gente que tem o mesmo discurso altruísta cujas origens “secretas” são reveladas aqui.

Claudio

Continue lendo “O que eu conheço de altruísta…”

Anúncios
Uncategorized

Coase no XXI

Aproveito para fazer um gancho com o que disse o Fábio.

A Justiça norte-americana obrigou a Linden Lab, empresa que desenvolve o mundo virtual do Second Life, a revelar o nome real do avatar Volkov Catteneo. Ele está sendo processado por outro avatar, Stroker Serpentine, por infringir a lei de direitos autorais.

(…)

Não há tribunais ou legislação específica no metaverso. A única punição prevista é a expulsão do jogo de avatares que promovam baderna, ou “griefers”.

A pergunta é: por que os dois não tentaram um acordo? Veja, só há dois participantes (custo de transação baixíssimo) e não há justiça pública. Ou será que tentaram e não conseguiram?

Claudio

Continue lendo “Coase no XXI”

Uncategorized

Coase no XVIII

Estou estudando diversas escrituras de sociedade mercantil entre o Rio de Janeiro e Lisboa na segunda metade do século XVIII. Dentre as inúmeras condições a serem seguidas pelos sócios uma se destaca, a da prestação de contas. “O farão todos amigavelmente sem contenta de justiça e quando alguns deles interessados tenha dúvida e não quiser aceitar elas se convocarão 2 homens de negócio de reconhecida capacidade.”

Acho que eles deviam pensar assim: Cara, vamos resolver isto entre nós (ou entre “gente da gente”) sem esta de elevar os custos num processo caro e demorado no Conselho Ultramarino…

Fábio

Continue lendo “Coase no XVIII”

Uncategorized

Mercados everywhere

Adivinhe o que órgãos públicos produzem? Bens privados. Bacana a notícia. Nosso Butantã produz um bem privado para comercialização norte-americana (uai, cadê o discurso anti-imperialista, anti-Bush e anti-mercado nestas horas?).

Vamos aguardar para ver em quanto tempo um grupo de favelados urbanos será contratado – por uma cesta básica – para acampar, junto com os sem-terra, no Butantã para depredar os laboratórios.

Independente disto, parabéns aos nossos cientistas.

Claudio

Continue lendo “Mercados everywhere”

Inflação

Para a galerinha da macroeconomia brasileira

Sai Fraga, entra Meirelles. A condução da política monetária mudou? Bem, se você ignorar a última (in)definição da meta de inflação para 2008 (os autores não analisam uma série tão longa assim…), aparentemente não houve mudança. Como você sabe? Bem, alguém fez o trabalho sujo de coletar os dados, pesquisar a econometria mais adequada e testar a hipótese. Algo que não se faz no boteco (e é por isto que as discussões de economia no boteco não são nada relevantes, embora possam ser boas para término de amizades).

Determinants of Monetary Policy Committee Decisions: Fraga vs. Meirelles

Paulo Chananeco F. de Barcellos Neto
Marcelo Savino Portugal

The aim of this paper is to assess the stability of the suboptimal Taylor-type monetary policy framework in the decisions made by the Brazilian central bank after the adoption of the inflation targeting system. Comparisons of the rules followed by two central bank chairmen between 1999 and 2006 demonstrate that the determinants of the decisionmaking process underwent some changes. Despite this body of evidence, all functional structures proved to be compatible with an inflation targeting system, indicating continuity in the conduct of such regime in Brazil.

Claudio

Continue lendo “Para a galerinha da macroeconomia brasileira”

Uncategorized

Market-based-management

More broadly, market-based management draws on lessons from history and from all the humane sciences, what Mises[2] called “the science of human action”—on economics, psychology, anthropology, the philosophy of science.

For example, we look at neurology—how people learn, form mental models that guide how they think and act, and what it takes to modify them. When we make an acquisition, we are trying to get the people to think and act differently, so we have to understand that process to be effective.

Take Maslow.[3] He was not a free-market thinker, but he addressed how you motivate people. One way is you have to give them work that is just challenging enough so they are stimulated and not bored, but not so challenging that they are overwhelmed.

O que? Como? Onde? Leia a entrevista aqui.

Claudio

Continue lendo “Market-based-management”