Uncategorized

Informação assimétrica

Às vezes, um menino de quatorze anos, habilidoso e disposto, consegue receber tanto quanto um homem desajeitado, negligente ou sem vontade. É difícil perceber a capacidade do trabalhador e seu real interesse durante as primeiras semanas, por isso, além da alimentação não se costuma pagar mais de 4, 5 6 mil-réis por mês ou 240, 320, 400 réis pela diária. A partir de então, o ordenado sobe aos poucos para 400, 500 e 640 réis e as pessoas muito ativas e trabalhadores recebem uma diária de 800 a 1.000 réis com alimentação. [A Colônia Alemã Bluemenau, Dr. Hermann Blumenau, 2002, p.102]

Daqui a pouco eu saio para conhecer um pouco mais desta bela cidade Florianópolis. Neste pequeno intervalo entre conferência de e-mails, banho e encontros com gente boa no Google Talk, leio o contrato que o dr. Blumenau pretendia levar adiante em sua colônia. Este trecho aí em cima é bacana, não?

Claudio

Continue lendo “Informação assimétrica”

Anúncios
Uncategorized

Sabedoria Sociológica (sério!)

Ninguém deu muita importância à notícia de que vai haver um plebiscito no Maranhão para dividir o Estado em dois, e que esta decisão republicana e democrática, de ouvir o povo, é de inspiração do Senador Sarney, eleito também democraticamente pelo Amapá, aonde nunca viveu, e cujo grupo está ameaçado de perder definitivamente o controle sobre o velho Maranhão. Com o novo Estado a ser criado, teremos mais um governador, vice-governador, três senadores, deputados federais, uma nova assembléia legislativa estadual e não sei quantas secretarias, tribunal de contas, e muitos empregos públicos, todos a serem distribuidos pelo clã Sarney a seus amigos e associados.

Esta generosidade democrática com o dinheiro público é uma reedição tardia da orgia de criação de novos municípios ocorrida nos anos 90 em todo o país. O mecanismo era parecido. Organizava-se um plebiscito, o povo votava pela criação do novo município, que criava sua câmara de vereadores, etc., e passava a ser sustentado com um novo rateamento do dinheiro do Fundo de Participação dos Municípios. O município que era desmembrado, digamos, em duas partes, não perdia 50% dos seus recursos, mas somente uma pequena parcela, da mesma forma que os demais no Estado, em função do novo rateamento do dinheiro, mas, em compensação, passava a ter muito menos gente a quem atender. Então, o negócio era seguir desmembrando os municípios, e brigar para que o Fundo de Participação continuase a sustentá-los.

Em uma verdadeira democracia, a autonomia de estados e municípios deve estar associada à capacidade que eles tenham de gerar recursos através de impostos, e a uma avaliação de se esta é, realmente, a maneira pela qual preferem gastar seus impostos. Em nossa democracia de tolos, todos votam e participam alegremente, e depois mandam a conta para a viúva.

Emancipação de municípios e economia foi o tema da minha dissertação de mestrado.

Claudio

Continue lendo “Sabedoria Sociológica (sério!)”

Uncategorized

Cadê a tal “discussão com a sociedade”?

Eis um caso talvez mais importante (ou pelo menos tão importante quanto) do que a tal discussão com a sociedade sobre chuchus, bananas ou metas de inflação: a lei anti-terror brasileira.

Quem discutiu? Alguém sabe dela? Existe? Quem é contra? A favor? Que tipo de crime é caracterizado como “terror”?

Claudio
p.s. falando nisto, que tal ver isto?

Continue lendo “Cadê a tal “discussão com a sociedade”?”

Uncategorized

Sabedoria Blumenaica

É óbvio que, na questão da distribuição de terras, não vou executar as regras existentes de maneira rude, mas pretendo respeitá-las e mantê-las o máximo possível, pois não posso submeter-me a todas as vontades dos recém-chegados. Nenhum sistema, seja qual for, pode subsistir desta maneira, pois a experiência demonstrou-me que isto é praticamente impossível [A Colônia alemã Blumenau, por Dr. Hermann Blumeanau, Instituto Blumenau, 2002, p.86]

Dr. Hermann Blumenau era o dono da colônia – inicialmente privada – de Blumenau.

Claudio

Continue lendo “Sabedoria Blumenaica”

Uncategorized

Em homenagem aos estudantes brasileiros que morreram na viagem para ver a nova era bolivariana na Venezuela

So, this Government which is so “democratic” and respectful of “Human Righst” raids the offices of opposition group Comando de la Resistancia and Alianza al Bravo Pueblo, ostensibly looking for weapons, which were not found. Meanwhile pro-Chavez supporters like Lina Ron and the Tupamaros go around Caracas armed to the teeth and even daring to stop civilians to check them.

Meawhile the Prosecutor hold a press conference to say that student leader Nixon Moreno can not receive political assylum because he is not being charged with a political crime, but a common crime. Sure, his “common” crime is that he was truly democratically elected as student leader of the University of Los Andes and led protests when the National Guard illegally entered that university. This led the same Prosecutor’s office to issue a search warrant only for him. Yeap, this is not political…Curious how it is always opposition leaders, sounds like Mugabe to me.

Sim, parece que foi em vão. Pena.

Claudio
p.s. errar é humano. Assumir o custo do erro pode não ser racional mas acho que é divino.

Continue lendo “Em homenagem aos estudantes brasileiros que morreram na viagem para ver a nova era bolivariana na Venezuela”

Uncategorized

Dica para os avaliadores bolivarianos da educação: aprendam estatística

Aprendam, rapazes e moças. Aprendam. Depois vão sair por aí falando asneiras sobre os supostos efeitos de políticas educacionais.

Já vi dois caras falarem de avaliação de políticas públicas que se encontravam em uma posição única (até onde eu sei, pois eu os vi falar) em todo o território nacional: entendiam do que falavam.

Eles lecionam na PUC-RJ.

Claudio
p.s. analisar dados é algo que todos deveriam aprender antes de se preocuparem com quantos sinônimos existem para, sei lá, bolonhesa.

Continue lendo “Dica para os avaliadores bolivarianos da educação: aprendam estatística”