Ainda sobre o mercado de órgãos

On Wednesday, May 9, AFF will host a roundtableon the ethics of organ sales. Over 70,000 Americans are waiting for a kidney and the list is growing every day. The 1984 National Organ Transplantation Act made it illegal to sell or acquire an organ for money, and created the often dreaded “national waiting list.” Donation solely by altruism is not working for most patients. Is organ donation simply a supply and demand problem that can be solved by introducing market incentives? Or is allowing financial gain for body parts a violation of basic human dignity? Is America ready to move to a free-market organ allocation process? Should we look to the European “presumed consent model” where all citizens are considered a donor unless they opt-out? Or is the answer to look at other non-monetary incentives?

Joining us to discuss these issues are Dr. Sally Satel of the American Enterprise Institute, Dr. Sam Crowe of the President’s Council on Bioethics, and Kerry Howley of Reason Magazine. Christie Raniszewski Herrera of the American Legislative Exchange Council will moderate. Stay tuned for more panelists.

The event will take place at the Fund for American Studies, 1706 New Hampshire Avenue, NW, near Dupont Circle. Drinks at 6:30; Roundtable begins at 7:00. Roundtables are free for members, $5 for non-members. So join today! Please RSVP to Kathleen O’Hearn at kathleen@americasfuture.org.

Na selva, claro, discutir isto é tabu. O evento é promovido por este povo.

Claudio

Continuar lendo

Anúncios

Eis uma boa pergunta

Via Christianity Today, I find that 1 in 30 late-second-trimester babies aborted in England for eugenic reasons are born alive, dying a few hours later. That’s 102 of 3,189 in this category over nine years (there are 190,000 abortions annually, in all categories). Do pro-abortion people count this as infanticide, or not? It is an interesting definitional question. It’s rare, of course, but 102 extra murders per year in Britain would, I expect, make a dent in the crime statistics.

Neste caso, a conceituação estatística faz toda a diferença.

Claudio

Continuar lendo

Eu tenho a oferta, você, a demanda

The governmental Japan Bank for International Cooperation has decided to extend massive loans to Abu Dhabi National Oil Co. in exchange for securing a stable oil supply for Japan, JBIC officials said Sunday.

The policy-based financial institution is considering lending several billion dollars in the coming years to help meet the Persian Gulf country’s $ 20 billion demand to boost its crude production and its economy, the officials said.

The move, under which Japan initially plans to extend $ 1 billion, or some 120 billion yen, by the end of this year, will draw attention as a new method of securing crude oil supply.

JBIC Gov. Kyosuke Shinozawa, who is accompanying Prime Minister Shinzo Abe on his eight-day trip to the Middle East, was slated to sign the agreement with the ADNOC head.

Claudio

Continuar lendo

A economia dos transplantes de órgãos

A man died of liver damage and severe pancreatitis after receiving a transplanted kidney from a hepatitis B patient and becoming infected with the virus, a hospital panel said Sunday.

The transplant was one of 25 transplants involving suspect kidneys conducted by urologist Makoto Mannami at the Uwajima Municipal Hospital in Uwajima, Ehime Prefecture, since the 1990s that recently came to light.

“It is reasonable to conclude that the transplant caused the virus infection, so we think there are substantial links between the death and the transplant,” Katashi Fukao, head of the investigation panel, told a news conference, referring for the first time to causal links between the controversial transplants and the death of a patient.

“I don’t think we can call this (proper) medical practice,” Fukao added.

Leia tudo.

Claudio

Continuar lendo

Não, não foi Keynes

De acordo com uma troca de mensagens na lista “History of Economic Societies”, a origem do termo “Macroeconomia” não vem do Keynes (embora, claro, os religiosos possam sempre dizer que “Keynes realmente quis dizer isto”). Aparentemente, o origem do termo é de Ragnar Frisch, em 1933, em um ensaio em uma coleção de artigos em honra a Gustav Cassel.

Caso tenha mais informações eu as coloco aqui.

Claudio

Continuar lendo

E eles nem tiveram que gravar um video se dizendo culpados

Um alto funcionário iraniano destacado em Bagdá afirmou neste domingo, 29, que os cinco diplomatas do Irã detidos por forças americanas no Iraque serão libertados nos próximos dias, disse a agência semi-oficial iraniana Mehr.

É, estes norte-americanos não aprendem com os inimigos…

Claudio

Continuar lendo

Dani Rodrik e Mangabeira Unger

Dani Rodrik tem um blog. E o que eu aprendo sobre o que Dani Rodrik pensa do Brasil?

It seems like stuff out of a dream. My Harvard Law School colleague Roberto Mangabeira Unger, at once the most erudite and impenetrable man I know, has just been appointed a minister by President Lula in Brazil. Roberto will be heading a new ministry called, improbably, “the special secretariat for long-term actions.” His task: to draw out a long-term strategy for Brazilian government and society.

