Uncategorized

Morales e os bolivianos

Duas opiniões.

Bolivia’s vice president on indigenous rights, coca crops, and relations with the US

Why Bolivia’s middle class feels left out by Morales

Claudio

Continue lendo “Morales e os bolivianos”

Anúncios
Uncategorized

A economia do mercado ILEGAL de órgãos

A former UCLA official and an associate were arrested Wednesday on charges that they illegally sold parts of bodies donated for research in a scheme that produced more than $1 million in profits.

After years of investigation by campus police, Henry Reid, 57, former director of the Willed Body Program, was arrested at his Anaheim home. Associate Ernest Nelson, 49, was taken into custody in Rancho Cucamonga.

Claudio

Continue lendo “A economia do mercado ILEGAL de órgãos”

Uncategorized

Crônicas de nossos políticos

Daniel Piza, em bom momento.

Trechos:

A semana política foi cheia, o que em geral significa que nosso vazio se ampliou. Votações, discursos, encontros e projetos deram bastante material às páginas de política, embora devessem estar nas de humor. É vã a esperança de fazer os homens felizes por meio da política, escreveu Carlyle em seus diários. Mas que outro tema pode fazê-los rir assim, todos os dias, mais de uma vez ao dia, incluindo fins de semana? A comédia da vida pública brasileira, como as telenovelas, se arrasta até o previsível desfecho, mas, ao contrário delas, mostra o ridículo da humanidade com eloqüência única.

Veja, leitor, o circo parlamentar. Seus palhaços e malabaristas são profissionais 24 horas. Olha como o PMDB executa a coreografia governista com precisão. Admire-se com o crescimento do Partido Republicano (sic), fusão do Partido Liberal (sic, de novo) com o Prona (aquele de um dos maiores comediantes do país, Enéas, o Ronald Golias do horário eleitoral). Mas não espere por investigações sobre eventuais apoios financeiros a esses aliados, do tipo mensalão (segundo a ópera-bufa de Roberto Jefferson) ou sacolão (assim rebatizado por José Alencar; não o escritor José de Alencar, o vice-presidente), afinal o que todo mundo faz é o que ninguém vê.

E não é que Collor, ator que só admitia papel de herói, agora assume o de mártir? Revelou enorme talento para o “understatement”, para a frase que diz menos do que quer dizer, ao falar no púlpito do Congresso sobre sua destituição de 15 anos atrás; mostrou arrependimento pelo confisco nada liberal da poupança dos brasileiros, mas se disse inocentado pelo STF. E ganhou aplausos de Renan Calheiros, do tucano Arthur Virgílio, até do petista Aloizio Mercadante. “Merde pour toi!”, pareciam dizer, repetindo o desejo de boa sorte dos atores ao colega. A imprensa registrou a cena como se fosse realista. Sorte nossa é que outro grande ator, Pedro Simon, com “timing” de Walter Matthau, dias depois subiu ao mesmo palco para lembrar o distinto público uma por uma as provas testemunhais e documentais da Casa da Dinda, aquele grande cenário inspirado em O Rei da Vela.

Collor que se cuide, porque outros veteranos passaram por plásticas mais sutis. José Sarney, como Chico Anysio, sabe se multiplicar em vários personagens, sem deixar de ser o mesmo. Um de seus aliados, Edson Lobão (não o cantor, nem o aumentativo de “lobby”), voltou a defender a criação do Estado do Maranhão do Sul, lá nas paragens que a família do ex-presidente costumava dominar. Ao se manifestar sobre o assunto, o autor de Saraminda e aliado de Lula disse que em sua região é conhecido por ser contra o projeto, embora nacionalmente seja conhecido por ser a favor. Ou seja: em vez de dizer se é a favor ou contra, ele diz que é conhecido por ser ambos. E tudo no mesmo tom de voz, sem mover um fio do bigode. Isso, sim, é arte da representação.

Mas o protagonista, o farsesco maior, é, claro, quem tem mais falas. Lula, como um ex-aprendiz e ex-inimigo de Sarney e Collor – a quem recebeu no mesmo Palácio do Alvorada que disputaram como mocinho e bandido em 1989, enquanto o muro de Berlim caía –, elogiou os usineiros, agora “heróis do mundo”. Depois de monólogos brilhantes nas semanas anteriores – “Quem não gosta do Brasil que vá embora”, “A massa encefálica dentro do meu cérebro” e “A educação do Brasil é das piores do mundo” – e de referências ao ponto G (com gesto e tudo), o compósito de Mazzaropi e Peter Sellers também disse que não aceitaria mais erros na nomeação do Ministério. O tal Balbinotti, latifundiário da soja e suspeito de forjar empréstimos no Banco do Brasil, precisou deixar o elenco. Não ocorreu a Lula que teve pelo menos 100 dias para definir sua “nova” equipe, tempo de ensaio inédito em todas as latitudes políticas.

