Uncategorized

O socialismo real é mesmo miseravelzinho, né?

Esta gente que nunca viu alguém sofrer pela simples falta do direito de ir e vir deveria ter mais dificuldades para dormir à noite.

A Coréia do Norte é o mais miserável dos países do mundo. Em termos de governo, digo.

Claudio

Continue lendo “O socialismo real é mesmo miseravelzinho, né?”

Uncategorized

Expectativas racionais

“A Defense of the RBC Theory: Understanding the Puzzling Effects of Technology Shocks”
by Pengfei Wang, and Yi Wen

The research led by Gali (AER 1999) and Basu et al. (AER 2006) raises two important questions regarding the validity of the RBC theory: (i) How important are technology shocks in explaining the business cycle? (ii) Do impulse responses to technology shocks found in the data reject the assumption of flexible prices? This paper argues that the conditional impulse responses of the U.S. economy to technology shocks are not grounds to reject the notion that technology shocks are the main driving force behind the business cycle and the assumption of flexible prices, in contrary to the conclusions reached by the literature.

Claudio

Continue lendo “Expectativas racionais”

Uncategorized

Sem noção

Isto aqui, realmente, só reforça minha crença de que a ONU é uma mega-burocracia com sérios problemas.

Lamentável, mas cientificamente previsível (independentemente do “aquecimento global”). Basta ler qualquer texto básico de Escolha Pública para se perceber que só não tínhamos uma visão mais crítica da ONU porque o mundo não era globalizado.

Naquela época, dificilmente novas agendas de pesquisa (como a própria Escolha Pública) chegavam ao Brasil com a velocidade atual. E, claro, muito menos o acesso a notícias em outras línguas.

Claudio

Continue lendo “Sem noção”

Uncategorized

Contradições…e uma parte com o poder de coerção nas mãos

Noto, caminhando para a conclusão, que o governo que parece tão preocupado com as cenas de sexo a que estão expostas as crianças é o mesmo que tem um projeto para instalar máquinas de camisinhas nas escolas; que estimula, de forma irresponsável, o debate sobre o aborto como método contraceptivo (eles negam que seja isso, mas é); que manda imprimir uma cartilha destinada a uma faixa etária que vai de crianças de 13 anos a adultos de 19. Ela os estimula a relatar suas “ficadas” e, pasmem!, as suas “transas”.

Por que faço esta observação? Porque quero destacar que não há uma coerência paradigmática nas ações. Vejam lá o governo Bush: nas questões de costumes, ele é o que se pode chamar de “conservador” (eu concordo com sua abordagem) do começo ao fim. A política oficial brasileira, ao contrário, é laxista. No Carnaval, a propaganda de camisinha é um verdadeiro apelo ao sexo irresponsável. Ela não se limita a dizer: “caso você vá transar, use camisinha ou você pode morrer”. Simples, direto, objetivo. Nada disso: estetiza-se a mensagem, de sorte que o candidato à camisinha aparece em situações em que o sexo casual, com desconhecidas (os), se mostra ao mesmo tempo corriqueiro e moralmente superior. Esses idiotas jamais vão entender que fazer sexo é também uma escolha moral.

Se a propaganda oficial dos ministérios da Educação e da Saúde são laxistas, por que o Ministério da Justiça agora resolveu ter um ataque de estreiteza de costumes? Notem: nos dois casos, trata-se de tirar a autoridade da família: num, entrega-se ao estado o poder de decisão; no outro, fica ao deus-dará. Essa contradição berra. Proteger as criancinhas? Esses caras querem que as criancinhas se danem. Querem é ter um instrumento a mais de controle.

Leia tudo.

Claudio

Continue lendo “Contradições…e uma parte com o poder de coerção nas mãos”

Uncategorized

Assim se incentiva o populismo

Não é preciso ser vidente, basta conhecer os habitantes deste buraco:

– Eu queria dizer para a sociedade que nós, pais, não temos culpa disso. Eles cometeram erro? Cometeram. Mas não vai ser justo manter crianças que estão na faculdade, estão estudando, trabalham, presos. Botar eles numa Polinter? Desnecessário! – protestou o pai de Rubens, Ludovico Ramalho.

Não imbecil! Seus pimpolhos cometeram um crime e não uma traquinagem!

Desnecessário dizer que meu xará pegou leve. Eu teria algumas palavras a mais, mas elas ficariam muito feias aqui.

Claudio

Continue lendo “Assim se incentiva o populismo”