Uncategorized

Enquanto isto, no Palácio do Planalto da Latvéria…(verde e amarela, veja só)

Este cara sempre foi um dos vilões mais interessantes da Marvel. Olho para certos políticos (alguns até mesmo cassados) e imagino qual deles seria a melhor encarnação do Dr. Destino aqui na Latvéria tropical.

Claudio

Continue lendo “Enquanto isto, no Palácio do Planalto da Latvéria…(verde e amarela, veja só)”

microeconomia

O mercado de trabalho

O mercado de trabalho hoje no Brasil está difícil. Principalmente por causa da legislação trabalhista.

Vez ou outra, o empregador e o empregado acabam, por mútuo acordo, violando a lei, devido a sua extrema rigidez. O empregado recebe o seu salário e o empregador confia no empregado para que este não o processe. Até aí, tudo certo.

Mas eis que surge o Tribunal Superior do Trabalho (TST) e diz:

Morte do empregado suspende prazo prescricional

Leia o resto para descobrir o tamanho do imbróglio.

Claudio

Continue lendo “O mercado de trabalho”

Uncategorized

Economia Política do Dízimo Partidário

O “dízimo” do PT não existiria se tivesse sido aprovado, há dois anos, o projeto do deputado Ricardo Barros (PP-PR): seria crime contra a administração pública a exigência do repasse, sob pena de três a cinco anos. Barros, que pediu a retirada do projeto, arquivado em janeiro depois de aprovado em todas as instâncias, foi então indicado por Lula como um dos cinco vice-líderes na Câmara.

Claudio

Continue lendo “Economia Política do Dízimo Partidário”

Academia

Lições básicas para professores

Via Simon Schwartzman, encontrei um artigo sobre o ensino nas escolas municipais de Belo Horizonte cuja conclusão vale a pena destacar:

A review of classroom conditions suggests that teachers’ opinions of child ability would be better if they would discuss topics with students more frequently and ensure that their students work individually more often. The teachers should spend more time in preparing classes, and more time in teaching. Their students should spend more time in writing and doing mathematics.

The teachers should talk more frequently about their students to their school principal. The teachers should have higher levels of education, obtain a teacher’s credential, and take more training courses over several years.

Thus, the better the teacher, the higher the teacher’s estimate of child ability. Policies to attract, train and maintain better teachers in Brazilian schools are an essential component of policies to increase teachers’ evaluations of child ability, and consequently, of child academic achievement.

Certa vez, numa faculdade mais preocupada com o mimo aos alunos do que com o ensino, arrumaram um tal pedagogo (daí comecei a chamar todos de pedabobos, embora saiba que existem exceções, por força da estatística básica…) para os professores. Claro que só para os professores que tinham alguma pós-graduação no departamento, exceto o chefe (leia-se: mestrado e, para o chefe, doutorado). Por que? Porque estes professores eram “novos”, “muito exigentes” enquanto que os velhos, que mal tinham graduação, claro, eram “sábios” e “experientes”. (*)

O tal pedagogo veio com uns papos muito engraçados sobre o “momento” do ensino, o “momento” do aprendizado e tal. Dicas sobre como chamar a atenção de alunos ou como maximizar o aprendizado, nem de longe. Só um vago papo sobre a filosofia do ensino (acho que filósofos ficariam ofendidos com o papo do sujeito, mas tudo bem) e tal.

Na época, um grande colega – outro professor “novo” e “exigente”, com sua peculiar e conhecida sabedoria, disse, em particular, o seguinte:

“- Professor com didática é o cara que preparar aulas, usa o quadro, tira dúvidas, prepara exercícios, aplica provas individuais, não deixa colar, não chega atrasado, cumpre o horário e evita trabalhos em grupos”.

Obviamente, ele não disse, mas estava claro: “- O sujeito, no mínimo, tem que saber mais que o aluno (ou seja, tem que ter, no mínimo, mestrado)”.

Ao ver o resultado da pesquisa acima eu fico feliz em ver que meu amigo estava – e está – correto. Claro que se gastou um bocado para a realização da pesquisa, mas é bom ver que os dados não contam uma história de pedaBOBEIRA.

Uma coisa é um treinamento sério sobre ensino. Outra é o que fizeram com os professores deste caso.

Claudio
(*) De que adianta ser experiente se você faz tudo errado há anos e ninguém lhe corrige? Resposta preliminar a esta pergunta nos últimos ENADEs, por mais imperfeitos que sejam (e é por isto que a banda podre do ensino acadêmico é contra o ENADE, embora, sim, existam bons argumentos para se criticar este exame. Mas é bom separar o joio do trigo).

Continue lendo “Lições básicas para professores”

Uncategorized

Este Brasil imperialista!

A Bolívia e a Petrobras estão enredados em mais um impasse na longa novela da transferência das duas refinarias da empresa no país. Agora, o governo Evo Morales acusa a estatal de contrabando de petróleo cru reconstituído, baseando-se numa lei contra o narcotráfico. A punição prevista chega a US$ 239 milhões, mais que o dobro do preço das plantas.

O governo Morales diz que a Petrobras Bolívia Refinación S.A. (PBR), que ainda controla as refinarias, realizou a exportação desse produto sem Licença Prévia de Exportação, como prevê a Lei do Regime da Coca e das Substâncias Controladas, de 1998. Um anexo de 1992 incluiu o petróleo reconstituído como substância controlada.

De acordo com o governo boliviano, foi iniciado um processo penal contra a PBR, no qual o valor “preliminar” supostamente devido é de US$ 239 milhões, que deve ser corrigido para cima com o tempo.
Esse valor é bem maior que os US$ 112 milhões que a estatal YPFB concordou em pagar à Petrobras para estatizar as duas refinarias, conforme acordo de maio. A primeira parcela, de US$ 56 milhões, foi paga na semana passada. A segunda deve ser depositada em agosto.

Alguém aí entendeu direito o que isto quer dizer?

Claudio

Continue lendo “Este Brasil imperialista!”