Divulgou-se também que Lula fez reunião para resolver o apagão aéreo. Na reunião estava a cúpula da Infraero, aquela mesma que disse no dia seguinte que não existe crise nos aeroportos, como se todas as horas de espera e abuso sofridas pelos cidadãos fossem ilusionismo. E que está sendo investigada pelo Tribunal de Contas da União por licitações suspeitas e por dar dinheiro para uma conferência sobre água (não sobre ar) do MST (não o movimento dos sem-água) – o que qualificou de “função social”. Em vez de montar uma força-tarefa para resolver o apagão, Lula prefere o jogo de cena. E, no mesmo Congresso que mandou barrar a CPI do setor, aplaude o aumento de seu próprio salário e de todos os políticos. Ri melhor quem ri com o dinheiro dos outros.

Claudio

Continue lendo “Crônicas de nossos políticos”

Uncategorized

Era um mercado capitalista selvagem e se reestatizou ou nunca deixou de ser estatizado?

Desafios – O senhor mencionou a volta da Petrobras ao setor petroquímico. Como o senhor vê esse retorno?
Cunha – Essa é uma história gozada porque o monopólio da Petrobras foi funcional para o estabelecimento de vários setores industriais, inclusive o petroquímico. Em determinado momento o governo achou que a Petrobras deveria se afastar. Foi quebrado o monopólio através de uma lei, com a idéia de que se promovesse uma competição interna, mas na prática continuou o monopólio físico. Na realidade, essa é uma decisão muito grande, que acabou sendo tomada pela metade. Não era muito pra valer. Mudaram a lei, mas continuou tudo como estava antes. Não foi uma decisão discutida como deveria ser. Eu não acho que seja mau ou bom o monopólio em si, depende do que se quer fazer. Parece-me que não há alternativas para o setor se a Petrobras não voltar, porque na prática ela tem o monopólio da matéria-prima, então é natural que queira expandir-se. Agora a Petrobras está retomando uma autonomia de gestão, diversificando suas atividades, com gás, energia elétrica, e voltou a ter ambições dentro da petroquímica. Nós propusemos à Petrobras uma parceria para a instalação de uma refinaria adaptada à matéria-prima nacional. Partiremos de uma molécula mais barata e vamos obter produtos com a mesma qualidade.

Claudio

Continue lendo “Era um mercado capitalista selvagem e se reestatizou ou nunca deixou de ser estatizado?”

Uncategorized

Os engraçadinhos

Como se sabe, ao contrário do que esperneiam alguns, os EUA também tem seus políticos adeptos de soluções fáceis (= não-soluções). O trecho abaixo é reproduzido sem os links (mas você pode conferi-los na edição de hoje do original de onde copiei-e-colei o trecho abaixo):

Life Imitates ‘The Simpsons’
From “Whacking Day,” an episode of “The Simpsons,” which first aired April 29, 1993:

Principal Skinner: So, what’s the word down at One School Board Plaza?

Superintendent Chalmers: We’re dropping the geography requirement. The children weren’t testing well. It’s proving to be an embarrassment.

Skinner: Very good. Back to the three R’s.

Chalmers: Two R’s, come October.

From the Seattle Times, March 26, 2007:

State lawmakers appear on the verge of dumping the math and science sections of the 10th-grade Washington Assessment of Student Learning (WASL), and replacing them with a very different kind of test.

The idea is to do something about the fact that so few students pass the math and science sections.

Político é malandrinho em qualquer país. A diferença é que, lá, a imprensa é menos bovina e a oposição reage mais rápido. Há outras diferenças, mas eu não sou tão bom para explicá-las. Basta verificar que busca atravessar a fronteira do México são os filhos do bananão em direção ao império do mal (EUA) e não o contrário.

Claudio

Continue lendo “Os engraçadinhos”

Uncategorized

A história dos planos econômicos no Bananão

Different from the Plano Trienal, which lacked a substantial statistical basis, the PAEG was a document that gathered 114 tables and 21 graphs within a span of 240 pages. This was a substantial forward step in economic analysis in Brazil. Its global message was clear, and not so different than that of its predecessor.