I taught a course called “One Way or Many” with Roberto for three years, and he has been one of my two most important sources of inspiration in recent years. He is not an easy man to follow, and I have often joked that it took me the whole three years to understand what he was saying in our course. Check this out for a sample of what I mean. But he is an incredibly imaginative and liberating thinker once you start getting the hang of his distinctive form of rhetoric. My ideas on institutional pluralism, expounded here among other places, owe a great deal to my interactions with him.

Interesting times are in store for Brasilia …

E o que Dani Rodrik pensa das questões éticas envolvidas nesta escolha do tal Unger é um mistério.

Claudio
p.s. eu também queria saber o que o Leo Monasterio pensa deste episódio todo do intelectual que apagou o artigo de sua própria página para assumir um cargo burocrático.
p.s.2. isto sim, é fuga de cérebros…ou não?

Continuar lendo

DJ Claudio (off-topic, em clima dos anos 50)

O “Frank Sinatra” japonês é Yuzo Kayama. Aqui, com a falecida (e belíssima) cantora chinesa Teresa Teng. Yuzo é famoso por cantar a versão original ou nipônica de “My Way” mas, veja só, Teresa Teng é quem também tem um video (antigo) cantando esta música.

Claudio
p.s. claro, o melhor é esta música antiga chinesa que ela cantava.

Continuar lendo

A oferta e a demanda continuam funcionando

O mercado de locação está passando por um período de falta de ofertas. Principalmente nas regiões centrais da cidade e perto do metrô é difícil encontrar unidades disponíveis. “Existe demanda maior que oferta na locação”, afirma José Roberto Federighi, vice-presidente de locação do Sindicato da Habitação (Secovi).

Isso ocorre, segundo ele, por reflexo da retração do investimento no mercado da habitação no passado. “Pararam os investimentos no setor há muitos anos”, afirma. Conforme o executivo, mesmo com a recente aplicação recorde de recursos no financiamento imobiliário – que tem motivado as pessoas a trocarem o aluguel pela prestação da casa própria – ainda não foi possível sentir reflexo sobre a oferta na locação.

Ao contrário do modelo “marshall-kaleckiano-pós-keynesiano-marxiano-marxista-ambientalista”, a boa e velha oferta e sua companheira, a demanda, continuam fazendo a felicidade dos autores de livros-texto sérios de Ciência Econômica.

Claro, existe sempre a opção de livros-textos não sérios de Economia, mas não de Ciência Econômica. Como em qualquer mercado, inteligência é sempre escassa.

Claudio

Continuar lendo

A esquerda brasileira vai negar tudo, mas…

Seria preciso existir possibilidade de visitas e acompanhamento sem controle prévio às escolas dos assentamentos – o que o MST jamais permitiria, porque levaria à desmoralização dessas atividades. Há exceções, notáveis, mas na maior parte dos casos é um exercício primaríssimo de doutrinação da meninada. É um absurdo chamar de educação o que está sendo feito nos assentamentos rurais quando prevalece o tom monocórdio da cartilha única. Pedagogia sem desenvolver o pensamento crítico e sem apresentar diversas leituras sobre o mundo pode ser chamada de educação?

Quem disse isto?

O neoliberal e traidor da causa Zander Navarro

É professor do Departamento de Sociologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e pesquisador visitante do Instituto de Estudos sobre Desenvolvimento, na Inglaterra

Doutorou-se em sociologia na Universidade de Sussex, Inglaterra, e fez pós-doutorado no Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos EUA

Nos anos 80, coordenou a seção gaúcha da Associação Brasileira da Reforma Agrária, aproximando-se do MST. Rompeu com a organização por discordar dos métodos, que considera não democráticos

Que absurdo! Logo, logo a esquerda festiva invadirá a blogosfera para explicar porque tudo isto é mentira e revelar-nos que este senhor é, na verdade, um propagandista na folha de pagamentos da CIA.

Claudio

Continuar lendo

E no Brasil?

O post abaixo critica as credenciais de um político com Ph.D. da Universidade de Illinois. Aqui segue talvez um caso mais grave, que exemplifica como a politicagem nas universidades leva ao pior dos mundos. Uma picareta do MIT que fez carreira burocratica e chegou a admissions dean foi desmascarada. Ela falsificou seu c.v. colocando títulos que nunca obteve. Impressionante que tenha chegado a dean no MIT. Curiosamente, ela não colocou no c.v. o único título verdadeiro que tem: doutorado em 171.

E no Brasil? Tem também? Se tem, e como aqui o governo acha que pode regular até o número de alunos em uma sala, então temos um governo bem ineficiente. O que nos leva à ladainha de sempre.

Claudio
p.s. o que ela fez não é só feio. É imbecil.

Continuar lendo

Crime hediondo

Nove mil garrafas de cervejas com a marca adulterada foram apreendidas na zona norte de São Paulo, na quinta-feira, 26. Uma denúncia anônima revelou a suposta farsa. Segundo o delegado titular do 33º Distrito Policial – de Pirituba, Jair de Castro Vicente, o dono de duas adegas trocava os rótulos e tampinhas originais das garrafas de bebida de qualidade inferior, pelos das marcas Skol e Brahma.

Pelo menos eu não bebo cerveja destas marcas.

Claudio

Continuar lendo