É como eu sempre digo: um pouco menos de verborragia não atrapalha. Os ministros de Castelo Branco poderiam ter sido menos cruéis pois, claro, nem sempre um documento cheio de gráficos e tabelas é melhor que a verborragia. Mas, neste caso, parece-me um avanço inegável. Afinal, a racionalização tributária e o Banco Central foram criados no período.

É, de vez em quando alguém tem que desfazer a fantasia e lembrar as pessoas dos custos de oportunidade. Tabelas e gráficos ajudam bem nestes casos.

Claudio

Continue lendo “A história dos planos econômicos no Bananão”

Uncategorized

Ihhhh…


Eduardo Graeff (21/03/07 14:11)

Permitida a reprodução citando a fonte
http://www.e-agora.org.br

De arrepiar o depoimento de um jovem advogado do Rio de Janeiro, reproduzido hoje pelo ex-blog do César Maia, sobre o sumiço das comunidades dele no Orkut e as visitas que recebeu da Polícia Federal. Confira.

KGB EM PLENA AÇÃO! PERSEGUIÇÃO E CENSURA!

1. As comunidades de jovens tipo orkut usam uma adjetivação aberta para atrair pessoas ao debate. Nomes chamativos. Assim é comum se encontrar comunidades tipo “odeio…”, “quero ver no inferno…”, “se morrer tanto melhor…”

2. Só que agora a própria Policia Federal -sob comando do PT- resolveu censurar comunidades tipo orkut, que use adjetivações fortes em relação ao presidente ou ministros.

3. Leia esse depoimento:

A) Meu nome é Arthur Rodrigues, sou morador do Rio, tenho 24 anos e mestrando em Direito Internacional na UERJ. Além disso, há muitos anos sou oposição ao governo do Lula. Hoje, no entanto, vivenciei umas das maiores barbaridades que poderia imaginar e por isso venho aqui enviar-lhe este e-mail. Em 2004 fiz minha conta no orkut e na mesma época criei as comunidades, PSDB e Morte ao Lula, além de outras. Ambas fizeram relativo sucesso, até o fim do ano passado quando foram excluídas por razões desconhecidas, mas que eu atribuí a hackers graças à proximidade das eleições.

B) Há três meses, porém, o porteiro do meu prédio indicou que supostos policiais vinham procurar-me na minha casa. Não estava em nenhum dos momentos, assim que sempre pedi ao zelador que solicitasse o telefone aos oficiais, sem sucesso. Procurei a polícia federal em dezembro, mas não souberam me informar. Há poucas semanas, na terceira “visita”, resolveram deixar o telefone e marquei uma reunião hoje (19 de março) às 16:00 horas com o Sr. Arnaldo, da Equipe Bravo, do Núcleo de Operações da Delegacia Fazendária, 2º andar, sala 31, da PF da Praça Mauá.

C) Chegando lá fiquei sabendo que o tema era o orkut e a comunidade do Morte ao Lula. O policial me informou que a solicitação de identificação veio de Brasília, de alguma repartição ligada à Segurança Institucional, pediu que eu confirmasse a autoria do projeto, eu confirmei e afirmei contudo que se tratava de uma alegoria (inclusive havia um cartoon do Lula sendo guilhotinado). O policial continuou, vendo que eu era estudante de Direito (ao que corrigi dizendo que sou formado) disse que se tratava de assunto sério, que eu deveria ser mais cauteloso, etc. Eu respondi que estava no meu Direito Constitucional à oposição, que na própria comunidade diversas vezes foi dito que o objetivo não era a formação de qualquer projeto assassínio, que éramos pacíficos, etc.

D) Finalmente, no fim do dossier, havia uma notícia, não sei de qual jornal, que dizia do acordo entre a PF e o Google, de excluírem comunidades diretamente. O que me causou espanto foi a coincidência do período (que não sei dizer quando ao certo) entre a exclusão entre as comunidades do PSDB e esta contrária ao presidente. Não sou filiado a nenhum dos partidos e atualmente estou bastante distanciado de quaisquer atividades políticas.

Agradeço imensamente a atenção dispensada,

Arthur Rodrigues.

Claudio

Continue lendo “Ihhhh…”

Uncategorized

Sobre comentários e anônimos

Outro dia falei disto aqui. Mas vamos a dois depoimentos. O primeiro:


Aquele representante do MSG — Movimento dos Sem-Gramática — chamou-me de cão raivoso, pit bull e outras delicadezas. E eu só havia feito uma crítica política: dura, sim, mas sem baixaria. Por que a reação desproporcional e tão pouco inteligente? Também essa resposta é simples: porque estão acostumados a patrulhar, a apontar o seu dedo podre contra terceiros, sem que os “apontados” reajam. Ora, até havia outro dia, ai do coitado que caísse na malha fina da intriga e do cretinismo político e fosse considerado, por exemplo, “de direita”. Estava perdido. Nem emprego arrumava mais. Aliás, querem TV pública para que possam (re)fundar o clubinho. Os mesmos que davam as cartas nas redações da imprensa que chamam “burguesa” — e olhem que esse verbo no passado é pura esperança minha: ainda dão. Pois bem: a novidade é que, hoje em dia, há uns dois ou três que topam afrontá-los e confrontá-los, que não se intimidam. Eles gritam “direitistas!”, e a gente diz: “Tudo bem”. E os coloca, em seguida, como bibelôs, numa montanha de 200 milhões de mortos produzidos pela esquerda.

Pinochet vivo, eu o chamava de facínora. Pinochet morto, eu lhe desejei uma péssima estadia no inferno. Mas eles pretendem adular seus bandidos, como Fidel Castro e Hugo Chávez, enchendo a boca para me chamar de “neonazista”. “Eles”, os que consideram os terroristas palestinos “resistentes” e “vítimas”; “eles”, os que, no fundo, acham que a Al-Qaeda deu uma bela lição nos EUA e no “complô judaico que governa o mundo”; “eles”, os que estão doidinhos para enfiar a mão no bolso do contribuinte para criar uma sinecura estatal em que possam exercer suas teorias conspiratórias ridículas; “eles”, que, sob o pretexto de combater os leões da mídia, resolveram se juntar às hienas, aos urubus, aos mercadores da desgraça e da infelicidade alheias, aos que vendem Deus a prestação. Esses vagabundos acham que podem me dar lição de moral. Não podem.

O segundo:

Há alguns dias o pessoal da blogosfera estava se debatendo quanto à moralidade de um personagem anônimo (ou ARG, segundo um de seus criadores). Em um dos últimos suspiros de sobriedade o dito cujo apelou:

“Nospheratt e Grande Líder, acho que nos querem fora daqui”

Pobre ser inexistente, contando com a minha ajuda depois de irritar mais de meio mundo com opiniões furadas. Ora, o problema dele nunca foi ser fruto da invenção de uma ou duas mentes pervertidas, mas sim ter irritado algumas pessoas bem intencionadas.
Quem não é invenção na Internet? Todo mundo é. O seu nome de batismo foi inventado por alguém (e só usa quem quer), portanto por que não trocá-lo por algum mais adequado aos seus fins? O guru se chama Cardoso, mas poderia ser Pereira. Por que não? Talvez seja e não há nenhum problema nisso.
Talvez meu nome não seja Grande Líder da Silva (mas é). Talvez eu não seja um potentado empresarial (mas sou). O fato é que não importaria meu nome se eu estivesse escrevendo bobagens infelizes. Poderia acontecer se eu não fosse Error proof (mas eu sou).
Já aconteceu de eu entrar em discussões acaloradas por usar um pseudônimo. Minha resposta foi: “E você não usa um também? Quem garante que seu nome é Zé? E mesmo que seja Zé, isso o torna mais conhecido do que eu?”. Não, é claro que não muda ser Zé ou Grande Líder da Silva.

O que muda é ser grosseiro, antipático ou arrogante com os outros. Nesse caso, caríssimos leitores, a vaca vai para o brejo.

Minha opinião: sim, é difícil saber com quem você está falando (sem pensar em carteiraço, ok?). E isto é um trunfo nas mãos de alguns mal-educados que aproveitam para falar bobagens e se mandar. Claro, ser mal-educado não é de forma alguma um monopólio de anônimos.

Claudio

Continue lendo “Sobre comentários e anônimos”

Uncategorized

Sociedade brasileira

Duas hoje:

* Meu colega Humberto – “Eis o peso morto: como todos são desonestos, tenho um custo adicional de preparar provas anti-cola”.

* Do excelente blog do Bernardo – (interpretação livre minha) “Policiais, não atirem. Nós, na favela, estamos cansados disto. Deixem os traficantes trabalharem em paz”.

Percebe o que é perda de peso morto (“deadweight loss”)?

Claudio

Continue lendo “Sociedade brasileira”

Uncategorized

A microeconomia da oferta de caça-níqueis

Eis a notícia.

Trechos:

* Comerciantes contam que o investimento feito no kit montagem ou na máquina já montada é recuperado em, no máximo, três meses. O tempo vai variar de acordo com a programação de lucro feita na máquina. É possível, por exemplo, acertá-la para ficar com mais da metade do dinheiro dos apostadores e permitir que a outra parte seja dividida como prêmio entre centenas de pessoas.

* Quem compra arca com riscos de furto ou roubo. Como a máquina é proibida, se for assaltado, não pode sequer registrar boletim de ocorrência. Por isso, os precavidos pagam até R$ 35 por uma “máscara de ferro” – barra de ferro instalada ao redor da caixa da máquina.

* Enquanto os caça-níqueis se espalham, o diretor jurídico do sindicato de bares, José Francisco Vidotto, ligado ao deputado estadual Campos Machado (PTB), prepara esboço de projeto de lei para ser apresentado ao parlamentar, sugerindo criação de espaços específicos para jogos nos estabelecimentos comerciais.

Está ainda em análise no Supremo Tribunal Federal ação direta de inconstitucionalidade que pode derrubar a lei paulista sancionada em janeiro pelo governador José Serra (PSDB), proibindo máquinas no Estado. “A lei criaria áreas inspiradas nas que já existem em restaurantes para fumantes.” A assessoria do deputado informa, porém, desconhecer o projeto.

Claudio

Continue lendo “A microeconomia da oferta de caça-níqueis”

Uncategorized

A história do joguinho “Banco Imobiliário” (conhecido em inglês como “Monopólio”)

Interessantes curiosidades sobre o jogo. Um trecho:

Then there are the more telling historical details. Most people think Monopoly was an overnight success for Parker Brothers, which introduced it in 1935. But the game began 30 years earlier, when a woman named Elizabeth Magie Phillips designed a new way to teach economics. A proponent of a “single tax” on property (rather than on income and consumption), she designed what she called the “Landlord’s Game” to instruct people about the justice of her economic scheme. Fans of the game made copies by hand, improving the play as they went. By the time Charles Darrow, generally credited with “inventing” Monopoly, obtained a patent and sold it to Parker Brothers, the game had already been through three decades of beta-testing. Parker Brothers manufactured over 1.8 million Monopoly sets in 1936, and sold them all.

Claudio

Continue lendo “A história do joguinho “Banco Imobiliário” (conhecido em inglês como “Monopólio”)”

Uncategorized

Vale a pena ficar desempregado?

Um casal de desempregados foi preso, por volta das 21h de domingo, 25, acusado de piratear CDs, DVDs e games, que eram distribuídos para ambulantes da região da 25 de Março, no centro da capital paulista.

Por causa de uma dívida de aluguel, Marilete Fernandes Santana, de 24 anos, e sua vizinha começaram a discutir no interior do imóvel na Rua Celso Vieira, em Vila Portugal, região de Pirituba, zona oeste da cidade. Temendo que a briga tomasse proporções graves, testemunhas acionaram a Polícia Militar.

A notícia acima mostra que vale sim. Só tem que ser cuidadoso para não deixar os vizinhos notarem. Por pouco o casal não continuava sua vida “honesta, porém ilegal”.

Por que a informalidade é tão alta? Pergunta que tem sido feita por vários economistas. Há os que falam da carga tributária ou de outros motivos. O tema é realmente interessante. Mais ainda se você pensar que é possível que cada tipo de atividade informal (um camelô de CD’s ilegais é diferente de um camelô de frutas?) tenha causas diferenciadas e causas comuns. Só mesmo um estudo com micro-dados para resolver isto.

Claudio

Continue lendo “Vale a pena ficar desempregado?”

Uncategorized

Ele ainda não foi demitido?

O ministro da Defesa, Waldir Pires, determinou que a Infraero apure as circunstâncias do fechamento do Aeroporto Internacional de Guarulhos, nas manhãs de sábado e domingo. Ele pediu a identificação dos funcionários responsáveis e, se necessário, o seu afastamento temporário ou, até mesmo, sua demissão. As informações são da rádio CBN.

E a outra pergunta é: só agora ele toma providências?

Claudio
p.s. e mais outra pergunta é: as providências tomadas têm conseqüências práticas, de fato? Ou só fazem pirotecnia?

Continue lendo “Ele ainda não foi demitido?”

Uncategorized

Aposta que isto não terá efeito algum?

– O funcionamento precário, a atuação deficiente do Conselho e o constante desrespeito à legislação constituem motivos de séria preocupação na medida em que resultam na concessão indevida de vantagens tributárias a entidades que não preenchem os requisitos para recebê-las – diz o ministro Marcos Vinicios Vilaça em seu voto.

Não duvide.

Claudio

Continue lendo “Aposta que isto não terá efeito algum?”